O programa bolsa verde em reservas extrativistas costeiro-marinhas na Amazônia Brasileira / The bolsa verde program in coastal-marine extractive reserves in the Brazilian Amazon

Carla Cilene Siqueira Moreira, Talita Ingrid da Silva, Paulo Victor Sousa Lima, Tânia Guimarães Ribeiro

Abstract


O artigo apresenta uma análise do Programa Bolsa Verde em duas Unidades de Conservação de Uso Sustentável localizadas no litoral do estado do Pará: a Reservas Extrativistas de São João da Ponta e a Reserva Extrativista Marinha Caeté-Taperaçu. Partiu-se da percepção das bolsistas do programa, caracterizando a implantação, os conflitos em torno de sua partilha e o impacto do programa. Observou-se que em ambas Unidades de Conservação, as bolsas têm papel relevante na dinamização local, via transferência de renda, contribuindo para a conservação ambiental, destacando-se a atuação das mulheres. Entretanto, os entraves políticos e sociais em torno de sua implantação requerem a mobilização dos atores locais, que nem sempre em condições de igualdade para participar dos acordos e soluções, ampliando os conflitos socioambientais.

 

 


Keywords


Programa Bolsa Verde, Conflitos socioambientais, Reserva Extrativista Costeiro-Marinha, Política Socioambiental.

References


ACSELRAD, H. (Org.). Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro, Relume Dumará. 2004

_____. Ambientalização das lutas sociais – o caso do movimento por justiça ambiental. Estudos Avançados, v. 24 n. 68, p. 103-119. 2010

ALLEGRETTI, M. Do Avança Brasil ao PPA de Lula: o que mudou do ponto de vista ambiental na agenda do desenvolvimentismo na Amazônia. Ciência & Ambiente, n. 32, p. 15-34, 2006

ARRETCHE, M. T. Uma contribuição para fazermos avaliações menos ingênuas. In: BARREIRA, M. C. R. N.; CARVALHO, M. C. B. (Org.). Tendências e perspectivas na avaliação de políticas e programas sociais. São Paulo: IEE/PUC SP. p. 44-55. 2001

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília, DF, 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm. Acesso em: 1 nov. 2017.

______. Lei nº 12.512, de 14 de outubro de 2011. Institui o Programa de Apoio à Conservação Ambiental e o Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais; altera as Leis nºs 10.696, de 2 de julho de 2003, 10.836, de 9 de janeiro de 2004, e 11.326, de 24 de julho de 2006. Brasília, DF, 2011a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12512.htm. Acesso em: 1 nov. 2017.

______. Lei nº 13.014, de 21 de julho de 2014. Altera as Leis no 8.742, de 7 de dezembro de 1993, e no 12.512, de 14 de outubro de 2011, para determinar que os benefícios monetários nelas previstos sejam pagos preferencialmente à mulher responsável pela unidade familiar. Brasília, DF, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/Lei/L13014.htm. Acesso em: 1 nov. 2017.

______. [Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome]. Plano Brasil Sem Miséria. [Brasília, DF, 2011-]. Disponível em: http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/brasil_sem_miseria/caderno_brasil_sem_miseria.pdf. Acesso em: 1 nov. 2017.

______. Ministério do Meio Ambiente. Bolsa Verde. [Brasília, DF, 2017]. Disponível em: http://www.mma.gov.br/mma-em-numeros/bolsa-verde. Acesso em: 1 nov. 2017.

______. Ministério do Meio Ambiente. O dia em que a mata sumiu. [Brasília, DF], 2011b. Cartilha informativa.

______. Programa de Apoio à Conservação Ambiental Bolsa Verde. Erradicar a extrema pobreza e conservar o meio ambiente: histórico, gestão e monitoramento, balanço geral. [Brasília, DF]: MMA, 2013. Disponível em: http://www.mma.gov.br/images/arquivo/80088/Publicacao_Bolsa_Verde_Jan2013.pdf. Acesso em: 1 nov. 2017.

CORTES, S; LIMA, L. A contribuição da sociologia para a análise de políticas públicas. Lua Nova, n. 87, pp. 33-62, 2012.

COSTA, J. N. As novas regras do jogo para o acesso aos recursos naturais na Reserva Extrativista Marinha de Tracuateua, no Pará. Tese (doutorado em Sociologia), Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará. 2014

DIEGUES, A.C., ARRUDA, R.S.V. Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. MMA. Brasília. 2001

ESCOBAR, A. O lugar da natureza e a natureza do lugar: Globalização ou pós desenvolvimento? In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Consejo Latino americano de Ciencias Sociales – CLACSO, p.133-168, 2005.

