Levantamento de alterações macroscopicas post mortem em aves silvestres / Post-mortem macroscopic changes in wild birds

Aline Koslinski, Jayme Augusto Peres, Rodrigo Antônio Martins de Souza, Suellen Rodrigues Calixto, Thiago Francisco Costa Solak, Caroline Yonaha, Carina Bortoletto, Humberto Atílio Grassi

Abstract


O Brasil, por sua grande extensão territorial e variedade climática, apresenta ampla diversidade de aves silvestres despertando o interesse comercial de criatórios autorizados, porém, também a ocorrência da comercialização irregular provenientes do tráfico de animais e nesta situação, por sua vez estes ocasionalmente são vítimas de fraturas, desnutrição, lacerações e até mesmo queimaduras. Estes animais quando apreendidos são conduzidos a centros especializados para tratamento clinico e/ou cirúrgico como ocorre com o Serviço de Atendimento a Animais Silvestres - SAAS da UNICENTRO, porém infelizmente muitas vezes veem a óbito devido suas condições tornando-se fonte de estudo anatomopatológico com a finalidade de aprendizado referente a enfermidades que possam apresentar, assim são encaminhados ao Laboratório de Anatomia Patológica Veterinária também da UNICENTRO, situado no campus CEDETEG município de Guarapuava. Foram analisadas 62 aves necropsiadas do o período de agosto de 2020 até abril de 2021, do total da amostragem realizada, 8 apresentaram comprometimento intestinal associado a enterite catarral estando este processo associado a alterações parasitarias ocorridas de forma persistente, 8 com alterações exclusivamente circulatórias e em sacos aéreos relacionando-se a reações inflamatórios de etiologia viral, 15 apresentaram alterações congestivas hepáticas tendo este comprometimento relacionado ao comprometimento circulatório consequente a hipóxia oriunda de enfermidade cardiorrespiratória ou toxêmica, 9 tinham alterações circulatórias em epicárdio favorecido pela etiologia viral direta ao endotélio vascular local ou em resposta a alteração sistêmica, 17 apresentaram fraturas em asas associadas a processos traumáticos e em 5 observou-se aderências viscerais em abdômen tendo como diagnóstico conclusivo a tricomoníase observando granulomas em sistema digestório e respiratório sendo possível a identificação do agente etiológico e descrição da lesão pela microscopia onde as amostras foram coletadas e armazenas em solução de formalina tamponada a 10% e coradas pela hematoxilina e eosina (H&E). A importância no levantamento referente a causa mortis faz-se necessária para compreender o porquê muitas vezes estes animais não são salvos clinicamente pois já eram portadores de enfermidades as quais agravaram com o consequente ato do tráfico e conhecer essas etiologias permite que nas próximas atividades condutas mais adequadas sejam realizadas possibilitando que estes sejam salvo.

 


Keywords


Aves silvestres, Post Mortem, Tráfico de animais

References


BALDASSI, L.; CALIL, E.M.B.; PORTUGAL, MA.S.C.; MOULIN, A.A.P.; LEME, M.M. Enterite em Uru Cativo (ODONTOPHURUS CAPUEIRA CAPUEIRA) SPIX, 1825. Arq. Inst. Biol., São Paulo, v.70, n.2, p.191-195, 2003.

BARBOSA, P.S.; PERES, J.A.; SOARES, R.V. Mensuração de metais pesados em ovos de aves comerciais. Meio Ambiente: Enfoque Socioambiental e interdisciplinar 3. 2021. p. 131 – 135. Ponta Grossa: Editora ATENA. ISBN 978-65-5983-043-5 e DOI 10.22533/at.ed.43521100512.

CARNIATTO, C.H. & LEONARDO, J.M.L.O Aves Silvestres atendidas no Hospital Veterinário do Centro Universitário de Maringá - CESUMAR Revista em Agronegócios e Meio Ambiente. v. 07, n. 01, p. 227 – 238, 2014.

CBRO: Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos. Listas das Aves do Brasil. Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos (CBRO). 11ª Edição. 2014.

FRAGA, C.F. Ocorrência de doenças micóticas em aves silvestres no Brasil. Dissertação de Pós Graduação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Faculdade de Veterinária Curso de Medicina Veterinária. Porto Alegre. 2014.

FREITAS, S.O.; TRANQUILIN, M.V.; LEHMKUHL, R.C.; SEKI, M.C.; TORRES CARRASCO, A.O. Estudo retrospectivo da casuística de animais atendidos no Serviço de Atendimento a Animais Selvagens – SAAS / UNICENTRO. Anais da XVII Semana de Iniciação Científica da UNICENTRO. 11 a13 de setembro de 2012 - ISSN – 2238-7358.

GIOLVANINI, D. 1° Relatório nacional sobre o tráfico de fauna silvestre. Brasília.http//www.renctas. org.br/files/REL_RENCTAS_pt_final.pdf RENCTAS, 2002. 108p.

