Análise de protocolo para avaliação da força palmar aplicado em trabalhadores do setor eletromecânico/ Analysis of a protocol for palmar strength evaluation applied to workers in the electromechanical sector

Juliano de Trotta, Lucas Menghin Beraldo, Leandra Ulbricht

Abstract


A mensuração da força muscular de preensão palmar através da dinamometria manual é uma das variáveis para estimar a capacidade funcional dos membros superiores. O objetivo deste estudo foi analisar os resultados dos exames de dinamometria de preensão palmar em funcionários de uma empresa eletromecânica de Curitiba. O estudo foi retrospectivo, transversal e descritivo, com os dados da dinamometria de preensão palmar em 2004 funcionários sadios e acima de 29 anos. As variáveis avaliadas foram submetidas ao teste de Kolmogorov-Smirnov com correção de Lilliefors, classificados conforme os pontos de corte indicados por Heredia et al. (2005) considerando-se a faixa etária de cada indivíduo. Como resultado, verificou-se que existem tabelas de referência de dinamometrias palmares com ampla variabilidade de valores e que a comparação entre valores de referência com a proposta de percentis, é em geral, de baixa concordância para a população de funcionários do setor eletromecânico, mostrando a necessidade de se desenvolver uma proposta com maior concordância à população avaliada.


Keywords


Força da mão, dinamometria, saúde ocupacional .

References


Soares AV, Carvalho Júnior JMC, Fachini J, Domenech SC; Borges Júnior NG. Correlação entre os testes de dinamometria de preensão palmar, escapular e lombar. Rev. Acta Brasileira do Movimento Humano. 2012; 2(1):65-72.

Aquino CF, Vaz DV, Brício RS, Silva PLP, Ocarino JM, Fonseca ST. A utilização da dinamometria isocinética nas ciências do esporte e reabilitação. Revista Brasileira Ciência & Movimento. 2007; 15(1):93-100.

Américo SPF, Souza VV, Guimarães CQ, Rolla AFL. Utilização do teste de 1-RM na mensuração da razão entre flexores e extensores de joelho em adultos jovens. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. São Paulo. 2011; 17(2):111-14.

Fernandes AA, Marins JCB. Teste de força de preensão manual: análise metodológica e dados normativos em atletas. Fisioterapia em Movimento. Curitiba. 2011; 24(3):567-78.

Limberger VR, Pastore CA, Abib RT. Associação entre dinamometria manual, estado nutricional e complicações pós-operatórias em pacientes oncológicos. Revista Brasileira de Cancerologia. 2014; 60(2):135-41.

Koley S, Saintider PK. Correlations of handgrip strength with selected hand-arm-anthropometric variables in indian inter-university female volleyball players. Asian journal of sports medicine. 2011; 2(4):220-6.

Roberts HC, Denison HJ, Martin HJ, Patel HP, Syddall H, Cooper C, Sayer AA. A review of the measurement of grip strength in clinical and epidemiological studies: towards a standardized approach. Oxford Journals. 2011; 40(4):423–9.

Zuñiga MEL, Villamor AP, Munõz LAR. Dinamometria como examen predictor de desordens musculoesqueléticos (DNE) de membros superiores em trabajadores dês setor floricultor. [Especialización en Salud Ocupacional]. Bogotá: Universidad Del Rosário; 2011.

Nascimento MFN, Benassi R, Salvador ACDS, Gonçalves LCO. Valores de referência de força de preensão manual em ambos os gêneros e diferentes grupos etários. Um estudo de revisão. EFDesportes.com [revista digital]. Buenos Aires. 2010; 15(151).

Durward BR, Baer GD, Rowe PJ. Movimento funcional humano: mensuração e análise. 1 ed. São Paulo: Manole; 2001.

Schlüssel MM, Anjos LA, Kac G. Dinamometria manual e seu uso na avaliação nutricional. Revista de Nutrição. 2008; 21(2):233-5.

American Society Of Hand Therapists. Clinical assessment recommendations. Chicago: The society; 1992.

Heredia L, Peña MG, Galiana RJ. Handgrip dynamometry in healthy adults. Clinical Nutrition. Edinburgh, Scotland. 2005; 24(2):250-58.

Mendes J, Azevedo A, Amaral TF. Força de preensão da mão – quantificação, determinates e utilidade clínica. Arquivos de Medicina. Porto. 2013; 27(3):115-20.

Innes EV. Handgrip strength testing: a review of the literature. Australian Occupational Therapy Journal. 1999; 46(3):120-40.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-451

Refbacks

  • There are currently no refbacks.