Diferenças de gênero nas preferências de uso da infraestrutura cicloviária: uma análise para a cidade do Rio de Janeiro (RJ)/ Gender differences in cycling infrastructure use preferences: an analysis for the city of Rio de Janeiro (RJ)

Jefferson Ramon Lima Magalhães, Raquel Moura de Magalhães Bastos, Glaydston Mattos Ribeiro, Licinio da Silva Portugal

Abstract


Este trabalho analisa diferenças de gênero nas preferências de infraestrutura cicloviária em uma região da cidade do Rio de Janeiro (RJ) por meio de dados de contagens existentes de ciclistas combinados à aplicação do método Level of Traffic Stress (LTS). 3986 ciclistas (14,8% mulheres) foram observados em 18 segmentos viários durante o pico da tarde de dias úteis entre setembro e dezembro de 2015. Os resultados obtidos mostraram que as mulheres são mais propensas que os homens a utilizar infraestrutura cicloviária totalmente segregada do tráfego motorizado em segmentos viários LTS 1, especialmente ciclovias, mas menos propensas a utilizar ciclofaixas em áreas com maiores extensões de segmentos viários LTS 3. Apesar das limitações, a metodologia proposta mostrou-se de fácil utilização para o planejamento de infraestrutura cicloviária de uso mais equitativo por parte da população, sobretudo pelas mulheres.


Keywords


infraestrutura cicloviária, gênero, estudo observacional.

References


AASHTO (1999). Guide for the development of bicycle facilities. Washington, D.C., EUA.

Aldred, R.; Dales, J. (2017) Diversifying and normalising cycling in London, UK: An exploratory study on the influence of infrastructure. Journal of Transport & Health, v. 4, p. 348-362.

Barbosa, H. M.; Leiva, G. C. (2006) Nível de qualidade da rota de ciclistas: um instrumento para a promoção do desenvolvimento urbano sustentável. Revista dos Transportes Públicos, v. 110, p. 1-12.

Beecham, R.; Wood, J. (2014) Exploring gendered cycling behaviours within a large-scale behavioural dataset. Transportation Planning and Technology, v. 37, n. 1, p. 83-97.

Binatti, G. (2016) Mobilidade e cultura da bicicleta no Rio de Janeiro. Transporte Ativo: Rio de Janeiro, RJ.

Caliper Corporation (1998) Routing and logistics with TransCad 4.5. Newton (MA), 764 p.

Cardoso, P. B. (2014) Metodologia para implantação de sistemas cicloviários. Dissertação de Mestrado (Engenharia de Transportes). Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, RJ.

Chen, C.; Anderson, J. A.; Wang, H.; Wang, Y.; Vogt, R.; Hernandez, S. (2017) How bicycle level of traffic stress correlate with reported cyclist accidents injury severities: A geospatial and mixed logit analysis. Accident Analysis & Prevention, v. 108, n. 11, p. 134-144.

Emond, C. R.; Tang, W.; Handy, S. L. (2009) Explaining gender difference in bicycling behavior. Transportation Research Record, v. 2125, p. 16-25.

Garrard, J.; Handy, S.; Dill, J. (2012) Women and Cycling. In: City Cycling. (Org.): Pucher, J. Buehler, R.. London: MIT Press.

Garrard, J.; Rose, G.; Lo, S. K. (2008) Promoting transportation cycling for women: the role of bicycle infrastructure. Preventive Medicine, v. 46, p. 55-59.

Geller, R. (2006) Four Types of Cyclists. Portland Bureau of Transportation, Portland, OR, EUA.

Google (2019). Google Earth website. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2019.

Governo do Estado do Rio de Janeiro (2003) Plano Diretor de Transporte Urbano da Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro: Resultados da Pesquisa Origem-Destino. Rio de Janeiro, Brasil.

Heesch, K.; Sahlqvist, S.; Garrard, J. (2012) Gender differences in recreational and transport cycling: a cross-sectional mixed-methods comparison of cycling patterns, motivators, and constraints. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, 9:106.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010) Censo Demográfico de 2010.

______ (2019) Modelo Digital de Elevação. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2019.

IBM Corporation (2012) IBM SPSS Statistics for Windows, Version 21.0. Armonk, NY: IBM Corp.

