Da interceptação de aeronaves no Brasil: A medida de destruição como uma questão de Soberania Nacional? / On aircraft Interception in Brazil: The measure of destruction as a matter of National Sovereignty?

Tamires Maria Batista Andrade, Dr. Ivan Muniz de Mesquita

Abstract


O tema proposto neste trabalho busca analisar criticamente a Lei n.º 9.614/1998, que introduziu o §3º, no Código Brasileiro de Aeronáutica, Lei n.º 7.565/1986, que prevê a possibilidade da medida de destruição, após esgotados todos os demais meios coercitivos legalmente previstos (medidas de averiguação, intervenção e persuasão) de interceptação de aeronaves hostis ou suspeitas de tráfico de substâncias entorpecentes e drogas afins, conforme Decreto n.º 5.144/2004. Criada num contexto da política antidrogas dos Estados Unidos na América Latina, “War on Drugs”, a denominada Lei do Tiro de Destruição levanta muitas polêmicas quanto a sua aplicação no Estado Democrático de Direito, inclusive no que toca a sua (in) constitucionalidade. Atualmente vigente no ordenamento jurídico pátrio, essa medida encontra-se sob responsabilidade de execução da Força Aérea Brasileira, tendo em vista o que dispõe o artigo 16-A, I - atividade subsidiária geral - e art. 18, VI - atividade subsidiária particular, ambos da Lei Complementar n.º 97/99, que dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas e, de acordo com o art. 142, §1º, da Magna Carta de 1988. Ocorre que, a referida medida, cabendo registrar, de caráter excepcional e extremo -ultima ratio- já foi autorizada em demais situações de segurança nacional, tal como naquela definida pelo Decreto nº 8.758/2016, que estabeleceu os procedimentos a serem observados em relação às aeronaves suspeitas ou hostis durante os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos no Rio de Janeiro no ano de 2016. Após os eventos ocorridos em 11 de setembro de 2001, a pergunta que se pretende responder é: a medida de destruição é somente uma forma de patrulhamento do espaço aéreo brasileiro pela FAB, de modo a evitar os crimes transfronteiriços, tal como o tráfico de drogas internacional, ou, sobretudo, um instrumento de defesa da soberania aeroespacial brasileira?

Keywords


Interceptação de aeronaves, Medida de destruição, Soberania Nacional.

References


BALEKIAN, Roberto Avedis. A medida de destruição nos Grandes Eventos. Trabalho de Conclusão de Curso, 2015. Disponível em redebia.direns.aer.mil.br, acessado em 11 de julho de 2020.

BOBBIO, N. et al. Dicionário de Política. São Paulo: Editora UNB, 2010.

BONAVIDES, P. Ciência Política. São Paulo: Malheiros Editores, 2000.

BRASIL. Decreto nº 5.144, de 16 de julho de 2004. Regulamenta os §§ 1º, 2º e 3º do art. 303 da Lei no 7.565, de 19 de dezembro de 1986, que dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica, no que concerne às aeronaves hostis ou suspeitas de tráfico de substâncias entorpecentes e drogas afins. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5144.htm, acessado em 13 de maio de 2020.

BRASIL. Decreto nº 8.265, de 11 de junho de 2014. Regulamenta a Lei nº 7.565, de 19 de dezembro de 1986 - Código Brasileiro de Aeronáutica, no tocante às aeronaves sujeitas à medida de destruição, no período de 12 de junho a 17 de julho de 2014. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Decreto/D8265.htm, acessado em 13 de maio de 2020.

BRASIL. Decreto nº 8.758, de 10 de maio de 2016. Regulamenta a Lei nº 7.565, de 19 de dezembro de 1986, que dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica, para estabelecer procedimentos a serem observados com relação a aeronaves suspeitas ou hostis durante os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8758.htm, acessado em 13 de maio de 2020.

BRASIL. Decreto nº 9.645, de 27 de dezembro de 2018, que dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica, para estabelecer procedimentos a serem observados com relação a aeronaves suspeitas ou hostis durante a posse presidencial em 1º de janeiro de 2019. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Decreto/D9645.htm, acessado em 13 de maio de 2020.

BRASIL. Lei n.º 7.565, de 19 de dezembro de 1986. Dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7565.htm, acessado em 13 de maio de 2020.

BRASIL. Lei nº 9.614, de 5 de março de 1998. Altera a Lei nº 7.565, de 19 de dezembro de 1986, para incluir hipótese destruição de aeronave. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9614.htm, acessado em 13 de maio de 2020.

BRASIL. Lei complementar nº 97, de 9 de junho de 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp97.htm, acessado em 12 de junho de 2020.

BRASIL. Projeto de Lei (CD) nº 1229/1995. Projeto de Lei da Câmara nº 47/1996: Lei nº 9.614 de 05/03/1998. Altera a lei 7565, de 19 de dezembro de 1986, para incluir hipótese de destruição de aeronave. Disponível em https://www.lexml.gov.br/urn/urn:lex:br:senado.federal:projeto.lei;plc:1996;47, acesso em 09 de março de 2020.

BRASIL. Ministério da Defesa. Livro Branco de Defesa Nacional. Disponível em https://www.defesa.gov.br/estado-e-defesa/livro-branco-de-defesa-nacional, acessado em 24 de junho de 2020.

BRASIL. Ministério da Defesa. Política Nacional de Defesa e Estratégia Nacional de Defesa. Disponível em https://www.defesa.gov.br/estado-e-defesa/politica-nacional-de-defesa, acessado em 24 de junho de 2020.

