Cefaleias em idosos: uma revisão integrativa / Headaches in the elderly: an integrative review

Renêe Dominik Carvalho Pereira Osório, Cícera Amanda Mota Seabra, Igor de Sousa Gabriel, Thárcio Ruston Oliveira Braga, Yuri Charllub Pereira Bezerra

Abstract


Assim como a vida tem como resultado indiscutível a morte, o envelhecimento é inevitável, começando ao nascimento. Cefaleia em pacientes idosos ainda é uma queixa frequente e com características clínicas atípicas. É imprescindível assegurar aos idosos a manutenção da capacidade funcional em todos os aspectos (mental, físico, social e econômico), ou seja, o pleno gozo de sua cidadania. O objetivo deste estudo é identificar as alterações próprias do envelhecimento que predispõem ao desenvolvimento das cefaleias em idosos. é uma revisão integrativa da literatura e visa responder a seguinte pergunta norteadora: Em que nível as alterações próprias do envelhecimento predispõem o desenvolvimento das cefaleias em idosos? Realizou-se uma busca nos bancos de dados do SCIELO, PUBMED e BVS, realizada no período de julho de 2021 a agosto de 2021, utilizando os Descritores em Ciências da Saúde; cefaleia, envelhecimento, serviços de saúde para idosos. pelos critérios preestabelecidos, a busca realizada tem a amostra representada por um total de 5 artigos. O idoso com cefaleia de início recente necessita de uma abordagem sistemática para pesquisar outras causas. Como o idoso frequentemente utiliza múltiplas medicações e apresenta outros problemas de saúde, é preciso tomar um cuidado especial com as cefaleias secundárias. As alterações mais referidas para justificar a automedicação foram as dores musculares e articulares, cefaleia, apontando a prevalência na população idosa. É imprescindível assegurar aos idosos a manutenção da capacidade funcional em todos os aspectos, ou seja, o pleno gozo de sua cidadania. O conhecimento de todos sobre os fatores que podem vir a intervir na qualidade de vida da população idosa com cefaleia é fundamental, para que medidas preventivas sejam adotadas precocemente, com o objetivo de caracterizar e encaminhar os moradores com cefaleia recorrente para um atendimento especializado precocemente.


Keywords


Cefaleia; Envelhecimento; Serviços de saúde para idosos.

References


ARAÚJO, L.C.L. Cefaleia em Idosos. 2013. Dissertação, Universidade de Pernambuco- UPE.

BAIGI, K; STEWART, W.F Headache and migraine. A leading cause of absenteeism.Handbook of Clinical Neurology. 2015, n.3. pag 447-463.. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26563803. Acesso em: 01/04/2020.

CELICH, K.L.S; GALON, C. Dor crônica em idosos e sua influência nas atividades da vida diária e convivência social. Rev. bras. geriatr. gerontol. [online]. 2018, vol.12, n.3, pp.345-359.

COSTA, L. S.; RIBEIRO, S. G. S. Terapias Manuais Em Casos de Cefaleia Tenseional: Uma Revisão Bibliografica. São Lucas, 2016.

Cruz MC, Cruz LC, Cruz MCC, Camargo RP. Cefaleia do tipo tensional: revisão de literatura. Arch Health Invest (2017) 6(2): 53-58.

CRUZ.L.L.M; CRUZ, K.G. Incidência de atendimentos de pacientes com cefaleia no Hospital Irmã Denise. Boletim Epidemiológico do CASU, Vol. 1, N° 01, 2018. Disponivelem:http://bibliotecadigital.unec.edu.br/ojs/index.php/becasu/article/viewFile/556/674. Acesso em 10/10/2019

CUNHA, E. M.; GIOVANELLA, L. Longitudinalidade/continuidade do cuidado: identificando dimensões e variáveis para a avaliação da Atenção Primária no contexto do sistema público de saúde brasileiro. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 2016.

DAWALIBI, N. W. et al.Envelhecimento e qualidade de vida: análise da produção científica do Scielo. Revista Estudos de Psicologia. Campinas – SP. Vol. 30. N. 3. Pág. 393-403, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v30n3/v30n3a09.pdf> acessado em 12/11/2019.

