Internações e Óbitos de Indígenas por Síndrome Respiratória Aguda Grave, na Pandemia de Covid-19 em Mato Grosso, 2020 / Indigenous Admissions and Deaths for Severe Acute Respiratory Syndrome in the Covid-19 Pandemic in Mato Grosso, 2020

Julia Maria Vicente de Assis, Marina Atanaka

Abstract


Introdução: No Brasil, com a confirmação de primeiros casos de COVID-19 em fevereiro de 2020 declara-se a situação pandêmica e, em final de maio do mesmo ano, a OMS considera a América do Sul e, em particular, o Brasil, como o epicentro da pandemia de COVID-19. Essa situação pandêmica intensifica as desigualdades existentes afetando especialmente as populações vulneráveis. Nesse sentido, considerando as vulnerabilidades e desigualdades, questiona-se sobre a ocorrência e características das internações hospitalares e dos óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave na população indígena residentes no estado de Mato Grosso, Brasil, em 2020. Objetivo: Descrever características demográficas e epidemiológicas das internações e dos óbitos da população indígena no estado de Mato Grosso, 2020.  Metodologia: Trata-se de estudo epidemiológico, descritivo das internações e óbitos por SRAG de Mato Grosso, registrados nos sistemas SINAN Influenza Web do Ministério da Saúde. Os dados populacionais foram estimados pelo Censo Demográfico de 2010 (IBGE, 2010) e utilizado população indígena total de 2020 para cálculo das taxas. Aspectos éticos se trata de uma pesquisa utilizando banco de dados secundário, seguindo as resoluções:  Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012 e Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Resultados: Em 2020 foram notificadas 219 internações de indígenas por SRAG e 64 óbitos, no qual 56 (87,5%) desses óbitos tiveram internações. Em relação às internações por SRAG, os 219 casos correspondem a taxa de internação de 50,25/10.000 indígenas. Destes, 65,3% foram do sexo masculinos, 178 (81,3%) residentes em zona rural e 38 dos casos (17,4%) internaram em Unidade Terapia Intensiva (UTI). Quanto ao desfecho da internação, 93 (42,5%) tiveram alta médica e 56 (25,6%) foram a óbitos. Com relação aos óbitos por SRAG no ano de 2020 total de 64 óbitos (taxa de mortalidade de 146,85/100.000 indígenas), 73,4% dos óbitos foram de sexo masculinos, 52 (81,3%) óbitos de residentes na zona rural, taxa de mortalidade de 119,32/100.000. O município de Barra do Garça notificou maior número de internações e das 29 etnias notificadas, a etnia Xavante apresentou maior número de internações e óbitos. Foram confirmadas como COVID-19, 128 (58,4%) internações que corresponde a taxa de 29,37/10.000 indígenas, já os óbitos 53 (82,8%) foram classificados como de COVID-19, taxa de mortalidade por COVID-19 de 121,61/100.000 indígenas. Discussão: Na progressão da pandemia de Covid-19 em 2020, 58,4% das internações de SRAG entre indígena, no estado de Mato Grosso foram decorrentes da COVID-19. Houve aumento das notificações de internação e óbitos por SRAG, estando ligado diretamente aos casos de Covid-19, os dados de SRAG são similares aos estudos a nível de Brasil. No entanto, destaca-se a taxa de mortalidade por Covid-19 maior que taxa de mortalidade SRAG e taxa de internação por Covid-19 menor que taxa de internação por SRAG. São indícios de impactos da Covid-19 nessa população aumentando a vulnerabilidade e risco em que a emergência de uma nova doença passa a coexistir com as já existentes, em especial em relação as doenças respiratórias. Considerações: As análises dos dados que estão disponíveis para SRAG, faz com que os serviços de saúde possam atender com melhor qualidade este grupo populacional. Percebe-se que as populações indígenas do estado de Mato Grosso sofrem as consequências de diversos fatores, em situações de ampliação da vulnerabilidade durante a pandemia, colocando em risco não só sua saúde como também a sua existência.

 


Keywords


Vulnerabilidade, Internações, Óbitos, População indígenas, SRAG.

References


APIB. Articulação dos Povos Indígenas Do Brasil (APIB). Comitê Nacional de Vida e Memória Indígena. Emergência indígena. Disponível em: Dados Covid 19 | Emergência Indígena (apiboficial.org). Acesso em: 29 jul. de 2021.

ALBUQUERQUE, R.C. DE. Estratégia de desenvolvimento e combate à pobreza. Estudos Avançados, v. 9, n. 24, p. 75–116, 1995.

ASSIS, J. M.V. DE et al. Perfil dos óbitos por coronavírus (COVID-19) em Mato Grosso: Reflexos da flexibilização no estado. Revista Saúde Coletiva. n. 56, p. 3080–3089, 2020.

