Atenção primária a grávidas em relação ao consumo de mips na gravidez e os efeitos teratogênicos / Primary care for pregnant women in relation to the consumption of mips in pregnancy and the teratogenic effects

Jane Costa, Luciana do Nascimento Silva, Neuza Biguinati de Barros, Celina Aparecida Bertoni Lugtenburg, Rogelio Rocha Barros

Abstract


Introdução: Os farmacêuticos têm grandes responsabilidades no dispensar do uso de medicamentos, especialmente entre as mulheres grávidas. O objetivo deste estudo é, avaliar o conhecimento e a prática dos profissionais de farmácia (PPs) sobre o risco do uso de medicamentos durante a gravidez. No Brasil, assim como em outros países, mais de 90% das mulheres grávidas tomam medicamentos prescritos ou não prescritos em algum momento durante a gravidez. No entanto, a menos que seja absolutamente necessário, os medicamentos não devem ser usados durante a gravidez porque muitos deles são prejudiciais ao feto. Assim, é necessário que os dispensadores de medicamentos tenham conhecimentos e habilidades relevantes e atualizados sobre o uso de medicamentos na gestação, pois o feto é um organismo em desenvolvimento e sua capacidade de resposta a drogas é imprevisível. Além disso, a incerteza sobre os riscos do uso de drogas na gravidez pode resultar em atitudes restritivas em relação à prescrição e dispensação de medicamentos e seu uso. Logo, o farmacêutico da atenção primária são os profissionais de saúde mais acessíveis que podem ajudar mulheres grávidas com o uso de medicamentos. Isto não é somente necessário como faz parte da sua obrigação como profissional de saúde.


Keywords


Farmacêuticos, Medicamentos, Grávidas, MIPS, Efeitos Teratogênicos.

References


ADAM, V. et al. Rational design of photoconvertible and biphotochromic fluorescent proteins for advanced microscopy application. Chem Biol, v. 28, n. 18, p. 1241-1251, Oct. 2011.

ALRABIAH, Z. et al. Knowledge of community pharmacists about the risks of medication use during pregnancy in central region of Saudi Arabia. Saudi Pharmaceutical Journal, v. 25, n. 7, p. 1093-1096, Nov 2017.

ANGONESI, D.; RENNÓ, M. U. P. Dispensação farmacêutica: proposta de um modelo para a prática. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.16, n. 9, Sep 2011.

ANGONESI, D.; SEVALHO, G. Atenção Farmacêutica: fundamentação conceitual e crítica para um modelo brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 3603-3614, 2010.

ANVISA. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária / Ministério da Saúde. Setor Regulado. Registros de medicamentos: Aspirina. 2011. Disponível em: http://www4.anvisa.gov.br/base/visadoc/BM/BM%5B25345-1-0%5D.PDF Acesso em: 29 jun. 2021.

BALDON, J. P. et al. Conhecimento e atitudes de farmacêuticos comunitários na dispensação de medicamentos para gestantes. Journal of Pharmacy Practice, v. 4 n.1 p.37-42, 2006.

BRASIL. Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. Organização Pan-Americana da Saúde. Fascículo II - Medicamentos Isentos de Prescrição / Projeto Farmácia Estabelecimento de Saúde / CRF-SP: Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo; Organização Pan-Americana de Saúde - Brasília, 2010.

BURKEY, B. W.; HOLMES, A. P. Evaluating Medication Use in Pregnancy and Lactation: What Every Pharmacist Should Know. The Journal of Pediatric Pharmacology and Therapeutics, v. 18, n. 3, p. 247-258, 2013.

CALONE, A. et al. Malformações congênitas: aspectos maternos e perinatais. Revista da AMRIGS, v. 3, n. 53, p. 226-230, 2009.

CAMELIER, V. et al. Estudo do campo 34 na Bahia e em Salvador: impacto na notificação das malformações congênitas. Gazeta Médica da Bahia, v. 77, n. 1, p. 55-59, 2007.

CAMPOS, V. et al., Representações sobre o uso de medicamentos em gestantes assistidas na rede básica de saúde. Revista Enfermagem - Uerj. Rio de Janeiro – RJ, v. 20, n. 6, 2012.

CAVALLI, R. C.; BARALDI, C. O.; CUNHA, S. P. da. Transferência placentária de drogas Revisão. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v 28. n. 9, Set. 2006.

CHACÓN, A. R. et al. Persistent pulmonary hypertension of the new born following ingestion of NSAIDs during pregnancy. Anales de pediatria (Barcelona), n. 68, p. 357–360, 2008.

