Isolamento e identificação da microbiota fúngica anemófila em Unidade de Terapia Intensiva/ Isolation and identification of anemophilic fungal microbiota in an Intensive Care Unit

Rodrigo Jose Nunes Calumby, Juliana Almerino Silva, Davi Porfirio da Silva, Rossana Teotonio de Farias Moreira, Maria Anilda dos Santos Araujo, Lara Mendes de Almeida, Luciano Aparecido Meireles Grillo, Valter Alvino

Abstract


Justificativa e objetivo: Os fungos anemófilos são microrganismos encontrados no ar atmosférico que podem desencadear processos alérgicos e infecções disseminadas em pacientes imunocomprometidos. Nos últimos anos, as infecções fúngicas de origem hospitalar, especialmente em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), passaram a ser de grande importância, pelo seu aumento gradativo e pelas elevadas taxas de morbidade e mortalidade. Assim, este estudo teve por objetivo isolar e identificar a microbiota fúngica anemófila em UTI de um hospital de Maceió – Estado de Alagoas. Material e Métodos: As amostras do ar foram analisadas através da técnica de sedimentação espontânea em placas de Petri contendo Ágar Sabouraud Dextrose (ASD). Para identificação dos fungos, realizou-se classificação específica baseada na associação dos aspectos macroscópicos com as características microscópicas do exame direto da cultura, sendo os fungos filamentosos confirmados pela estimulação da esporulação pela técnica de microcultivo em lâmina utilizando-se Ágar Lactrimel. As leveduras do gênero Candida foram caracterizadas através da inoculação em ágar cromogênico. Resultados: Na análise quantitativa foi observado o crescimento de 114 Unidades Formadoras de Colônias (UFC), sendo identificados 17 gêneros fúngicos, com destaque para Cladosporium spp. (28,1%), Aspergillus spp. (17,5%) e Penicillium spp. (12,3%). Cladosporium cladosporioides foi a espécie mais frequente (21,9%), seguida por Aspergillus fumigatus com 10 (8,8%) e Mycelia sterilia com 9 (7,9%). Conclusão: A grande diversidade e a elevada frequência de isolamento de fungos na UTI são fatores preocupantes, uma vez que a condição imunológica dos pacientes hospitalizados pode implicar no acometimento de infecções nosocomiais, demonstrando a necessidade de monitoramento constante desses ambientes.


Keywords


fungos anemófilos, qualidade do ar, infecção hospitalar.

References


MENEGUETI, M. G.; CANINI, S. R. M. S.; BELISSIMO-RODRIGUES, F.; LAUS, A. M. Avaliação dos programas de controle de infecção hospitalar em serviços de saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 23, n. 1, p. 98-105, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.616, de 12 de maio de 1998. Diário Oficial da União, Expede na forma de anexos diretriz e normas para a prevenção e controle das infecções hospitalares, Brasília, 13 mar. 1998.

CARDOSO, A. M. Bactérias Gram-negativas isoladas em uma unidade de terapia intensiva de um Hospital Escola de Goiânia. Revista de Patologia Tropical, v. 34, n. 3, p. 1-10, 2005.

PERNA, T. D. G. S.; PUIATTI, M. A.; PERNA, D. H.; PEREIRA, N. M. M.; COURI, M. G.; FERREIRA, C. M. D. Prevalência de infecção hospitalar pela bactéria do gênero Klebsiella em uma Unidade de Terapia Intensiva. Rev Soc Bras Clin Med, v. 13, n. 2, p. 119 - 123, 2015.

TAMURA, N. K.; NEGRI, M. F. N.; BONASSOLI, L. A.; SVIDZINSKI, T. I. E. Fatores de virulência de Candida spp. isoladas de cateteres venosos e mãos de servidores hospitalares. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 40, n. 1, p. 91-93, 2007.

ALANGADEN, G. J. Nosocomial fungal infections: epidemiology, infection control,

and prevention. Infectious Disease Clinics of North America, v. 25, p. 201-225, 2011.

PEMÁN, J.; ZARAGOZA, R.; SALAVERT, M. Control y prevención de las infecciones nosocomiales y asociadas a cuidados sanitarios causadas por especies de Candida y otras levaduras. Rev Esp Quimioter, v. 26, n. 4, p. 298-311, 2013.