BRASIL. Ministério da Defesa. Portaria Normativa nº 2.221/MD, de 20 de agosto de 2012. Aprova a Diretriz Ministerial que estabelece orientações para a atuação do Ministério da Defesa nas atividades compreendidas nos Grandes Eventos determinados pela Presidência da República. Disponível em http://www.lex.com.br/legis_23600750_PORTARIA_NORMATIVA_N_2221_DE_20_DE_AGOSTO_DE_2012.aspx, acessado em 22 de junho de 2020.

BRASIL. Exposição de Motivos no projeto de lei n.º 1.229 de 1995. Disponível em https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=1B7ABCEB4693D6F66442F8B4E5BBB6A.proposicoesWebExterno2?codteor=1133342&filename=Dossie+-PL+1229/1995, acessado em 13 de maio de 2020.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Estado, Estado-Nação e Formas De Intermediação Política. Lua Nova, São Paulo, 2017, p. 100-117.

FEITOSA, Gustavo Raposo Pereira; PINHEIRO, José Augusto de Oliveira. Lei do Abate, guerra às drogas e defesa nacional. Revista Brasileira De Política Internacional, 2012, Vol.55(1), pp.66-9, Identificador: ISSN: 0034-7329 // https://doi.org/10.1590/S0034-73292012000100005.

FILHO, Nelson Lacava. Bases do sistema de direito penal militar. Belo Horizonte: Editora Plácido, 2019. 430. P.

GARCIA, Francisco Proença. Da Guerra e da Estratégia: a Nova Polemologia. Lisboa: Prefácio-Edição de Livros e Revistas, Lda, 2010.

GRAHAM, Sthephen. Cidades sitiadas: o novo urbanismo militar. Sthephen Graham; tradução Alyne Azuma. 1ª ed. São Paulo: Boitempo, 2016. 477p.

KAIBANGA, Rosa. Novas ameaças, defesa nacional, forças armadas. CEDIS Working Papers | Direito, Segurança e Democracia | ISSN 2184- 0776 | Nº 33 | maio de 2016.

MAIEROVITCH, Walter Fanganiello. (2003) Pena de morte no Brasil. Revista Carta Capital, 23 de julho de 2003.

MESQUITA, Ivan Muniz de. Poder Aeroespacial e Direito Aeronáutico. Rio de Janeiro: Editora Luzes – Comunicação, Arte e Cultura, 218, 360 p.

MONSERRAT FILHO, José. Direito e política na era espacial: podemos ser mais justos no espaço do que na Terra? Rio de Janeiro: Viera & Lent, 2007. 240p.

MUGGAH, Robert. DINIZ, Gustavo. Protegendo as Fronteiras: o Brasil e sua estratégia “América do Sul como prioridade” contra o crime organizado transnacional. Instituto Igarapé. Artigo Estratégico 5. Outubro de 2013. Disponível em https://publicacoes.igarape.org.br/protegendo-as-fronteiras-o-brasil-e-sua-estrategia-america-do-sul-como-prioridade-contra-o-crime-organizado-transnacional/, acessado em 25 de junho de 2020.

NEGRÃO, Luiz; IDE, Milena Hatsumi et al. Lei do Abate e Justiça Militar. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 16, n. 3046, 3 nov. 2011. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/20350, acesso em 20 de março de 2020.

OLIVEIRA, Maria Marly de. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

PACHECO, José da Silva. Comentários ao Código Brasileiro de Aeronáutica. (Lei n.º 7.565, de 19.12.1986). Prolegômenos. Revista e atualizada. 3ª Edição. Editora Forense, Rio de Janeiro, 2001.

PEREIRA, Matheus de Oliveira. Política de Defesa. Dicionário de segurança e defesa [recurso eletrônico] / organizado por Héctor Luis Saint-Pierre, Marina Gisela Vitelli. – São Paulo: Editora Unesp Digital, 2018, p. 874 - 879.

RODRIGUES, Thiago. Contexto Internacional (PUC). Vol. 34 no 1 – jan/jun 2012 1ª Revisão: 25/11/2012.

RODRIGUES, Thiago. Política e drogas nas Américas: uma genealogia do proibicionismo. São Paulo: Desatino, 2016.

ROSA, Carlos Eduardo Valle; JASPER, Flavio Neri Hadmann. Aeronáutica.

Dicionário de segurança e defesa [recurso eletrônico] / organizado por Héctor Luis Saint-Pierre, Marina Gisela Vitelli. – São Paulo: Editora Unesp Digital, 2018, p. 32-59.

SOUZA, Marcelo Weitzel Rabello de. As novas missões das Forças Armadas e as lacunas no direito brasileiro. Revista do Ministério Público Militar, ano 2008.

Disponível em http://www.mpm.mp.br/revista-mpm/, acessado em 15 de maio de 2020.

SUCCI JUNIOR, David Paulo. Garantia da lei e da ordem (GLO). Dicionário de segurança e defesa [recurso eletrônico] / organizado por Héctor Luis Saint-Pierre, Marina Gisela Vitelli. – São Paulo: Editora Unesp Digital, 2018, p. 487-492.

UNITED STATES. United States Departament Of State. Bureau For International Narcotics And Law Enforcement Affairs.International Narcotics Control Strategy Report: Volume I Drug and Chemical Control. 2014. Disponível em: http://www.state.gov/documents/organization/222881.pdf. Acessado em 24 de junho de 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n12-004

Refbacks

  • There are currently no refbacks.