DE ASSUMPÇÃO, M.G. et al. Protocolo de padronização do atendimento de cefaleias no serviço de emergência de um hospital geral terciário. Arquivos Médicos dos Hospitais e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, v. 62, n. 2, p. 102-107, 2017.

DIENER, H. et al. Cefaléia por uso excessivo de medicamentos: fatores de risco, fisiopatologia e controle. Nat RevNeurol. 12, 2016, 575–583.

DODICK, D. W. et al. Enxaqueca e risco de derrame.J Neurol Neurocirurgia Psiquiatria. 2018.

FERNÁNDEZ-DE-LAS-PEÑAS, C.; CUADRADO, M. L. Fisioterapia para dores de cabeça. Cefalalgia, 36 (12), 2016, 1134-1142. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1111/j.1468-2982.2006.01162. Acesso em: 01/04/2020.

FERREIRA, K.S; MATOS, M.G; VERONESI, L.B. Bloqueios anestésicos em idosos no tratamento das cefaleias. Headache medicine, v.9, n.2, p.49-54, 2018 Disponível em: https://headachemedicine.com.br/revistas/HM%202018.2.pdf#page=14. Acesso em 10/10/2019

FREITAS, F.L; FREITAS, T.G. Cefaleia: eventos agudos na atençãobásica. UNA SUA-UFSC, Florianópolis, 2013. Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acer- vo/handle/ARES/806. Acesso em 10/10/2019.

GALHARDO, V. A. C; ASSUNÇÃO, T. P. Automedicação em idosos que frequentam um centro de convivência para o idoso. Revista Geriatria & Gerontologia. 2013; 108-112.

GAUL, C. et al. Cuidado multidisciplinar integrado de distúrbios da dor de cabeça: uma revisão narrativa. Cefalalgia ,2016, n.36, v.12, pag: 1181-1191.

HANLON, J.T; SEMLA, T.P; SCHMADER, K.E. Alternative medications for medications in the use of high-risk medications in the elderly and potentially harmful drug-disease interactions in the elderly quality measures. J Am Geriatr Soc. 2015, n; 63, vol.12, pag: 8-18. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/jgs.13807 Acesso em:14/04/2020

Headache classification Committee of the International Headache Society (ICHD-3-BETA). The International Classification of Headache Disorders, 3rd edition (beta version). Cephalalgia. 2018. P.1-211. Disponível em:https://ichd-3.org/. Acesso em: 03/03/2020.

KOWACS, F; MACEDO, D.D.P; SILVA NETO, R.P. The International Cassification of Headache Disorders. Sociedade Brasileira de Cefaleia. 3 ed. São Paulo, 2019. Dispónivel em: https://ichd-3.org/wp-content/uploads/2019/06/ICHD-3-Brazilian-Portuguese-translation-25062019.pdf. Acesso em 02/02/2020.

KOWACS, Fernando et al. Consensus of the Brazilian Headache Society on the treatment of chronic migraine. Arq. Neuro-Psiquiatr. São Paulo, v. 77, n. 7, p. 509-520, July 2019. Available from . access on 11 Apr. 2020. Epub July 29, 2019. https://doi.org/10.1590/0004-282x20190078.

LANGE, et al. Diagnósticos neurológicos em a sala de emergência, diferenças entre pacientes mais jovens e mais velhos. Arquivos de Neuropsiquiatria, v.69, n. 2, p. 212-516, 2011.

LEITE, V.M.M.; BARRETO, K.M.L.; VALENÇA, M.M. Aspectos socioeconômicos da cefaleia em idosos. Headache medicine, v.4, n.4, p.91-95, 2013.

LIMA, L.R et al. DOR CRÔNICA E PREJUÍZOS NAS ATIVIDADES COTIDIANAS DE IDOSOS. RIES, v.7, n. 2, p. 262-274, 2018.

MARIN, M. J et al. Caracterização do uso de medicamentos entre idosos de uma unidade do Programa Saúde da Família. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 7, p. 1545-1555, July 2012.

MASSONETTO et al., Hidratação em idosos institucionalizados: importância, processos e estratégias. Journal of Chemical Information and Modeling, v. 53, n 9, p 1689-1699, 2013.

