Avaliação na educação básica e superior: Semelhanças e desafios / Assessment in basic and higher education: Similarities and challenges

Simone Beatriz Rech Pereira, Vialana Ester Salatino

Abstract


A avaliação é a temática comum das duas pesquisas contempladas nesse artigo. Tal síntese objetiva a percepção de semelhanças e desafios encontrados na prática avaliativa e identifica nuances em ambos os níveis de educação. A partir das leituras realizadas, estão sendo investigadas as concepções de aprendizagem presentes nas práticas avaliativas, envolvendo a educação básica e superior. Em níveis de escolarização diversos, a avaliação é geradora de discussões, pois revela as visões – dos professores e das instituições – que contribuem para a formação de uma sociedade emancipada e autônoma. A metodologia utilizada para este trabalho envolve dois estudos de caso e baseia-se na análise teórico/bibliográfica, que apresenta e discute a avaliação nos âmbitos da educação básica e superior, com base em uma fundamentação teórica que conta com diferentes autores que discutem a avaliação e suas concepções. A avaliação, por sua vez, tem como característica, contribuir para a evasão escolar na educação básica, principalmente de nível médio e, para as desistências nos cursos de graduação. Os estudos apontam a importância da democratização da educação, que na prática está em desacordo com as legislações que fundamentam o direito de todos os cidadãos ao acesso e à permanência nas instituições, com uma educação de qualidade e práticas avaliativas mais democráticas, formadoras de cidadãos emancipados, autônomos e participantes ativos da sociedade. Os professores são os legitimadores desse sistema, por isso, considera-se a formação de professores, permeada por concepções avaliativas, formativas, emancipatórias e da autonomia, conforme seus respectivos autores, ao decorrer deste estudo, que contempla concepções com vistas a ação e atuação efetiva em sala de aula. Considerando que na junção dessas pesquisas e na análise documental realizada acerca das práticas avaliativas que abrangem as etapas de ensino, na educação básica e superior, constam a apreciação de resultados parciais, que apontam na direção da necessidade de uma avaliação transformadora, onde a avaliação adequada contribui para a chegada dos alunos na educação superior e nessa, uma avaliação justa também contribui para melhorias e mudanças na sociedade.

Keywords


Avaliação da Aprendizagem, Educação Básica, Educação Superior, Concepções Avaliativas, Democracia.

References


ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; ALVES, Leonir Pessate. Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 6.ed. Joinvile, SC: UNIVILLE, 2006.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa Edições 70. Lisboa, 2004.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Básica. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2016.

CAVALCANTE, Joseneide Franklin. Educação Superior: conceitos, definições e classificações. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 2000. (Série Documental. Textos para Discussão, ISSN 1414-0640; 8). Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação Educativa: Produção de sentido com valor de formação. Avaliação, Campinas, v. 13, n. 1, p.193-207, mar. 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

HOFFMANN, Jussara Maria Lerch. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Educação & Realidade, 1993.

LEÃO, Geraldo; CARMO, Helen Cristina do. Os Jovens e a Escola. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

MASETTO, Marcos Tarciso. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2003.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise Textual Discursiva. 2.ed.Ijuí: Ed. Unijuí, 2011.

PAVIANI, Jayme. Epistemologia prática: ensino e conhecimento científico. Caxias do Sul: Educs, 2009.

REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO: A NOVA LEI DE EDUCAÇÃO SUPERIOR: fortalecimento do setor público e regulação do privado/mercantil ou continuidade da privatização e mercantilização do público?. Rio de Janeiro: Scielo, n. 29, jan. 2005. Quadrimensal. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria da Educação. ENCONTRO DE ACOMPANHAMENTO DA AVALIAÇÃO ESCOLAR. [evento]Rio Grande,2014.

SANTOS, Boaventura de Souza. A universidade do século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SANTOS, Boaventura de Souza. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006. 4 v.

SAUL, Ana Maria. Referenciais freireanos para a prática da avaliação. Revista de Educação PUC-Campinas, Campinas, n. 25, p.17-24, nov. 2008. Mensal.

SAUL, Ana Maria. Avaliação emancipatória: desafios à teoria e à prática de avaliação e reformulação de currículo. 5.ed. São Paulo: Cortez, 2000.

SAUL, Ana Maria Avela. A avaliação Educacional. Centro de Referência em Educação Mário Covas. São Paulo, SP, n.22, p. 61-68, 1994. Disponível em:. Acesso em: 18 jun.2017.

SAUL, Ana Maria. Na contramão da lógica do controle em contextos de avaliação: por uma educação democrática e emancipatória. Educ. Pesqui, São Paulo, SP. v.41, n. especial, p.1299-1311, dez. 2015.

SHOR, Ira; FREIRE, Paulo. (Trad. Adriana Lopez; Rev. Lólio Lourenço de Oliveira). Medo e Ousadia: O cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Avaliação: concepção dialética-libertadora do processo de avaliação escolar. São Paulo: Libertad, 1998.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-29

Refbacks

  • There are currently no refbacks.