ASSIS, J. M.V. DE; ATANAKA, M. Perfil Demográfico dos Indígenas Urbanos De Mato Grosso, Amazônia Legal, BRASIL, 2010. In: Dinamismo e clareza no planejamento em ciências da saúde 3. [s.l: s.n.]. p. 82–96.

BERTOLOZZI, M. R. et al. Os conceitos de vulnerabilidade e adesão na Saúde Coletiva. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 43, n. spe2, p. 1326–1330, 2009.

CALÓ, R. DOS S. et al. Perfil epidemiológico dos óbitos por Coronavírus (COVID -19) em Mato Grosso. Saúde Coletiva (Barueri), n. 56, p. 3080–3089, 2020.

CASTRO, M. A.; OLIVEIRA, F.; SANTANA, H. Determinantes da Hospitalização e Mortalidade por Doenças Respiratórias - Uma análise com os microdados do Sudeste entre 2000 e 2020. n. June, 2020.

CODEÇO, C. T. et al. Risco de espalhamento da COVID-19 em populações indígenas: considerações preliminares sobre vulnerabilidade geográfica e sociodemográfica FIOCRUZ. 2020.

ESTRELA, F. M. et al. Pandemia da Covid 19: refletindo as vulnerabilidades a luz do gênero, raça e classe. Ciencia & saude coletiva, v. 25, n. 9, p. 3431–3436, 2020.

FARIAS, M. N.; JUNIOR, J. D. L. Vulnerabilidade Social e Covid-19: Considerações a Partir da Terapia Ocupacional Social. Brazilian Journal of Occupational Therapy, 2020

FOO, P. K. et al. High Rates of COVID-19 Infection Among Indigenous Maya at a US Safety-Net Health System in California. Public Health Reports, v. 136, p. 295–300, 2021.

FUNASA. Política nacional de atenção à saúde dos povos indígenas. 2° ed. [s.l: s.n.]. v. 1

IBGE. Censo Demográfico 2010: Características gerais dos indígenas. n. 0104–3145, p. 245, 2012.

LEÓN-MARTÍNEZ, L. D. DE et al. Critical review of social, environmental and health risk factors in the Mexican indigenous population and their capacity to respond to the COVID-19. Science of the Total Environment, v. 733, p. 139357, 2020.

MATTA, G. C. Covid-19 e o Dia em que o Brasil Tirou o Bloco da Rua acerca das narrativas de vulnerabilizados e grupos de risco. In: FIOCRUZ (Ed.). . Os impactos sociais da Covid-19 no Brasil: populações vulnerabilizadas e respostas à pandemia. [s.l: s.n.]. p. 42–50.

MATTA, G. C. et al. Os impactos sociais da Covid-19 no Brasil: populações vulnerabilizadas e respostas à pandemia. In: Os impactos sociais da Covid-19 no Brasil: populações vulnerabilizadas e respostas à pandemia. Fiocruz, ed. Rio de Janeiro, RJ: [s.n.].

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Plano de Contingência Nacional para Infecção Humana pelo novo Coronavírus (COVID-19) em Povos Indígenas. Ministério da Saúde Secretaria Especial de Saúde Indígena, 2020.

MORATO, J. E. M. et al. Procedimento Operacional Padrão para coleta de casos suspeitos de Síndrome Respiratória Aguda Grave. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 7, p. 51762–51772, 2020.

PONTES, A. L. DE M. et al. Pandemia de Covid-19 e os Povos Indígenas no Brasil cenários sociopolíticos e epidemiológicos. In: Os impactos sociais da Covid-19 no Brasil: populações vulnerabilizadas e respostas à pandemia. Fiocruz ed. Rio de Janeiro- RJ: [s.n.]. p. 123–136.

RAUPP, L. et al. Condições de saneamento e desigualdades de cor/raça no Brasil urbano: Uma análise com foco na população indígena com base no Censo Demográfico de 2010. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 20, n. 1, p. 1–15, 2017.

REGO, S.; et al. Bioética e Covid-19 vulnerabilidades e saúde pública. In: Os impactos sociais da Covid-19 no Brasil: populações vulnerabilizadas e respostas à pandemia. Fiocruz ed. Rio de Janeiro: [s.n.]. p. 61–72.

SCHMIDT, B. et al. Saúde Mental e Atenção Psicossocial a Grupos Populacionais Vulneráveis por Processos de Exclusão Social na Pandemia de Covid-19. In: Os impactos sociais da Covid-19 no Brasil: populações vulnerabilizadas e respostas à pandemia. Fiocruz ed. Rio de Janeiro- RJ: [s.n.]. p. 86–100.

SILVA, W.N.T. da. et al. Síndrome respiratória aguda grave em indígenas no contexto da pandemia da COVID-19 no Brasil: uma análise sob a perspectiva da vigilância epidemiológica. Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, v. 9, n. 1, p. 2–11, 2021.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n12-015

Refbacks

  • There are currently no refbacks.