MENDES, K. D.S; SILVEIRA, R. C. C. P.; GALVÃO, C. M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm, Florianópolis,2008, n.17, vol.4, pag: 758-64.

MIRANDA, G. M. D; MENDES, A. C. G; SILVA, A. L. A. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rev. bras. geriatr. gerontol., Rio de Janeiro , v. 19, n. 3, p. 507-519, June 2016 . Disponível em

MITSIKOSTAS, D.D. et al. Consenso da federação europeia sobre dor de cabeça na investigação técnica de distúrbios primários da dor de cabeça. JHeadachePain 17, 5 (2015).

OIGMAN, W. et al. Análise Qualitativa e Quantitativa do Padrão Alimentar de uma População Hipertensa com Síndrome Metabólica. Rev SOCERJ. 2008;21 (4):205-211 julho/agosto.

OLIVEIRA, E. et al. Mitos e verdades sobre o envelhecimento: percepção dos idosos. Revista Intercâmbio. Vol. 7. Pág. 68-88, 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO), 2019.

PRADO, G.F. et al. Protocolo nacional para diagnóstico e manejo das cefaleias nas unidades de urgência do brasil – 2018. Disponível em: https://sbcefaleia.com.br/images/file%205.pdf. Acesso em 10/10/2019.

PROTOCOLO/Atendimento a pacientes com cefaleia na urgência/emergência – Unidade do Sistema Neurológico do HC-UFTM, Uberaba, 2017. 35p

Revista das Ciências da Saúde e Ciências aplicadas do Oeste Baiano-Higia. 2020.

RIBEIRO, H.A.C. Particularidades da avaliação e tratamento da dor. 2018. 122 f. Tese (Doutorado) - Curso de Enfermagem, Universidade UNAERP, Bertioga, 2017.

RIBEIRO, V. C. et al. Cefaleia e hormonas. Acta Obstet Ginecol Port, Coimbra, v. 11, n. 3, p. 182-188, set. 2017. disponível em . Acesso em: 14/04 2020.

RODRIGUES, M.C.S; DE OLIVEIRA, C. Drug-drug interactions and adverse drug reactions in polypharmacy among older adults: an integrative review 1. Rev Lat Am Enfermagem. 2016;24. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5016009/. Acesso em: 14/04/2020.

SANTOS, A.N.M.; NOGUEIRA, D.R.C.; OLIVEIRA, C.R.B. Automedicação entre participantes de uma Universidade Aberta à Terceira Idade e fatores associados. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. v. 21, n.4, p. 431-439, 2018.

SANTOS, T. O. et al. Interações medicamentosas entre idosos acompanhados em serviço de gerenciamento da terapia medicamentosa da Atenção Primária. Einstein (São Paulo), São Paulo, v. 17, n. 4, eAO4725, 2019. Disponível em . Acesso em 14/04/2020.

SEVERINA, I. C. et al. Dor crônica e prejuízos nas atividades cotidianas dos idosos. Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde. Caçador. V. 7. N. 2. Pág. 226-274, 2018.

SILVA, W.F. Manual prático para diagnóstico e tratamento das cefaléias.2016 Disponível em: http://www.luzimarteixeira.

SILVA, L. A. et al. Quantitative sensory testing in elderly: longitudinal study. Arq. Neuro-Psiquiatr., São Paulo, v. 76, n. 11, p. 743-750, nov. 2018.

SOUZA, M. T; SILVA, M. D; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010, vol.8, n.1, pag: 102-106.

URITS, L. et al. Uma revisão baseada em evidências de Fremanezumab para o tratamento da enxaqueca.Pain Ther. (2018).

VERONESI, L.B.; MATOS, M.G.; FERREIRA, K.S. Bloqueios anestésicos em idosos no tratamento das cefaleias. Headache medicine, v.9, n.2, p.49-54, 2018.

World Health Organization (WHO). Headache disorders. Fact sheet. [online]. Geneva: WHO; 2016.

World Health Organization(WHO). Headache disorders. Geneva: WHO; 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-293

Refbacks

  • There are currently no refbacks.