COSTA, D. B. et al. Utilização de medicamentos antes e durante a Gestação: prevalência e fatores associados. Caderno Saúde Pública. Rio de Janeiro – RJ, v. 33, n. 2, 2017.

CURLEY, L. E.; WU, Z. SVIRSKIS, D. Using Technology in Pharmacy Education: Pharmacy Student Performance and Perspectives When Visual Aids Are Integrated Into Learning. Frontiers in Pharmacology, v. 25, n. 9, p. 1062. Sep 2018.

DUTRA, C. Y. et al. O que devemos saber sobre medicamentos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). (2010). Disponível em:file:///C:/Users/USER/Downloads/Cartilha%20o%20que%20devemos%20saber%20sobre%20medicamentos.pdf. Acesso em: 29 jun. 2021.

ERDELJIĆ, V. et al. Clinical pharmacology consultation: a better answer to safety issues of drug therapy during pregnancy? European Journal of Clinical Pharmacology, v. 66, n.10, p.1037–1046, 2010.

FISHER, B.; ROSE, N. C.; CAREY J. C. Principles and practice of teratology for the obstetrician. Clinical Obstetrics and Gynecology; v.51, n.1 p.106–118, 2008.

FREITAS, B. D.; GARCIA, W. S. O. A. Atenção Farmacêutica na Gravidez: A importância do Aleitamento. Bacharel em Farmácia - Universidade de Votuporanga UNIFEV, 2019.

GANDOLFI, E.; ANDRADE, M. da G. G. Eventos toxicológicos relacionados a medicamentos no Estado de São Paulo. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 6, Dec. 2006.

GARNE, E. et al. Paper 5: surveillance of multiple congenital anomalies: implementation of a computer algorithm in European registers for classification of cases. Birth Defects Research Part A: Clinical and Molecular Teratology, v. 91, n. 1, p. 44-50, Mar. 2011.

GEIB, L. T. et. al. Prevalência e determinantes maternos do consumo de medicamentos na gestação por classe de risco em mães de nascidos vivos. Revista Cadernos de Saúde Pública, v. 23, n. 10, p. 62-75, 2007.

GEORGE, P. P. et al. The evolving role of the community pharmacist in chronic disease management - a literature review. Annals of the Academy of Medicine, Singapore, n. 39, p. 861–867, 2010.

GILBERT-BARNESS, E. Teratogenic causes of malformations. Annals of Clinical & Laboratory Science, v. 40, n. 2, p. 99-114, 2010.

GONÇALVES, L. S. et al. Atenção Farmacêutica na Gestação. Farmácia clínica e atenção farmacêutica [recurso eletrônico] / Organizadores Carlos Eduardo Pulz Araujo, Iara Lúcia Tescarollo, Márcia Aparecida Antônio. – Ponta Grossa, PR: Atena Editora, 2019.

GROEN, R. S.; BAE, J. Y.; LIM, K. J. Fear of the unknown: ionizing radiation exposure during pregnancy. American journal of obstetrics and gynecology, v. 206, n. 6, p. 456-462, 2012.

HAGGERTY, J. et al. Operational definitions of attributes of primary health care: consensus among Canadian experts. Annals of Family Medicine, v. 5, p. 336-344, 2007.

INAGAKI, A. D. M.; OLIVEIRA, L. A. R., OLIVEIRA, M. F. B. Soroprevalência de anticorpos para toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus, sífilis e HIV em gestantes sergipanas. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 5, n. 42, p. 532-536, 2009.

KAMUHABWA, A.; JALAL, R. Drug use in pregnancy: Knowledge of drug dispensers and pregnant women in Dar es Salaam, Tanzania. Indian Journal of Pharmacology, v. 43, n. 3, p. 345-349, May 2011.

KASSAW, C.; WABE, N. T. Pregnant women and non-steroidal anti-inflammatory drugs: knowledge, perception and drug consumption pattern during pregnancy in ethiopia. North American Journal of Medicine & Science, v. 4, n. 2, p.72-76, Feb. 2012.

LAURENCE, L. et al. Non-steroidal anti-inflammatory drugs. 11th ed. McGraw Hill. Goodman and Gill's. The pharmacologic basis of therapeutics, p. 673–706, 2006.

LUPATTELLI, A. et al. Medication use in pregnancy: a cross-sectional, multinational web-based study. BMJ Open, v. 4, n. 2, p. 43-65, 2014.