Klobucar, M. S. e Fricker, J. D. (2007) Network Evaluation Tool to Improve Real and Perceived Bicycle Safety. Transportation Research Record, v. 2031, p. 25-33.

Landis, B; Toole, J (1997). Using the Latent Demand Score Model to Estimate Use: Forecasting the Future. Bicycle Federation of America/Pedestrian Federation of America, Washington D.C., EUA

Le, H. T. K.; West, A.; Quinn, F.; Hankey, S. (2019) Advancing cycling among women: An exploratory study of North American cyclists. Journal of Transport and Land Use, v. 12, n. 1, p. 355-374.

Magalhães, J. R. L.; Campos, V. B. G.; Bandeira, R. A. M. (2015) Metodologia para identificação de redes de rotas cicláveis em áreas urbanas. Journal of Transport Literature, v. 9, n. 3, p. 35-39.

______ (2018) Análise de variáveis para estimativa de viagens por bicicletas: Um estudo no município do Rio de Janeiro, Brasil. Transportes, v. 26, n. 4, p. 30-46.

Mekuria, M. C.; Furth, P. G.; Nixon, H. (2012) Low-Stress Bicycling and Network Connectivity. Mineta Transportation Institute, Report 11-19, Mineta, USA.

Mesquita, A. R.; Souza, T. D.; Ribeiro, S. K.; Menini, S. E.; Almeida, I. M.; Santos, A. S. (2021) Critério para avaliar o nível de participação do transporte cicloviário em planos diretores e de mobilidade urbana. Brazilian Journal of Development, v.7, n.1, p. 2174-2191.

Monari, M.; Segantine, P. C. L. (2019) Método para definição de rede de rotas cicláveis em áreas urbanas de cidades de pequeno porte: um estudo de caso para a cidade de Bariri-SP. Transportes, v. 27, n. 2, p. 149-164.

Ng, W.-S.; Acker, A. (2018) Understanding urban travel behaviour by gender for efficient and equitable transport policies. In: International Transport Forum, Paris, França.

Open Street Map (2019) Banco de dados do Open Street Map. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2019.

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (2013a) Anexo III – Sistema Viário da Cidade do Rio de Janeiro. Disponível em:. Acesso em: 14 out. 2019

______ (2013b) Anexo VI – Diretrizes de Projeto de Vias Urbanas. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2019.

______ (2019) Limite de bairros. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2019.

Pucher, J.; Buehler, R. (2008) Making Cycling Irresistible: Lessons from The Netherlands, Denmark and Germany. Transport Reviews, v. 28, n. 4, p. 495-528.

______ (2016) Safer cycling through improved infrastructure. American Journal of Public Health, v. 106, n. 12, p. 1089–1091.

QGIS Development Team (2019). QGIS Geographic Information System. Open Source Geospatial Foundation Project. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2019.

Rosenbloom, S. (2006) Understanding women’s and men’s travel patterns. Research on Women’s Issues in Transportation, Transportation Research Board Conference Proceeding, v. 1, n. 35, p. 7-28.

Rybarczyk, G.; Wu, C. (2014) Examining the impact of urban morphology on bicycle mode choice. Environment and Planning B: Planning and Design, v. 41, n. 1, p. 272-288.

Transporte Ativo (2015a) A bicicleta no comércio do Rio de Janeiro: contagem de estabelecimentos comerciais com entregas por bicicleta. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2019.

______ (2015b) Mapa Cicloviário do Rio de Janeiro.

Tucker, B.; Manaugh, K. (2017) Bicycle equity in Brazil: Access to safe cycling routes across neighborhoods in Rio de Janeiro and Curitiba. International Journal of Sustainable Transportation, v. 12, n. 1, p. 1–10.

USGS (2019) United States Geological Survey. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2019.

Wang, H.; Palm, M.; Chen, C.; Vogt, R.; Wang, Y. (2016) Does bicycle network level of traffic stress (LTS) explain bicycle travel behavior? Mixed results from an Oregon case study. Journal of Transport Geography, v. 57, p. 8–18.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-094

Refbacks

  • There are currently no refbacks.