Análise da mortalidade devido a câncer de mama em Sergipe de 1996 a 2017 / Analysis of mortality due to breast cancer in Sergipe from 1996 to 2017

Davi Guilherme Barasuol, João Eduardo Andrade Tavares de Aguiar, Thiers Déda Gonçalves, Thaís Serafim Leite de Barros Silva, Júlia Maria Gonçalves Dias

Abstract


Introdução: O câncer de mama destaca-se no meio científico por ser o que mais mata mulheres no Brasil e no mundo. Objetivos: Identificar o número de óbitos e o perfil da população que veio a óbito devido a câncer de mama em Sergipe de 1996 a 2017. Metodologia: Trata-se de um estudo transversal retrospectivo que observa segmentos anuais acerca do quantitativo de óbitos devido a câncer de mama em Sergipe de 1996 a 2017. Os dados foram coletados do Sistema de Informações sobre Mortalidade e DATASUS, e organizados com auxílio do programa Microsoft® Excel®. Resultados: Foram registrados 2.106 óbitos por câncer de mama em Sergipe de 1996 a 2017, sendo que o último ano foi o com maior número, 166 (7,88%); do total de óbitos do período, 1.863 (86,63%) tinham idade de 40 anos ou mais; 503 (23,88%) estavam na faixa etária de 50 a 59 anos; 960 (45,58%) eram de raça parda; 700 (33,24%) foram registrados com estado civil de solteiro; 1.574 (74,74%) de todos os óbitos ocorreram em Aracaju. Conclusão: A taxa de mortalidade por câncer de mama em Sergipe mostrou-se inferior à do Brasil. O ano com o maior número de óbitos foi 2017. A maioria das mulheres que morreram por câncer de mama em Sergipe tinham idade igual ou superior a 40 anos, eram de raça parda e solteiras. O município com o maior número de óbitos foi Aracaju.

 

 


Keywords


Neoplasias da mama, Epidemiologia, Mortalidade.

References


BASTOS, D. R. de. Risk factors related to breast cancer development. Mastology, Rio de Janeiro, v. 29, n. 4, p. 218-223, 2019. DOI: <10.29289/2594539420190000461>.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. A situação do câncer de mama no Brasil. Rio de Janeiro, RJ, 2019b. Disponível em: . Acesso em: 15 agosto 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro, RJ, 2019a. Disponível em: . Acesso em: 15 agosto 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema de Informação de Mortalidade. Brasil, 2020. Disponível em: . Acesso em: 30 abril 2020.

BRAY, F. et al. Global cancer statistics 2018: GLOBOCAN estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. CA: a Cancer Journal for Clinicians, Nova Iorque, v. 68, n. 6, p. 394-424, 2018. DOI: <10.3322/caac.21492>.

CHAIMOWICZ, F. A saúde dos idosos brasileiros às vésperas do século XXI: problemas, projeções e alternativas. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 184-200, 1997.

CHANG-CLAUDE, J. et al. Age at Menarche and Menopause and Breast Cancer Risk in the International BRCA1/2 Carrier Cohort Study. Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention, Filadélfia (PA), v. 16, n. 4, p. 740-746, 2007. DOI: <10.1158/1055-9965.EPI-06-0829>.

COUTO, M. S. A. et al. Comportamento da mortalidade por câncer de mama nos municípios brasileiros e fatores associados. Revista Panamericana de Salud Pública, Washington DC, v. 41, 2017. DOI: .

DINIZ, C. S. G. et al. Breast cancer mortality and associated factors in São Paulo State, Brazil: An ecological analysis. BMJ Open, Londres, v. 7, n. 8, 2017. DOI: <10.1136/bmjopen-2017-016395>.

DUGNO, M. L. G. et al. Perfil do câncer de mama e relação entre fatores de risco e estadiamento clínico em hospital do Sul do Brasil. Revista Brasileira de Oncologia Clínica, São Paulo, v. 10, n. 36, p. 60-66, 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 agosto 2021.

