Reúso de efluentes domésticos tratados e riscos microbiológicos associados / Reuse of treated domestic wastewater and associated microbiological risks

Ivete Vasconcelos Lopes Ferreira, Layane Vitória de Oliveira Silva, Emanuelle Santos Barros

Abstract


O reúso de água, para finalidades não potáveis é uma das alternativas apresentadas pelos especialistas para minimizar a escassez de água, entretanto, deve-se levar em consideração aspectos da saúde pública, em que os padrões de qualidade da água para reúso são de suma importância. A Avaliação Quantitativa de Riscos Microbiológicos (AQRM) é uma ferramenta muito útil para estabelecer padrões de qualidade de águas de reúso. Este trabalho teve como objetivo avaliar os riscos microbiológicos decorrentes do reúso de efluentes de uma ETE (Estação de Tratamento de Efluentes), tratando esgoto doméstico. Foi utilizada a ferramenta (AQRM), relativa à E. coli, para estimar o risco quantitativo de infecção quando do reúso dos efluentes tratados, por finalidade de reúso, com base no conceito de risco aceitável da Organização Mundial da Saúde (OMS). Foram avaliados dados secundários de dois efluentes (1A e 1B), tratados em reator UASB (Upflow Anaerobic Sludge Blanket) seguido de Lagoas Facultativas em Série (1 e 2) e depois de Filtro de Areia. Além dessas etapas, o efluente 1B passou por processo de cloração (Sundefeld Junior, 2012). Os resultados indicaram que a AQRM demonstrou ser de grande importância para a avaliação do potencial de reúso de efluentes com diferentes características. A etapa de desinfecção ampliou as possibilidades de reúso do efluente, devendo ser realizada, sempre que possível.

 


Keywords


AQRM, E, Coli, Contaminação, Esgoto Doméstico.

References


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Projeto, construção e operação de sistema de tanques sépticos – NBR 7229. Rio de Janeiro: ABNT, 1993. 15p.

AISSE, M. M.; CAROUCCI FILHO, B.; ANDRADE NETO, C. O.; JÜRGENSEN, D.;

LAPILLI, F. R.; MELO, H. N. S.; PIVELI, R. P.; LUCCA, S. J. Cloração e Descloração. In: Desinfecção de efluentes sanitários /Ricardo Franci Gonçalves (coordenador). Rio de Janeiro: ABES, RiMa, 2003. 438 p.

ANA. Agência Nacional de Águas. Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil, 2020. Capítulo 3. Usos da água. Disponível em < http://conjuntura.ana.gov.br/static/media/Capitulo3.696721ba.pdf > Acesso em 19.01.2021.

ASHBOLT, N.; PETTERSON, S. R.; STENSTRON, THOR-AXEL; SCHONNING, C.; WESTRELL, T.; OTTOSON, J. Microbial risk assessment (MRA) Tool. Urban Water Chalmers University of Technology. Sweden. 2005. p.23-24.

BREGA FILHO, D.; MANCUSO, P. C. S. Conceito de reúso da água. In: Reúso de água. Cap. 2. Pedro Caetano Sanches Mancuso e Hilton Felício dos Santos (Editores). 2003.

DuPONT, H. L.; FORMAL, S.B.; HORNICK, R. B.; SNYDER, M. J.; LIBONAT, J. P.; SHEAHAN, D. G.; LABREC, E. H.; KALAS, J. P. Pathogenesis of Escherichia coli Diarrhea. New England Journal of Medicine, 1971; 285:1-9 July 1, 1971 DOI: 10.1056/NEJM197107012850101.

FERREIRA FILHO, S. S. Tratamento de Água: Concepção, projeto e operação de estações de tratamento. 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

HAAS, C. N.; EINSENBERG, J. N. S. Risk assessment. In: FEWTRELL, L; BARTRAM J.(eds.) Water quality guidelines, standards and health: assessment of risk and risk management for water related infectious disease. Londres: WHO/IWA Publishing, 2001, p.162-183.

MARQUES, F. R.; IDE, W. R.; PAULO, P. L. Pathogens in greywater: Review. Revista de Ingeniería e Ciencias Ambientales: Investigation, Desarrollo e Practica. v.11, n.2, p.167-181. 2018.

METCALF & EDDY, Inc. Wastewater engineering: treatment and reuse. 4 ed. Nova York, USA: McGraw-Hill Higher Education, 2003

NAVARRO, I.; JIMÉNEZ, B.; CIFUENTES, E.; LUCARIO, S. A quantitative microbial risk assessment of helminth ova in reusing sludge for agricultural production in developing countries. WIT Transactions on Information and Communication, v. 39, p. 65-74. 2008.

PASIN, D. B. Avaliação Quantitativa de Riscos Microbiológicos (AQRM) Associados à E. coli em águas cinza. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual Paulista (UNESP), 2013.

PAULO, P. L.; KIPERSTOK, A.; SOUZA, H. H. S.; MORAIS, J. C.; OLIVEIRA, L. O. V.; QUEIROZ, L. M.; NOLASCO, M. A.; MAGRI, M. E.; LOPES, T. A. S. Ferramentas de avaliação de sustentabilidade em sistemas de tratamento de esgotos descentralizados. In: Caracterização, Tratamento e Gerenciamento de Subprodutos de Correntes de Esgotos Segregadas e Não Segregadas em Empreendimentos Habitacionais. Fortaleza: Gráfica e Editora Imprece, 2019. p.746-812.

RIJSBERMAN, F. R. Water scarcity: Fact or fiction? Agricultural Water Management. v.80, n.1-3, p.5-22. Feb/2006.

SUNDEFELD JUNIOR, G. C. Pós-Tratamento e desinfecção de efluentes de reatores UASB e de Lagoas de Estabilização visando ao reuso. 208f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil da Escola de Politécnica da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, 2012.

TOMAZ, P. Aproveitamento de água de chuva para áreas urbanas e fins não potáveis. São Paulo: Navegar Editora, 2003.

WHO. Quantitative Microbial Risk Assessment: Application for Water Safety Management. Geneva, 2016. 204p.

ZANETTI, R. N.; ETCHEPARE, R. G.; OLIVEIRA, R. G. M. M.; RUBIO, J. Riscos químicos, microbiológicos e pré-avaliação econômica no reúso de água. Estudo de caso: Lavagem de veículos. ANAIS do 26º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Porto Alegre/RS. 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-305

Refbacks

  • There are currently no refbacks.