Reflexões sobre a sustentabilidade e sua institucionalização no brasil / Reflections on sustainability and its institutionalization in brazil

Marcel Britto, Heitor Menezes Gomes, Raiana Rassi Valicente

Abstract


Rediscutir a sustentabilidade é o objetivo central do estudo que, para tanto, percorre a origem do termo, sua trajetória até a institucionalização por parte da Organização das Nações Unidas e daí para a ordem interna do Brasil. Todavia, as iniciativas de propagar o paradigma teórico do “desenvolvimento” sustentável” tanto podem ser meritórias quanto contraproducentes à sua efetividade, pois com objetivo de conciliar várias dimensões do problema esconde tanto a inconsistências e dubiedades do conceito quanto intencionalidades subjacentes de práticas “insustentáveis” e, assim, de graves implicações reais que comprometem a viabilidade dos esforços para um novo e perene paradigma das políticas públicas, como pretendido pela Agenda-21. O estudo se apresenta como pesquisa descritiva, com análise qualitativa e de caráter bibliográfico, baseada em livros, periódicos, documentos e outras fontes indiretas, especialmente por meio de consulta via internet, de onde houve a extração das informações, sua análise e sistematização, abrangendo revisão de literatura pela seleção dos autores pela conveniência dos pesquisadores, bem assim resultados secundários, mas suficientes para manter o foco crítico sobre o ideal de “desenvolvimento sustentável” e sua insuficiência, seja conceitual, seja prática no equacionamento dos problemas socioambientais que comprometem a continuidade da vida em suas múltiplas formas, inclusive humana.


Keywords


Sustentabilidade, Agenda 21, políticas públicas.

References


BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 28 set 2020.

BRASIL. Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 31 out. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2020.

BRASIL. Lei n. 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 15 set. 2020.

BRASIL. Lei n. 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 31 out. 2020.

BRASIL. Lei n. 14.026, de 15 de julho de 2020. Atualiza o marco legal do saneamento básico e altera a Lei nº 9.984, de 17 de julho de 2000, para atribuir à Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) competência para editar normas de referência sobre o serviço de saneamento, a Lei nº 10.768, de 19 de novembro de 2003, para alterar o nome e as atribuições do cargo de Especialista em Recursos Hídricos, a Lei nº 11.107, de 6 de abril de 2005, para vedar a prestação por contrato de programa dos serviços públicos de que trata o art. 175 da Constituição Federal, a Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007, para aprimorar as condições estruturais do saneamento básico no País, a Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, para tratar dos prazos para a disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos, a Lei nº 13.089, de 12 de janeiro de 2015 (Estatuto da Metrópole), para estender seu âmbito de aplicação às microrregiões, e a Lei nº 13.529, de 4 de dezembro de 2017, para autorizar a União a participar de fundo com a finalidade exclusiva de financiar serviços técnicos especializados. Disponível em: . Acesso em 31 out. 2020 (2020a).

BRASIL. Decreto n. 10.240, de 12 de fevereiro de 2020. Regulamenta o inciso VI do caput do art. 33 e o art. 56 da Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, e complementa o Decreto nº 9.177, de 23 de outubro de 2017, quanto à implementação de sistema de logística reversa de produtos eletroeletrônicos e seus componentes de uso doméstico. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2020. (2020b).

CONAR. CONSELHO NACIONAL DE AUTORREGULAMENTAÇÃO PUBLICITÁRIA. Um Balanço da Autorregulamentação Publicitária em 2019. BOLETIM DO CONAR Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2020.

CNDOS. Comissão nacional para os ODS – plano de ação 2017-2019. . Acesso em: 02 nov. 2020.

DIEGUES, Antonio Carlos Sant´Anna. Desenvolvimento sustentável ou sociedades sustentáveis: da crítica dos modelos aos novos paradigmas. São Paulo em Perspectiva, n. 6 (1-2), janeiro/junho 1992. p. 22-29. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2020.

ESTRATÉGIA ODS. Indicadores da desigualdade no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2020.

GAVARD. F. M. P. Do impasse ao consenso: um breve histórico do conceito de desenvolvimento sustentável. Revista Sociais e Humanas, n. 2, v. 22, 2009.

GONÇALVES, D. P. Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo. Jornal da Unicamp, 2017. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores de desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. Disponível em: . Acesso em: 04 out. 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores de desenvolvimento sustentável. Objetivos de desenvolvimento sustentável: relatório dos indicadores para os objetivos de desenvolvimento sustentável. Atualizado em 30/09/2020. Disponível em: . Acesso em: 04 out. 2020.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Sustentabilidade ambiental no Brasil: biodiversidade, economia e bem-estar humano. Brasília: IPEA, 2010. Disponível em: . Acesso em 24 ago. 2020.

JUNIOR, R. D. S.; FERREIRA, L. C. Sustentabilidade na era das conferências sobre meio ambiente e desenvolvimento - um olhar para Ecologia e Economia. Ambiente & Sociedade, n. 1, v. 16, 2013.

MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JR., A.; COUTINHO, S. M. V. Agenda 21 nacional e indicadores de desenvolvimento sustentável: contexto brasileiro. Saúde e Sociedade. São Paulo, v. 17, n. 1, p. 7-20, 2008.

MORAES, C. S. B. et al. Programas e metodologias de indicadores de sustentabilidade: análise comparativa como subsídio para a gestão ambiental urbana. Braz. J. of Develop., v. 5, n. 7, 2019. p. 10333-10366.

NASCIMENTO, E. P. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico. Estudos Avançados, n. 26, v. 74, 2012.

OLIVEIRA, Celso Maran de. Agenda 21: proposta de integração. Revista Direito Ambiental e Sociedade, v. 9, n. 3. set./dez. 2019. p. 33-56.

ONU. Organização das Nações Unidas. Declaração do milênio das nações unidas. Nova Iorque, 08 set. 2000. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2020.

ONU. Organização das Nações Unidas. Transformando Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Nova Iorque, set. 2015(A/70/L.1). Disponível em: . Acesso em: 4 out. 2018.

PEREIRA, João Victor Inácio. Sustentabilidade: diferentes perspectivas, um objectivo comum. Economia Global e Gestão, Lisboa, v. 14, n. 1, p. 115-126, abr. 2009.

POTT, C. M.; ESTRELA, C. C. Histórico ambiental: desastres ambientais e o despertar de um novo pensamento. Estudos Avançados, n. 31, v. 89, 2017.

RATTNER, Henrique. Sustentabilidade - uma visão humanista. Ambient. soc., Campinas, n. 5, p. 233-240, Dec. 1999.

UOL. UNIVERSO ON LINE NOTÍCIAS. Bolsonaro veta Agenda 2030 da ONU ao sancionar o Plano Plurianual da União. Disponível em: . Acesso em: 02 out. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-218

Refbacks

  • There are currently no refbacks.