ELMORE, J. G. et al. Screening for Breast Cancer. Journal of the American Medical Association, Chicago (IL), v. 293, n. 10, p. 1245-1256, 2005. DOI: <10.1001/jama.293.10.1245>.

FENG, Y. et al. Breast cancer development and progression: Risk factors, cancer stem cells, signaling pathways, genomics, and molecular pathogenesis. Genes & Diseases, Chongqing, v. 5, n. 2, p. 77-106, 2018. DOI: .

FIGUEIREDO, F. W. D. S. et al. Association between primary care coverage and breast cancer mortality in Brazil. PLoS One, São Francisco, v. 13, n. 8, 2018. DOI: <10.1371/journal.pone.0200125>.

FIGUEIREDO, F. W. dos S. et al. The role of health policy in the burden of breast cancer in Brazil. BMC Women’s Health, Londres, v. 17, 2017. DOI: .

GEBRIM, L. H.; QUADROS, L. G. de A. Rastreamento do câncer de mama no Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 28, n. 6, p. 319-323, 2010. DOI: .

GUERRERO, V. G. et al. Monitoring modifiable risk factors for breast cancer: An obligation for health professionals. Revista Panamericana de Salud Pública, Washington DC, v. 41, 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 agosto 2021.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: .

KAMIŃSKA, M. et al. Breast cancer risk factors. Przegla̜d menopauzalny, Posnânia, v. 14, n. 3, p. 196-202, 2015. DOI: <10.5114/pm.2015.54346>.

KLUTHCOVSKY, A. C. G. C. et al. Female breast cancer mortality in Brazil and its regions. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 60, n. 4, p. 387-393, 2014. DOI: .

LANNIN, D. R. et al. Influence of socioeconomic and cultural factors on racial differences in late-stage presentation of breast cancer. Journal of the American Medical Association, Chicago (IL), v. 279, n. 22, p. 1801-1807, 1998. DOI: <10.1001/jama.279.22.1801>.

LÔBO, J. L. S. et al. Mortalidade por Câncer de Mama Feminino em Alagoas no Período de 2001 a 2016: Análise de Tendência e Distribuição Espacial. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 66, n. 1, 2020. DOI: .

MAKLUF, A. S. D.; DIAS, R. C.; BARRA, A. A. Avaliação da qualidade de vida em mulheres com câncer da mama. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 52, n. 1, p. 49-58, 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 agosto 2021.

MENESES, N. S. Transformações Demográficas e o Processo de Envelhecimento da População Sergipana. Scientia Plena, Aracaju, v. 8, n. 1, 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 agosto 2021.

MOREIRA, J. C. et al. Perfil das mulheres com câncer de mama. Revista de Enfermagem UFPE online, Recife, v. 11, n. 6, 2017. DOI: .

MOURA, G. V. de et al. Mulheres e câncer: corpos femininos são mais que mamas e colo de útero. Estudo dos novos diagnósticos de câncer entre mulheres, no Brasil, de 2016 a 2020. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v. 4, n. 4, p. 15794-15813, 2021. DOI: <10.34119/bjhrv4n4-111>.

SANTOS, R. S.; ZAPPONI, A. L. B.; MELO, E. C. P. Análise espacial da mortalidade do câncer de mama e colo de útero no Brasil em 2004. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, Rio de Janeiro, v. 1, n.2, p. 210-216, 2009. DOI: .

SCHRAMM, J. M. de A. et al. Transição epidemiológica e o estudo de carga de doença no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 9, n. 4, p. 897-908, 2004. DOI: .

SINGH, M. et al. Racial Disparity Among Women Diagnosed With Invasive Breast Cancer in a Large Integrated Health System. Journal of Patient-Centered Research and Reviews, Milwaukee (WI), v. 5, n. 3, p. 218-228, 2018. DOI: <10.17294/2330-0698.1621>.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-251

Refbacks

  • There are currently no refbacks.