MARCONDES, R.A.; ALMEIDA, G.; TORRES CARRASCO, A.O. Destino dos Animais Atendidos no SAAS no período de agosto de 2015 a julho de 2016. Anais do 9º Salão de Extensão e Cultura. 22 a24 de novembro de 2016, UNICENTRO, ISSN-2238-4464.

MARINI, M.A. & GARCIA, F.I. Conservação de aves no Brasil. MEGADIVERSIDADE. v. 01, n.01, 2005.

MIRANDA, J.E.S.; SANTOS, A.; SAOUZA, W.F.; BLAMIRES, D. Atropelamento de animais silvestres na rodovia go-060 entre Iporá e Arenópolis, estado de Goiás. Brazilian Journal of Development. v. 07, n. 05, p. 51664 – 51671, 2021. ISSN: 2525-8761.

MONTEIRO SILVA, M. E.; MATTOS JUNIOR, D.G.; TORTELLY, R.; MENEZES, R.C. Lesões causadas por alguns helmintos em galinhas-d’angola (Numida meleagris, L.) procedentes do estado do Rio de Janeiro R. bras. Ci. Vet., v. 12, n. 1/3, p. 118-123, 2005.

MORAES, A.B.C. Ocorrência de Patógenos de origem bacteriana e viral e marcadores de virulência de Escherichia coli e Rhodococcus equi isolados das fezes de aves silvestres de cativeiro da fauna brasileira. Universidade Estadual Paulista – Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. Botucatu – S. 2014.

NOBRE, Y.M.; THOMAZ, E.R.; BATSCHEKE, C.F.; BRIZOLA, P.B.; DOMINGES, M.V.; CALDEIRA, F.M.C.; PERES, J.A. Determinação de lesões macro e microscópicas de amostras biológicas de animais silvestres encaminhados para taxidermização no laboratório de anatomia veterinária e diagnóstico no laboratório de anatomia patológica veterinária associando a determinação de metais pesados. IV SIEPE: Semana de Integração ensino, pesquisa e extensão. Anais da IV SIEPE – Semana de Integração Ensino, Pesquisa e Extensão. Setembro 2015. ISSN – 2236-7098.

NUNES, P.B.; BARRETO, A.S.; FRANCO, E.Z. Subsídios à ação fiscalizatória no combate ao tráfico de aves silvestres e exóticas em Santa Catarina. Ornithologia v. 5, n. 1. P. 26-33, 2012.

OLIVEIRA, F.; BAZAN, C.; SOLIVA, A.; RITZ, R.; FAGUNDES, E.; CAMARGO, G.; BIAZZOTO, G.; AUGUSTO, M.; SURIAN, C.; CALDERARO, T.; PEREIRA, R. E. P. Clamidiose (Psitacose) Revista Cientifica Eletrônica de Medicina Veterinária. ISSN: 1679-7353 Ano VI. 2008

REIS, S.T.J.; TREMORI, T.M.; MASSAD, M.R.R.; DIEHL, N.F.; BECK, R.M.; PINTO, A.C.B.F.; RIBAS, L.M.; ROCHA, N.S. Estudo retrospectivo da destinação de aves silvestres apreendidas pela polícia militar ambiental do estado de SÃO Paulo no período de 2012 a 2015. Brazilian Jorunal of Forensic Sciencis, Medical Law and Bioethics. v. 06, n. 04, p. 599 – 608, 2017.

SANCHES, T.C. Causas de morte em passeriformes: relação de aves de vida livre residentes na Região Metropolitana de São Paulo e aves oriundas do tráfico. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo: Departamento de Patologia. 2008. 185p.

SILVA, T.E.S. Estudo da prevalência e do impacto da tricomonose em aves silvestres. Universidade Lusofona de Humanidades e Tecnologias Faculdade de Medicina Veterinária – Lisboa. 2017.

SILVEIRA, L.F.& OLMOS, F. Quantas espécies de aves existem no Brasil ?. Revista Brasileira de Ornitologia. v. 15, n. 02, p. 289-296. 2007.

SOARES, R.V. & PERES, J.A. Mensuração de metais pesados em ovos de codornas (Coturnix coturnix). Anais da VI SIEPE – Semana de Integração Ensino, Pesquisa e Extensão. Setembro – XXVIII EAIC. 2019. ISSN – 2236-7098.

TEIXEIRA, M. Manual de necropsia de aves. Ilhéus: EDITUS, 2001. 93p. ISBN; 978-85-7455-230-9.

TORRES CARRASCO, A.; BITENCOURT, M.L.; FREITAS, S.O.; IKEDA, P.; LOURES, B.V.R.; SANTOS, L.C. Estudo Retrospectivo do Atendimento a Animais Selvagens – SAAS/UNICENTRO no período de um ano. Anais do 7º Salão de Extensão e Cultura da UNICENTRO 23 a 26 de setembro de 2014

VIDOLIN, G.P; MANGINI, P.R.; MOURA-BRITTO, M.; MUCHAILH, M.C. Programa Estadual de Manejo de Fauna Silvestre. Apreendida - Estado do Paraná, Brasil. Cad. Biodivers. v. 4, n. 2, 2004. ISSN 1415-9112.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-219

Refbacks

  • There are currently no refbacks.