Parece, mas não é jornalismo: (des)informação em tempos de pandemia / It looks like it, but it's not journalism: (un)information in times of pandemic

Katarini Giroldo Miguel, Cauê Duarte Moreira dos Reis

Abstract


Partimos do pressuposto de que o jornalismo e a produção de informação no contexto da cibercultura tende a fomentar opiniões sem controle, proporcionando espaços de livre circulação de ideais de diversas naturezas, muitas vezes nocivos para uma sociedade contemporânea civilizada (RUDIGER, 2011). Assim, apresentamos uma análise exploratória, a partir da pretensa construção noticiosa feita pelo site  O Jornal da Cidade Online -  envolvido em um amplo debate sobre disseminação de fake news - , sobre a pandemia da Covid-19 em 2020. Constatamos que os recursos tecnológicos empregados, a apropriação da estética e do discurso jornalístico, no que se refere à forma, são usados como estratégias de persuasão e mobilização dos públicos.

 

 


Keywords


Cibercultura, Fake News, Desinformação, Tecnologias Da Informação E Comunicação.

References


BRAGA, Renê Morais da Costa. A indústria das fake news e o discurso de ódio.

Direitos políticos, liberdade de expressão e discurso de ódio: volume I, 2018.

BENTES, Ivana. Mídia-Multidão: estéticas da comunicação e biopolíticas. Rio de Janeiro: Mauad X, 2015.

BURSZTYN, Victor S.; BIRNBAUM, Larry. Thousands of small, constant rallies: a large-scale analysis of partisan WhatsApp groups. In: Proceedings of the 2019 IEEE/ACM International Conference on Advances in Social Networks Analysis and Mining. 2019. p. 484-488.

CASTELLS, Manuel. Ruptura: a crise da democracia liberal. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2018.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio e Janeiro: Zahar, 2013.

CHRISTOFOLETTI, Rogério. Padrões de manipulação no jornalismo brasileiro: fake news e a crítica de Perseu Abramo 30 anos depois. RuMoRes, v. 12, n. 23, p.

-82, 2018.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

MAYNARD, Dilton Cândido Santos. Cibercultura e extremismos: notas sobre brasil e argentina no tempo presente. Sociedad y Discurso, n. 23, 2013.

MALINI, Fábio; ANTOUN, Henrique. A internet e a rua: ciberativismo e mobilização nas redes sociais. Porto Alegre: Sulina, 2013. 278 p.

MIGUEL, Katarini. Pensar a cibercultura ambientalista: comunicação, mobilização e as estratégias discursivas do Greenpeace Brasil. 2014, Tese (Doutorado em Comunicação). Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, Universidade Metodista de São Paulo.

MIGUEL, Luis Felipe. Os meios de comuinicação e a democracia. Revista Comciência

.Dossiê 186, março de 2017. Disponível em:https://www.comciencia.br/os-meios-de-comunicacao-e-a-democracia. Acesso em 02 nov.2020.

MARQUES, Alberto. Verificando no jornalismo: mapeando práticas jornalísticas de combate a Fake News.Universidade Federal de Goiás (UFG) – Goiânia (GO), 2019

RÜDIGER, Francisco. As teorias da cibercultura: perspectivas, questões e autores. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Los nuevos movimientos sociales. OSAL: Observatorio Social de América Latina, n. 5, p. 177-188, 2001.

ROCHLIN, Nick. Fake news: belief in post-truth. Library Hi Tech, [s.l.], v. 35, n. 3, p. 386- 392, 2017

SOLANO, Esther et al. (Ed.). O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. Boitempo Editorial, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-133

Refbacks

  • There are currently no refbacks.