RUIZ, L. S.; PEREIRA, V. B. R. Importância dos fungos no ambiente hospitalar. Bol Inst Adolfo Lutz, v. 26, n. 2, p. 2-4, 2016.

MARTINS-DINIZ, J. N.; SILVA, R. A. M.; MIRANDA, E. T.; MENDES-GIANNINI, M. J. S. Monitoramento de fungos anemófilos e de leveduras em unidade hospitalar. Rev Saúde Pública, v. 39, n. 3, p. 398-405, 2005.

PEREIRA, J. G.; ZAN, R. A.; JARDIN, C. F.; MENEGUETTI, D. U. O. Análise de fungos anemófilos em hospital da cidade de Ariquemes, Rondônia, Amazônia Ocidental, Brasil. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, v. 4, n. 1, p. 18-22, 2014.

MARTINS, O. A. Fungos anemófilos e leveduras isolados em ambientes de laboratórios de microbiologia em instituição de Ensino Superior. [Dissertação de Mestrado] - Universidade Federal de Pelotas. Faculdade de Veterinária. Pelotas - RS, 2016.

NAKAMURA, H. M.; CALDEIRA, S. M.; AVILA, M. A. G. Incidência de infecções fúngicas em pacientes cirúrgicos: uma abordagem retrospectiva. Rev. SOBECC, v. 18, n. 3, p. 49–58, 2013.

RÊGO, C. M.; SANTOS, F. S. Ocorrência de fungos anemófilos e sua relação com fatores abióticos em Barreiras, Bahia. Revista Brasileira de Biociências, v. 13, n. 4, p. 265-271, 2015.

FLORES, L. H.; ONOFRE, S. B. Determinação da presença de fungos anemófilos e Leveduras em unidade de saúde da cidade de Francisco Beltrão – PR. SaBios: Rev. Saúde e Biologia, v.5, n.2, p.22-26, 2010.

SOBRAL, L. V. Fungos anemófilos em ambientes climatizados: prevalência, produção de enzimas e atividade antibacteriana. [Dissertação de Mestrado] - Universidade Federal de Pernambuco. Vitória de Santo Antão – PE, 2016. 64 f.

BOFF, C. Monitoramento de fungos no ar de unidades de terapia intensiva. [Dissertação de mestrado] - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre - RS, 2011. 61 f.

BRASIL, Ministério da Saúde. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RE nº 09 de 16 de janeiro de 2003. Determina a publicação de Orientação Técnica elaborada por Grupo Técnico Assessor, sobre Padrões Referenciais de Qualidade do Ar Interior, em ambientes climatizados artificialmente de uso público e coletivo. Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 20 de janeiro de 2003.

RIDDELL, R. W. Permanent Stained Mycological Preparations Obtained by Slide Culture. Mycologia, v. 42, p. 265–270, 1950.

ALBERTI, C.; BOUAKLINE, A.; RIBAUD, P.; LACROIX, C.; ROUSSELOT, P.; LEBLANC, T.; DEROUIN, F. Retlationship between environmental fungal contamination and the incidence of invasive aspergillosis in haematology patients. J Hosp Infect, v. 48, n. 3, p. 198-206, 2001.

SALES, E.; SALES, E. M. L.; DIAS, L. F.; COSTAS, F. E. C.; LOYOLA, A. B. A. Micota no ar da unidade de terapia intensiva e centro cirúrgico de um hospital universitário. Bioikos, Campinas, v. 25, n. 2, p. 109–115, 2011.

VENCESLAU, E. M.; MARTINS, R. P. P.; OLIVEIRA, I. D. Frequência de fungos anemófilos em áreas críticas de unidade hospitalar de Aracaju, Sergipe, Brasil. RBAC, v. 44, n. 1, p. 26–30, 2012.

MEZZARI, A. Fungos anemófilos em Porto Alegre, RS. [Tese de Doutorado] - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre - RS, 2002. 75 f.

MENEZES, E. A.; ALCANFOR, A. C.; CUNHA, F. A. Fungos anemófilos na sala de periódicos da biblioteca de ciências da saúde da Universidade Federal do Ceará. Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 38, n. 3, p. 155-158, 2006.

LOBATO, R. C. Sazonalidade e prevalência de fungos anemófilos em ambiente hospitalar no sul do Rio Grande do Sul, Brasil. Rev. Fac. Ciênc. Méd., Sorocaba, v. 11, n. 2, p. 21-28, 2009.

