Prevenção de infarto agudo na atenção básica à saúde: revisão integrativa / Prevention of acute myocardial infarction in primary health care: integrative review

Tennily Stephane da Costa Frazão, Layza de Souza Chaves Deininger

Abstract


Atenção básica à saúde é a porta de entrada principal e preferencial para o atendimento de saúde no Sistema Único de Saúde (SUS). Dentre os atendimentos na atenção básica, destaca-se os cuidados/prevenção com as doenças cardiovasculares, dentre elas, o infarto agudo do miocárdio (IAM). Assim, objetivou-se com este estudo, analisar a literatura científica sobre a prevenção do IAM na atenção básica à saúde. Foi realizada uma revisão integrativa da literatura sobre a temática, com dados coletados a partir de material científico disponível nas bases de dados SciELO, Pubmed e BVS no período de outubro e novembro de 2020, utilizando como termos descritores, as combinações entre “infarto agudo do miocárdio”, “prevenção” ou “prevenção de doenças” e “atenção básica” ou “atenção primária”, e suas correlatas na língua inglesa, publicados entre 2015 a 2020. Com base nos resultados foi possível observar a relação da incidência do IAM com pessoas que apresentam doenças consideradas como fatores de risco para desenvolvimento de IAM. Medidas de prevenção, adotadas na atenção básica como o combate ao tabagismo, a tomada de decisão compartilhada, e o uso de antiplaquetários, auxilia a adesão do paciente ao tratamento/prevenção do IAM. Sendo assim, é cada vez mais visível o impacto benéfico da atenção básica à saúde no processo de prevenção ao IAM. Esse sistema de saúde, possuem diretrizes e documentos de consenso que o considera adequado para realizar intervenções preventivas, que possam diminuir os riscos de desenvolver o IAM.


Keywords


Doença Cardiovascular, Atenção Primária à Saúde, Fatores de Risc, Prevenção.

References


ALEXANDER, G. et al. Aspirin in Primary Prevention: Needs Individual Clinical Judgments. American Journal of Medicine, v. 133, n. 7, p, 774-6, 2020.

BARNES, M. et al. Acute myocardial infarction and influenza: a meta-analysis of case-control studies. Heart, v. 101, p. 1738-47, 2015.

BHAGWAT, M. M. et al. Evidence-based interventions in primary care following acute coronary syndrome in Australia and New Zealand: a systematic scoping review. BCM Cardiovascular Disorders. v. 16, n. 214, 2016.

BRASIL. Prevenção clínica de doenças cardiovasculares, cerebrovasculares e renais. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 56 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ed.183, p. 68, 2017

BRASIL. Ministério da Saúde. Carteira de serviços da Atenção Primária à Saúde (CaSAPS): versão profissionais de saúde e gestores. Brasília: Ministério da Saúde, 2020. 83 p.

BUHSE, S. et al. An informed shared decision making programme on the prevention of myocardial infarction for patients with type 2 diabetes in primary care: protocol of a cluster randomised, controlled trial. BMC Family Practice, v. 16, n. 43, 2015.

CHI, G. C. et al. Trends in Acute Myocardial Infarction by Race and Ethnicity. Journal of the American Heart Association, v.9, n. 5, 2020.

COHEN, D.; MANUEL, D. G; SANMARTIN, C. A. Do Rural Patients in Canada Underutilize Preventive Care for Myocardial Infarction? The Journal of Rural Health, v. 32, n. 4, p. 345-52, 2016.

CORONADO-VÁZQUEZ, V. et al. Interventions to facilitate shared decision-making using decision aids with patients in Primary Health Care: A systematic review. Medicine, v. 7, n. 99, 2020.

COSTA, F. A. S. et al. Perfil demográfico de pacientes com infarto agudo do miocárdio no Brasil: revisão integrativa. Sanare, v. 17, n. 2, p. 66-73, 2018.

DAHLGREN, C. et al. Recording a diagnosis of stroke, transient ischaemic attack or myocardial infarction in primary healthcare and the association with dispensation of secondary preventive medication: a registry-based prospective cohort study. BMJ Open, v. 7, 2017.

EZZATI, M. et al. Contributions of risk factors and medical care to cardiovascular mortality trends. Nature Reviews Cardiology, v. 12, n. 9, p. 508-30, 2015.

