Análise geoestatística da distribuição da malária na área urbana de Porto Velho / Geostatistical analysis of malaria distribution in the urban area of Porto Velho

Josiane Rodrigues

Abstract


A malária é a protozoose de maior impacto no mundo, colocando em risco em torno de 40% de toda a população mundial, em mais de 100 países, caracterizando-se por se desenvolver em regiões tropicais e subtropicais, especialmente em nações em desenvolvimento ou subdesenvolvidas. No Brasil, 99% dos casos se concentram na Amazônia Legal, sendo que o estado de Rondônia se caracteriza como uma região puramente endêmica, dadas as condições ambientais propícias ao desenvolvimento do vetor transmissor da malária. A capital do estado, Porto Velho, também apresenta alta endemicidade de malária, e desempenha um papel importante na disseminação do parasita. Dessa forma, o estudo do comportamento espacial da doença na região é de fundamental importância, pois constitui importante instrumento de apoio ao planejamento e ações contra a proliferação da doença. Assim, o presente estudo tem como objetivo estimar as áreas de risco para a ocorrência da malária na área urbana de Porto Velho, Rondônia, utilizando para isso ferramentas de geoestatística. Com isso, pretende-se auxiliar na detecção de áreas de risco da cidade, subsidiando assim ações de saúde pública na região.

 

 


Keywords


administração em saúde pública, doenças endêmicas, localizações geográficas.

References


MONTEIRO, M. R.; RIBEIRO, M. C.; FERNANDES, S. C. 2013. Aspectos clínicos e epidemiológicos da malária em um hospital universitário de Belém, Estado do Pará, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v.24, n.2, p.33-43.

GOMES, A. P.; VITORINO, R. R.; COSTA, A. P.; MENDONÇA, E. G.; OLIVEIRA, M. G.; SIQUEIRA-BATISTA, R. 2011. Malária grave por Plasmodium falciparum. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v.23, n.3, p.358-369.

RODRIGUES, A. D.; ESCOBAR, A. L.; SOUZA-SANTOS, R. 2008. Análise espacial e determinação de áreas para o controle da malária no Estado de Rondônia. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v.41, n.1, p.55-64.

ANGELO, J. R.; KATSURAGAWA, T. H.; SABROZA, P. C.; CARVALHO, L. A.; SILVA, L. H.; NOBRE, C. A. 2017. The role of spatial mobility in malaria transmission in the Brazilian Amazon: The case of Porto Velho municipality, Rondônia, Brazil (2010-2012). PLOS ONE. v.12, n.2, p.1-12.

SILVA, A. M.; SILVA, R. M.; ALMEIDA, C. A.; CHAVES, J. J. 2015. Modelagem geoestatística dos casos de dengue e da variação termopluviométrica em João Pessoa, Brasil. Sociedade & Natureza, v.27, n.1, p.157-169.

OLIVEIRA, R.; GREGO, C.; BRANDÃO, Z. Geoestatística aplicada na agricultura de precisão utilizando o Vesper. Brasília: Embrapa; 2015.

LANDIM, P. M. B. 2006. Sobre Geoestatística e mapas. TERRÆ DIDATICA. v.2, n.1, p.19-33.

SOARES, A. Geoestatística para a ciência da terra e do ambiente. Lisboa: IFT Press; 2006.

CAMARGO, E. C. G. 1998. Geoestatística: Fundamento e Aplicações. In: CAMARA, G.; MEDEIROS, J. S. Geoprocessamento em Projetos Ambientais. São José dos Campos: INPE, 1998. p.36

GREGO, C.; OLIVEIRA, R.; VIEIRA, S. Geoestatística aplicada a Agricultura de Precisão. In: BERNARDI, A. C. C.; NAIME, J. M.; RESENDE, A. V.; BASSOI, L. H.; INAMASU, R. Y. Agricultura de precisão: resultados de um novo olhar. Embrapa Instrumentação Agropecuária. Brasília: 2014. p.74-83.

SIMÃO, F. Mapeamento de risco de malária na área urbana de Porto Velho – RO, pela Krigagem indicativa [dissertação]. Rio Claro. Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, 2001.

KANEGAE JUNIOR, H.; DE MELLO, J. M.; S. SCOLFORO, J. R.; DE OLIVEIRA, A. D. 2007. Avaliação da continuidade espacial de características dendrométricas em diferentes idades de povoamentos clonais de Eucalyptus sp. Revista Árvore. v.31, n.5, p.859-866.

HUMADA GONZALEZ, G. G.; LISKA, G. R.; MORAIS, A. R.; CIRILLO, M. A.; SOUZA, L. M. Análise espacial do processo de restauração na região da usina. In: Anais do IV Simpósio de Geoestatística Aplicada em Ciências Agrárias; Botucatu. 2015.

MONTEBELLER, C. A.; CEDDIA, M. B.; DE CARVALHO, D. F.; VIEIRA, S. R.; FRANCO, E. M. 2007. Variabilidade espacial do potencial erosivo das chuvas no estado do Rio de Janeiro. Engenharia Agrícola. v.27, n.2, p.426-435.

R CORE TEAM (2020). R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. URL https://www.R-project.org/.

MARQUES, R.D. A dinâmica da malária urbana em Porto Velho (RO) no período de 2005 a 2015 [dissertação]. Rio de Janeiro. Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-033

Refbacks

  • There are currently no refbacks.