Complicações decorrentes do uso do cateter central de inserção periférica (PICC) em uma unidade de terapia intensiva neonatal / Complications arising from the use of peripherally inserted central catheter (PICC) in a neonatal intensive care unit

Thaizy Valânia Lopes Silveira, Lélia Maria Madeira, Felipe Leonardo Rigo, Ana Cláudia da Cunha, Marcela Foureaux Costa, Pedro Sérgio Pinto Camponêz, Rebeca Pinto Costa Gomes

Abstract


Introdução: A terapêutica intravenosa tem é fundamental na assistência desses neonatos que frequentemente necessitam de medicamentos de uso prolongado. Objetivo: Caracterizar os recém-nascidos (RN) que fizeram uso do Cateter Venoso Central de Inserção Periférica (PICC) e identificar as complicações advindas do uso deste dispositivo. Método: Estudo descritivo e quantitativo que foi desenvolvido em um hospital público de Belo Horizonte, Minas Gerais. A coleta de dados foi realizada por meio do preenchimento de uma ficha semi-estruturada. Resultados: Foram analisados 111 cateteres inseridos sendo a maior porcentagem em RN com idade gestacional entre 29 a 36 semanas (65,5%), peso entre 1001 a 1500 gramas (40,2%), diagnóstico de prematuridade (76,6%) seguido de sepse (67,6%) e com dias de vida inferior ou igual a cinco (58,2%). As principais complicações pós-inserção foram: mau posicionamento (25,7%), flebite (19,3%) e oclusão (3,7%). Nenhuma das características dos recém-nascidos analisadas teve associação significativa com a ocorrência de complicação. Os RN com complicações no uso do PICC apresentaram baixa proporção de antibioticoterapia por sepse tardia (p=0,014) e  ponta do cateter em posição  periférica (p<0,001). Conclusões: Os achados apontam para a importância de capacitações acerca do manejo adequado deste dispositivo, com o intuito de evitar ou minimizar a ocorrência complicações e otimizar sua utilização.


Keywords


Recém-nascidos. Cateterismo Periférico. Unidades de Terapia Intensiva Neonatal.

References


Who. Survive and thrive: transforming care for every small and sick newborn. Geneva: World Health Organization; 2019.

Motta PN et al. Cateter central de inserção periférica: o papel da enfermagem na sua utilização em neonatologia.HU Revista, Juiz de Fora, v. 37, n. 2, p. 163-168, abr./jun., 2011

Marcelo Kalil Di Santo, Diogo Takemoto et al. Cateteres venosos centrais de inserção periférica: alternativa ou primeira escolha em acesso vascular?J Vasc Bras. 2017 Apr.-Jun.; 16(2):104-112

Montes SF et al. Ocorrência de complicações relacionadas ao uso de cateter venoso central de inserção periférica (PICC) em recém-nascidos. Enfermería Global, Murcia (España),v. 10, n. 24, out. 2011.

Vendrami P, Pedreira, MLG, Peterlini MAS. Cateteres centrais de inserção periférica em crianças de hospitais do município de São Paulo. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 28, n. 3, p. 331-339, 2007.

Franceschi AT, Cunha MLC. Eventos adversos relacionados ao uso de cateteres venosos centrais em recém-nascidos hospitalizados. Rev. Latino-Am. Enfermagem mar-abr 2010; 18(2):[07 telas]

Pereira HP et al. Cateter central de inserção periférica: práticas dos enfermeiros na atenção intensiva neonatal. Enferm. Foco 2020; 10 (4) 188-183

Hospital Sofia Feldman. Indicadores hospitalares. Belo Horizonte: HSF, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 de maio 2015

Rosado V, Camargos PAM, Anchieta LM, Bouzada MCF, Oliveira GM, Clemente WT, et al. Fatores de risco para infecção associada a cateteres venosos centrais em população neonatal – revisão sistemática. J Pediatr (Rio J). [Internet]. 2018 [acesso em 04 fev 2020]; 94(1):3-14. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2017.03.012

Johann DA et al. Cuidados com cateter central de inserção periférica no neonato: revisão integrativa da literatura. Rev. esc. enferm. USP [Internet]. 2012 Dec [cited 2021 Feb 03] ; 46( 6 ): 1503-1511. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342012000600030&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000600030

Coelho NA., Namba M. Cateter central de inserção periférica: cuidados de enfermagem.Revista de Enfermagem UNISA, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 167-171, 2009.

Philpot P ; Griffiths V. The peripherally inserted central catheter. Nursing standard, London, v. 17, n. 44, p. 39-49, Jul. 2003.

Duarte ED. et al. Fatores associados à infecção pelo uso do cateter central de inserção periférica em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Revista da Escola de Enfermagem da USP,São Paulo, v. 47, n. 3, p. 547-554, 2013.

Vesely TM. Central venous catheter tip position: a continuing controversy. Journal of Vascular and Interventional Radiology, Reston, v. 14, n. 5, p. 527-534, 2003.

Souza RRB et al. O conhecimento do enfermeiro sobre cateter central de inserção

periférica: estudo descritivo. Rev Braz j nurs. [Internet]. 2016 [acesso em 24 ago 2020]; 15(1). Disponível em:http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/rt/printerFriendly/5298/html_1037




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n10-027

Refbacks

  • There are currently no refbacks.