MEZZARI, A.; PERIN, C.; SANTOS JÚNIOR, S. A.; BREND, L. A. G.; DI GESU, G. Fungos anemófilos e sensibilização em indivíduos atópicos em Porto Alegre, RS. Rev. Assoc. Med. Bras., v. 49, n. 3, p. 270-273, 2003.

SOUZA, A. K. P. Microbiota fúngica do ambiente da UTI neonatal e de amostras clínicas dos recém-nascidos internados no Hospital Universitário de Maceió, Al. [Dissertação de Mestrado] - Universidade Federal de Alagoas. Maceió - AL, 2009. 128 f.

LORENTE, C; BÁRCENA, A.; BAHIMA, V. J.; SAPARRAT, M. C.; ARRAMBARRI, A. M.; ROZAS, M. F.; MIRÍFICO, M. V.; BALATTI, P. A. Cladosporium cladosporioides LPSC 1088 produces the 1,8- Dihydroxynaphthalene-Melanin-Like Compound and Carries a Putative pks Gene. Mycopathologia, v. 174, p. 397-408, 2012.

OGOREK, R.; LEJMAN, A.; PLASKOWSKA, E.; BARTNICKI, M. Fungi in the mountain trails of the snieznik massif. Mikologia Lekarska, v. 19, n. 2, p. 57-62, 2012.

SILVA, E. C. Ação de Cladosporium cladosporioides (Fresen.) G.A de Vries isolado de ambientes climatizados sobre as vias respiratórias de camundongos. [Dissertação de mestrado] - Universidade Federal de Alagoas. Maceió - Al, 2015.

HOOG, G. S.; GUARRO, J.; GENÉ, J. FIGUERAS, M. J. Atlas of Clinical Fungi.CBS: Spain, 1126p. 2000.

MENEZES, C. P. Atividade antifúngica in vitro do óleo essencial de Melissa officinalis L. (erva-cidreira) sobre Cladosporium carrionii. [Dissertação de mestrado] – Centro de ciências da saúde, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa/PB. 2012

SOUZA, L. I. O. Desenvolvimento de PCR multiplex para detectar e identificar espécies de Aspergillus e Penicillium. [Dissertação de mestrado] - Universidade Federal de Alagoas. Maceió - AL, 2013.

JOHANNESSEN, L. N.; NILSEN, A. M.; LOVIK, M. Mycotozin-induced depletion of intracellular glutathione and altered cytokine production in the human alveolar epithelial cell line. Toxicology letters, v, 168, p. 103-112, 2007.

MOBIN, M.; SALMITO, M. D. A. Microbiota fúngica dos condicionadores de ar nas unidades de terapia intensiva de Teresina, PI. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 39, n. 6, p. 556–559, 2006.

SILVA, L. B.; POZZER, B. S.; ECKER, C. C.; XAVIER, M. O. Monitoramento da microbiota fúngica anemófila em unidade de terapia intensiva. Rev. Saúde e biologia, v. 11, n. 3, p. 27–34, 2017.

CARVALHO, L. I C. Aspergillus e Aspergilose - desafios no combate da doença. [Dissertação de Mestrado] - Universidade Fernando Pessoa. Porto - Portugal, 2013.

PETIT, P.; LUCAS, E. M. F.; ABREU, L. M.; PFENNING, L. H.; TAKAHASHI, J. A. Novel antimicrobial secondary metabolites from a Penicillium sp. isolated from Brazilin a cerrado soil. Electronic Journal of Biotechnology, v. 12, p. 1-9, 2009.

NORITOMI, D. T.; BUB, G. L.; IDAL, C.; SILVA, A. S. F.; CLEVA, R.; GAMA-RODRIGUES, J. J. Multiple brain abscesses due to Penicillium spp infection. Revista do Instituto de Medicina Tropical. v. 47, p. 167-70, 2005.

FRISVAD, J.C.; SMEDSGAARD, J.; LARSEN, T. O.; SAMSON, R. A. Mycotoxins, drugs and other extrolites produced by species in Penicillium subgenus Penicillium. Studies in Mycology. v. 49; p. 201-41, 2004.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-186

Refbacks

  • There are currently no refbacks.