Características sociodemográficas e de trabalho do profissional da educação física de academia / Sociodemographic and work characteristics of the physical education professional in fitness centers

Leticia de Jesus, Frida Marina Fischer, Aylton José Figueira Junior, Mariana Harumi Cruz Tsukamoto, Douglas Roque Andrade

Abstract


Como objetivos foi identificado o perfil do profissional de Educação Fisica e o estilo de vida, utilizou-se de um levantamento bibliográfico e  um questionário. Foram pesquisados 80 profissionais de Educação Física que atuam em academias da zona leste de São Paulo. A maioria dos profissionais era do sexo masculino e tinham em média de 33 anos; trabalhavam dois anos na academia onde foi realizada a pesquisa; 55% obtinham carteira e previdência social. Houve uma prevalência baixa de doenças e lesões. O pentáculo do bem-estar teve um resultado positivo para os indicadores de estilo de vida. É uma profissão recente no mercado, e um dos grandes desafios desta área é o processo de envelhecimento e o plano de carreira. Em média esses profissionais têm 2 empregos e dividem a rotina e seu tempo com outras atividades. Podemos concluir que os profissionais deste estudo são considerados jovens e fisicamente ativos, além de ter poucos problemas de saúde.


Keywords


Educação física, Profissional, Educação física, Saúde do trabalhador.

References


PALMA, A. Vida de professores de educação física que atuam em academias de ginástica: comportamento de risco ou vulnerabilidade? In: II Conferência do Imaginário e das Representações Sociais em Educação Física, ESPORTE E LAZER, 2003, Rio de Janeiro. Anais da II Conferência do Imaginário e das Representações Sociais em Educação Física, Esporte e Lazer. Rio de Janeiro: Universidade Gama Filho, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ACADEMIAS DO BRASIL. O mercado de fitness. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2017.

SEBRAE. Ideias de negócios Personal Trainer. Manual do Personal Trainer Brasileiro. São Paulo. Disponivel em http://intranet.df.sebrae.com.br/download/portal/personal-trainer.pdf

Acesso em 05/08/2020.

ANTUNES, A. C. Mercado de trabalho e Educação Física: aspectos da preparação profissional. São Paulo: Revista de educação, 2007. v. 10, n. 10.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra regionais de São Paulo : Zona leste de São Paulo. 2010.

CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA. RESOLUÇÃO. CONFEF nº 307, de 09 de novembro de 2015, dispõe sobre o código de ética dos profissionais de educação física. Registrados no sistema CONFEF/CREFS. Disponível em: < http://www.confef.org.br/confef/resolucoes/381>. Acesso em: 16 dez. 2017.

SILVA, J. B.; VALE, R. G. S.; SILVA, F., CHAGAS, A.; MORAES, G.; LIMA, V. P. Low back pain among bodybuilding professors of the West zone of the. City of Rio de Janeiro/ Lombalgia em professores de musculação da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. São Paulo: Rev Dor, 2016.

MOURÃO,L. Saúde e trabalho: o caso das professoras de educação física que atuam em academias de ginástica no rio de janeiro. Corpus et Scientia. 1(1): 41-47, 2005.

ORTEGA, FRANCISCO JAVIER GUERRERO.Marcas no corpo, cansaço e experiência: nuances do envelhecer como professor de Educação Física. Interface (Botucatu)[online]. 2013, vol.17, n.46, pp.661-675. Epub Sep 10, 2013.

METZNER, A. C. Educação Física, formação inicial de professores e o mercado de trabalho. Universidade Federal de Santa Maria. Revista do Centro de Educação, vol. 41, Nº 3, 2016.

BRASIL. Decreto nº 27.048 de 12 de agosto de 1949. Aprova o regulamento da Lei nº 605, de 5 de janeiro de 1949, que dispõe sobre o repouso semanal remunerado e o pagamento De salário nos dias feriados civis e religiosos. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1930-1949/D27048.htm>. Acesso em: 16 dez. 2017. 75

Mendes, Alessandra Dias. O trabalho e a saúde do educador físico em academias:

uma contradição no cerne da profissão. Rev Bras Educ Fís Esporte, (São Paulo) 2014 Out-Dez; 28(4):599-615

BRASIL. Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943.República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/civil_03/decreto-lei/del5452.htm Acesso em: 16 jul. 2019.

PRONI, M. W. Profissão Educação Física e o mercado de trabalho. Campinas: Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho, Instituto de Economia. UNICAMP, 2010.

SHIWA, S. R.; SCHMITT, A. C. B.; JOÃO, S. M. A. The physical therapist in the state of São Paulo. El fisioterapeuta del estado de São Paulo. Fisioter. Pesqui. São Paulo, v. 23, n. 3, p. 301-310, 2016.

CONSELHO REGIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Profissionais de Educação Física com registro ativo. 15 jul. 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2019.

NAHAS, M. V.; BARROS, M. G. V.; FRANCALACCI, V. O pentáculo do bem-estar: base conceitual para a avaliação do estilo de vida em indivíduos ou grupos. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Londrina, v. 2, n. 5, p. 48-59, 2000. 80

MOLETA,T.Percepção de bem-estar. Um estudo com operador de empilhadeira de uma indústria de Ponte Grossa/PR.v04, n 01, jan/jun 2013,p.01-09.

INACIO, C.S. ALAN, G. KNUTH, A.WENDT, B.P. PEDRO, C. DÉBORA, C. Prática de atividade física em meio à pandemia da COVID-19: estudo de base populacional em cidade do sul do Brasil. https://doi.org/10.1590/1413-812320202511.29072020




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n12-011

Refbacks

  • There are currently no refbacks.