Tempos de pandemia: desafios e lutas para as comunidades do campo / Pandemic times: challenges and struggles for rural communities

Soenil Clarinda de Sales, Rafaelina Maria Ferraz, Blaiony de Paula Arantes Passos, Anastácia Maria Ferraz da Silva, Magna Aparecida Arantes Passos Rondon, Elizangela Dias Kemer, Regiane Laura Prado de Oliveira, Rosilda Pinheiro de Oliveira

Abstract


O mundo foi surpreendido pela pandemia do Covid-19.Causada pelo novo coronavírus, a COVID é uma doença infecciosa que causa febre, cansaço, tosse, dentre outros sintomas, que podem ser agravados nas pessoas infectadas. Assim, a comunidade do campo não passou ilesa. Em meio a tantas lutas e desafios já enfrentados diariamente historicamente por essa população, a pandemia foi um fator de risco perante essas pessoas. O objetivo deste artigo é levantar uma discussão acerca dos desafios e lutas enfrentados pelas escolas do campo durante a pandemia. Este artigo utiliza o método qualitativo com pesquisa bibliográfica. Os grupos vulneráveis ficaram de fora dos modelos de prevenção, levando a novas demandas as diferenças e desigualdades sociais como um agravo a prevenção e tratamento da doença.


Keywords


pandemia, comunidade do campo, minorias.

References


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SAÚDE COLETIVA – ABRASCO. Desigualdade racial: por que negros morrem mais que brancos na pandemia?, 2020. Disponível em Acesso em 01 ago 2021.

ALBUQUERQUE, A. A pandemia da COVID-19 sob o enfoque de direitos humanos. In: Direitos humanos dos pacientes e Covid-19. Brasília: Cátedra UNESCO de Bioética da Universidade de Brasília, abr. 2020. Disponível em< http://ilcbrazil.org/portugues/wpcontent/uploads/sites/4/2020/04/Observato%CC%81rio-DH-dos-Pacientes-e-COVID-19-Final.pdf.> Acesso em 01 ago 2021.

BARBIERI, C. L. A.; ZUCCHI, E. M.; BARROS, C. R. S. Grupo de risco: uma denominação inadequada no enfrentamento do coronavírus. Disponível em Acesso em: 01 ago 2021.

BRASIL. Diretrizes Curriculares da Educação do Campo. 2006. Secretaria da Educação do Estado do Paraná. Disponível em /.> Acesso em: 01 ago 2021.

COSTA, F. C. S.; MARTINS, V. L. Vidas negras importam? a urgência de pensar a educação antirracista frente aos impactos da pandemia de COVID-19. Dialogia, São Paulo, n. 36, p. xx-xx, set./dez. 2020.

GILROY, P. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. Rio de Janeiro: Editora. 34/Universidade Cândido Mendes, 2001.

GEERTZ, C. A Interpretação das Culturas. São Paulo: LTC, 1989.

GEERTZ,C. Os usos da diversidade. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 5, n. 10, p. 13-34, maio 1999.

MIGNOLO, W; PINTO, J. R. S. A modernidade é de fato universal? Reemergência, desocidentalização e opção decolonial. Civitas, v. 15, n. 3, 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. ONU alerta para impacto desproporcional da COVID-19 sobre minorias raciais e étnicas. 02 jun. 2020. Disponível em< https://nacoesunidas.org/onu-alerta-para-impacto-desproporcional-da-covid-19-sobreminorias-raciais-e-etnicas/.>Acesso em: 01 ago 2021.

PEREIRA, A. O mundo negro: relações raciais e a constituição do movimento negro no

Brasil. Rio de Janeiro: Pallas/FAPERJ, 2013.

RODRIGUES, H. C. C.; BONFIM, H. C. C. A educação do campo e seus aspectos legais. EDUCERE- XIII Congresso Nacional de Educação. Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Campus Curitiba. 2017.

SOUSA, M. E. A.Direitos Humanos em tempos de pandemia: mulheres negras e a desvalorização social por gênero e raça.Revista Brasileira de Sociologia do Direito, v. 8, n. 2, maio/ago. 2021

SOUZA, M.A. Educação do campo, desigualdades sociais e educacionais. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 120, p. 745-763, jul.-set. 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-398

Refbacks

  • There are currently no refbacks.