GOMES, R. K. S. et al. Prevalence of ischemic heart disease and associated factors in patients with rheumatoid arthritis in Southern Brazil. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 57., n. 5, 2017.

HICKSON, R. P. et al. Changes in Statin Adherence Following an Acute Myocardial Infarction Among Older Adults: Patient Predictors and the Association With Follow-Up With Primary Care Providers and/or Cardiologists. Journal of the American Heart Association, v. 19, n. 6, 2017.

HOLMAN, R. R. et al. Effects of Once-Weekly Exenatide on Cardiovascular Outcomes in Type 2 Diabetes. The New England Journal of Medicine, v. 377, p. 1228-39, 2017.

HUFFMAN, M. D. et al. Acute coronary syndrome quality improvement in Kerala (ACS QUIK): Rationale and design for a cluster-randomized stepped-wedge trial. American Heart Journal, v. 185, p. 154-60, 2017.

JOURNATH, G. et al. Time Trends in Incidence and Mortality of Acute Myocardial Infarction, and All-Cause Mortality following a Cardiovascular Prevention Program in Sweden. PLoS One, v. 18, n. 10, 2015.

KAPADIA, S. Trends in cardiovascular risk profiles. Cleveland Clinic Journal of Medicine, v. 84, n. 12, supl. 4, 2017.

LIMA, D. B. S. et al. Association between treatment compliance and different types of cardiovascular complications in arterial hypertension patients. Texto & Contexto – Enfermagem, v. 25, n. 3, 2016.

MACHLINE-CARRION, M. J. et al. Effect of a Multifaceted Quality Improvement Intervention on the Prescription of Evidence-Based Treatment in Patients at High Cardiovascular Risk in Brazil: The BRIDGE Cardiovascular Prevention Cluster Randomized Clinical Trial. JAMA Cardiology, v. 4, n. 5, p. 408-17, 2019.

MALTA, D. C. et al. Mortalidade por Doenças Cardiovasculares Segundo o Sistema de Informação sobre Mortalidade e as Estimativas do Estudo Carga Global de Doenças no Brasil, 2000-2017. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v.115, n. 2, 2020.

MARIANI JUNIOR, J. Minieditorial: Criação e Implementação de um Banco de Dados Prospectivo e Multicêntrico de Pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio: RIAM. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 114, n. 3, 2020.

MENDES, K. D. S.; SILVEIRA, R. C. C. P.; GALVÃO, C. M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto – Enfermagem, v. 17, n. 4, p. 758-64, 2008.

NILSSON, G. et al. Low use of statins for secondary prevention in primary care: a survey in a northern Swedish population. BCM Family Practice, v. 11, n. 17, 2016.

RAMACHANDRA, C.J. A. et al. Mitochondria in acute myocardial infarction and cardioprotection. EBioMedicine, v.57, 2020.

ROMERO, M. P. G. et al. Aplicación de la Escala de Tabaquismo para Atención Primaria (ETAP) en la práctica clínica. Atención Primaria, v. 50, n. 7, p. 414-21, 2018.

SANTOS, R. C. O. et al. Time-To-Treatment of Acute Coronary Syndrome and Unit of First Contact in the ERICO Study. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 107, n. 4, 2016.

SANTOS, J. et al. Mortalidade por infarto agudo do miocárdio no Brasil e suas regiões geográficas: análise do efeito da idade-período-coorte. Ciências & Saúde Coletiva, v. 23, n. 5, p. 1621-34, 2018.

SMELTZER, S. C.; BARE, B. G. Histórico da função cardiovascular. In: SMELTZER, S. C.; BARE, B. G.; BRUNNER, S. Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2009. p. 682-700.

STARFIELD, B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002. p. 61-63

TEMPORÃO, J. G. Apresentação. In: BRASIL. Prevenção clínica de doenças cardiovasculares, cerebrovasculares e renais. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. p. 6.

WÄNDELL, P. et al. Warfarin treatment and risk of myocardial infarction - A cohort study of patients with atrial fibrillation treated in primary health care. International Journal of Cardiology, v. 221, p. 789-93, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-316

Refbacks

  • There are currently no refbacks.