MCCARTER-SPAULDING, D. E. Medications in pregnancy and lactation. MCN: The American Journal of Maternal/Child Nursing, v. 30, n. 1, p. 10-17, 2005.

MENDES, I. C. et al. Anomalias congênitas e suas principais causas evitáveis: uma revisão. Revista Médica de Minas Gerais, v. 28, p. 1977, 2017.

NASCIMENTO, A. M. et al. Avaliação do uso de medicamentos por gestantes em Unidades Básicas de Saúde de Rondonópolis, Mato Grosso. Revista Eletrônica Gestão & Saúde. Brasília – DF, v. 07, n. 01, 2016.

NHOCANSE, G. S.; MELO, D. G. Confiabilidade da Declaração de Nascido Vivo como fonte de informação sobre os defeitos congênitos no Município de São Carlos, São Paulo, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 4, p. 55-963, 2012.

OBIČAN, S.; SCIALLI, A. R. Teratogenic exposures. Seminars in Medical Genetics, Part C of the American Journal of Medical Genetics, v. 15, n. 3, p. 150-169, Aug 2011.

ODALOVIC, M. et al. Predictors of the use of medications before and during pregnancy. International Journal of Clinical Pharmacy, v. 35, n. 3, p.408-416, Jun. 2013.

OLIVEIRA-FILHO, A. D. et al. Aderência autorreferida a medicamentos prescritos durante a gestação. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 34, n. 4, Apr. 2012.

ONWUJEKWE, O. C. et al. Patterns of case management and chemoprevention for malaria-in-pregnancy by public and private sector health providers in Enugu state. Nigeria BMC Res Notes. v. 211, p. 5, 2012.

OPAS - Organização Pan-Americana Da Saúde/Organização Mundial Da Saúde. Assistência farmacêutica para gerentes municipais. / Organizado por MARIN, et al. Rio de Janeiro. p. 373, 2010.

OPAS - Organização Pan-Americana de Saúde. Nascidos com defeitos congênitos: histórias de crianças, pais e profissionais de saúde que prestam cuidados ao longo da vida. (2020). Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6117:nascidos-com-defeitos-congenitos-historias-de-criancas-pais-e-profissionais-de-saude-que-prestam-cuidados-ao-longo-da-vida&Itemid=820 Acesso em: 29 jun. 2021.

PEREIRA, L. R. L.; FREITAS, O. de. A evolução da Atenção Farmacêutica e a perspectiva para o Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. São Paulo, v. 44, n. 4, 2008.

PIERCE, B. A. Genética Essencial: conceitos e conexões. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2012.

RAMOS, A. P.; OLIVEIRA, M. N. D., CARDOSO, J. P. Prevalência de malformações congênitas em recém-nascidos em hospital da rede pública. Revista Saúde, v. 4, n. 1 p. 27-42, 2008.

RIBEIRO, A. V. Atenção farmacêutica em drogarias: o uso de medicamentos sem prescrição médica. Trabalho de Conclusão de Curso de Farmácia/FMU- Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas-Unidas, São Paulo 2007.

SILVA, N. F. Atenção Farmacêutica em gestantes. Graduação em Farmácia-Bioquímica - Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Araraquara - Universidade Estadual Paulista, Araraquara-SP, 2013.

SINCLAIR, S. M. et al. Medication Safety During Pregnancy: Improving Evidence-Based Practice. Journal of Midwifery & Women's Health, v. 61, n. 1, p. 52-67, 2016.

SOTERIO, K. A.; DOS SANTOS, M. A. A automedicação no Brasil e a importância do farmacêutico na orientação do uso racional de medicamentos de venda livre: uma revisão. Revista da Graduação, v. 9, n. 2, 2016.

TUHA, A.; GURBIE, Y.; HAILU, H. G. Evaluation of Knowledge and Practice of Pharmacy Professionals regarding the Risk of Medication Use during Pregnancy in Dessie Town, Northeast Ethiopia: A Cross-Sectional Study. Journal of Pregnancy, n. 25, p. 218-684, Jul 2019.

VAN GELDER, M. M. H. J. et al. Terategenic mechanisms of medical drugs. Hum Reprod Update, n.16, p. 378-394, 2010.

VIEIRA, F. et al. Diagnósticos de enfermagem relacionados à amamentação no puerpério imediato. Revista Rene, Fortaleza, n 12, v 3, p. 462-470, Jul/Set 2011.

ZAGANJOR, I. et al. Describing the prevalence of neural tube defects worldwide: A systematic literature review. PLoS ONE, v.11, n. 4, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-376

Refbacks

  • There are currently no refbacks.