FELTRAN, G. S. O valor dos pobres: a aposta no dinheiro como mediação para o conflito social contemporâneo. Caderno CRH, v. 27, n. 72, p. 495-512, 2014

QUINTSLR, S.; BOHRER, C. B.; IRVING, M. A. Políticas Públicas para a Amazônia: práticas e representações em disputa. Revista de Desenvolvimento Econômico, v. 13, n. 23, 2011

KASANOSKI, D. S. Bolsa Verde: benefício social e incentivo à conservação ambiental? Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável), Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília. 2016

LAVALLE, A. G; BUENO, N. S. Sociedade civil e intermediação política: associações de bairro e ONGs em duas metrópoles latino-americanas. In: MARQUES, Eduardo (Org.). Redes sociais no Brasil: sociabilidade, organizações civis e políticas públicas. Belo Horizonte: Fino Traço, p. 173-210, 2012.

LOPES, J. L. S. Sobre processos de “Ambientalização” dos conflitos e sobre dilemas da participação. Horizontes Antropológicos, v. 12, n. 25, p.31-64, 2006

GONÇALVES, A. C. (2012), Desenvolvimento territorial em unidades de conservação: o caso da RESEX marinha de São João da Ponta – PA. 2012. Dissertação de Mestrado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará, Pará.

MOREIRA, C. Entre a conservação ambiental e a transferência de renda”: o Programa Bolsa Verde em um Resex Marinha na Amazônia. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará, Pará. 2017

MARTINEZ-ALIER, J. O ecologismo dos pobres. São Paulo: Ed. Contexto, 2007.

NAHUM, V. J. I. Proposta do Plano de Gestão Integrada dos Recursos Pesqueiros com enfoque ecossistêmico para as Reservas Extrativistas marinhas do litoral paraense. In: PRODUTO 1: diagnóstico dos aspectos físico/espacial, biológicos, sociais, ambientais e econômicos relacionados à pesca no Salgado Paraense. Pará. 2012

PESSOA, C. F. MOREIRA, C.; RIBERIO, T. Implicações da desigualdade ambiental na Cartilha o Dia em que a Mata sumiu. V Encontro Amazônico sobre Mulheres e Relações de Gêneros: “Mulheres Amazônidas – Democracia, Resistências, Construção de Saberes”. 2019

TEISSERENC, M. J. S. A.; SANT’ANA JR., H. A.; ESTERCI, N. (Org.). Territórios, mobilizações e conservação socioambiental. São Luís: EDUFMA. 2016

REGO, W. L.; PINZANI, A. Vozes do Bolsa Família: autonomia, dinheiro e cidadania. São Paulo: Unesp. 2013

RIBEIRO, T. Limites e desafios da participação em processos decisórios numa Unidade de Conservação. In: TEISSERENC, M. J. S. A.; SANT’ANA JR., H. A.; ESTERCI, N. (Orgs.). Territórios, Mobilizações e conservação socioambiental. São Luís: EDUFMA, p.261-284, 2016

RIBEIRO, T.; SOUSA, V.. Cidadania, renda e conservação: percepções sobre uma política socioambiental na Amazônia. Nova Revista Amazônica, v. 6 n.4, p. 193-211, 2018

RUA, M. G. Políticas Públicas. 3 ed. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/ UFSC; Brasília: CAPES: UAB. 2014

SVAMPA, M. As fronteiras do neoextrativismo na América Latina. São Paulo: Elefante, 2019

SILVA JUNIOR, S. R; MANESCHY, Maria C., AUTORA; AUTORA. Desafios da gestão participativa de recursos naturais em uma Reserva Extrativista Marinha no Pará. Novos Cadernos NAEA, v. 21, n. 2, p. 173-191, 2018

SILVA, T. Conflitos sociais e partilha de políticas públicas: a atuação da Associação dos Usuários da Resex Marinha Caeté-Taperaçu. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará, Pará. 2018

SILVA, T.; RIBEIRO, T.. Dimensões de um conflito socioambiental em foco: a cogestão na Resex Caeté-Taperuçu, Bragança PA. In: II SIALAT. 2017. Belém. Anais do seminário II SIALAT, p. 1867-1876. 2017

SIMMEL, G. O conflito como sociação. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 10, n. 30, p. 568-573, 1983

SCHERER, E; SANTOS, J. Em defesa da floresta em pé: transferência de renda para as famílias guardiãs dos recursos ambientais na Unidades de Conservação no estado do Amazonas. In: NASCIMENTO, M. A. (Org.). Tempo de bolsas: estudos sobre programas de transferência de renda. Campinas, SP: Papel Social, p. 95-115, 2015

SOUZA, C. Estado da arte da pesquisa em políticas públicas”. In: HOCHMAN, G.; ARRETCHE, M.; MARQUES, E. (Org.). Políticas públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, p. 65-86, 2007

TEISSERENC, P; TEISSERENC, M. J. S. Território de ação local e de desenvolvimento sustentável: efeitos da reivindicação socioambiental nas ciências sociais. Sociologia & Antropologia, n.4, p. 97-125, 2014

TEISSERENC, P. Ambientalização e Territorialização: situando o debate no contexto da Amazônia brasileira. Antropolítica, n. 29, p. 153-179. 2010




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-129

Refbacks

  • There are currently no refbacks.