Violência moral contra a mulher no âmbito doméstico / Moral violence against women in the domestic scope

Carleane Lopes Souza, Najara Lima de Melo Silva, Edilson Fernandes Gonçalves, Ronilson de Souza Luiz

Abstract


O presente artigo trata de uma pesquisa sobre violência moral contra a mulher no âmbito doméstico. A responsabilidade de toda a sociedade e do Poder Público em apresentar políticas públicas de prevenção a todo tipo de violência é latente. O objetivo geral é demonstrar a falta de política preventivas e, consequentemente, os entraves para a dignidade humana, direitos e garantias fundamentais, bem como a busca de instrumentos eficazes. Como preconiza a nossa Constituição investimos na busca de solução pacífica de controvérsias, ainda que no âmbito criminal, que pouco é utilizada. Demonstraremos que a participação precária da vítima e o fato de o ofensor não se responsabilizar pelos danos causados em outras esferas da vida da vítima torna o sistema deficiente. Como fonte e embasamento teórico, utilizamos como vetores a Lei Maria da Penha 11.304/2006, a Constituição, o Decreto 1973/1996, a Lei 4121/1962.


Keywords


Violência, Mulher, Moral, Lei 11.304/2006.

References


ABRAMO, Perseu. Fundação. 2019. Disponível em: https://fpabramo.org.br/2019/11/27/mais-de-12-milhao-de-mulheres-foi-vitima-de-violencia-entre-2010-e-2017. Acesso em: 21. jun. 2021.

ALEX, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. Tradução de Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Malheiros, 2008.

ALVES, Eliana Calmon. A Lei Maria da Penha. In: Informativo Jurídico da Biblioteca Ministro Oscar Saraiva, v. 18, n. 1, jan./jun. 2006.

ALVES, José Augusto Lindgren. Relações Internacionais e Temas Sociais - A Década das Conferências. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2001. p. 240/241, item 7.6.

ARISTÓTELES. A Política. GOMES Joaquim Benedito Barbosa. Ação afirmativa & princípio constitucional da igualdade - o Direito como instrumento de transformação social. A experiência dos EUA. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

BIANCHINI, Alice. Quais as principais razões da violência doméstica contra a mulher, com a palavra a sociedade. 2011. JusBrasil. Disponível em: https://professoraalice.jusbrasil.com.br/artigos/121813982/quais-sao-as-principais-razoes-da-violencia-domestica-contra-a-mulher-com-a-palavra-a-sociedade. Acesso em: 21. jun. 2021.

BRASIL. Governo Federal. Diretrizes para investigar, processar e julgar com perspectiva de gêneros mortes violentas de mulheres. Brasília, 2016. Disponível em: http://www.spm.gov.br/centraldeconteudos/publicacoes/2016/livro-diretrizes-nacionais-femenicidios-versao-web.pdf. Acesso em: Acesso em: 21. jun. 2021.

BRASIL. Ministério Público do Distrito Federal. 2005. Comentários a Lei Maria da Penha. Disponível em: https://www.mpdft.mp.br/portal/index.php/conhecampdft-menu/nucleos-e-grupos/209-nucleo-de-genero/639-comentarios-a-lei-maria-da-penha. Acesso em: 21. jun. 2021.

BRASIL. Ministério Público de São Paulo. 2006. Violência de gênero – Feminicídio. http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulgacao/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_informativo/bibli_inf_2006/Cad-Dir_n.32.09.pdf. Acesso em: 21. jun. 2021.

BRASIL. Planalto. Decreto-Lei n. 2848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm. Acesso em: 21. jun. 2021.

BRASIL. Planalto. Decreto 1973, de 1º de agosto de 1996. Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará, em 9 de junho de 1994. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1996/d1973.htm. Acesso em: 30 set. 2020.

BRASIL. Planalto. Lei n. 4121, de 27 de agosto de 1962. (Estatuto da Mulher Casada). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/l4121.htm. Acesso em: 21. jun. 2021.

BRASIL. Planalto. Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20042006/2006/Lei/L11340.htm. Acesso em: 21. jun. 2021.

BRASIL. Planalto. Lei n. 13.104, de 9 de março de 2015. Disponível em: . Acesso em: 21. jun. 2021.

BRASIL. Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Observatório da Violência. Disponível em: http://www.tjrj.jus.br/web/guest/observatorio-judicial-violencia-mulher/o-que-e. Acesso em: 21. jun. 2021.

BRASILIA, Jornal de. 2019. A grande causa da violência contra a mulher está no machismo estruturante da sociedade brasileira. Disponível em: https://jornaldebrasilia.com.br/cidades/a-grande-causa-da-violencia-contra-a-mulher-esta-no-machismo-estruturante-da-sociedade-brasileira. Acesso em: 21. jun. 2021.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7. ed. Almedina, 2003.

FILHO, Nagib Filho e CARVALHO, Gláucia. Vocabulário Jurídico. 21ª edição. Rio de Janeiro. Editora Forense. 2003.

GRECCO. Rogério. Feminicídio. 2015. Disponível em: https://rogeriogreco.jusbrasil.com.br/artigos/173950062/feminicidio-comentarios-sobre-a-lei-n-13104-de-9-de-marco-de-2015. Acesso em: 21. jun. 2021.

LEAL, Glaysson Braytnner Gomes. Feminicídio: uma análise de sua natureza jurídica na doutrina e jurisprudência Conteudo Juridico, Brasilia-DF: 13 out 2020. Disponivel em: https://conteudojuridico.com.br/consulta/Artigos/53809/feminicdio-uma-anlise-de-sua-natureza-jurdica-na-doutrina-e-jurisprudncia. Acesso em: 21. jun. 2021.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. O Conteúdo Jurídico do Princípio da Igualdade. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1984. p. 54.

MINAYO, Maria Cecília de Sousa. Violência e saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006.

MORAES, Maria Celina Bodin de. O conceito de dignidade humana: substrato axiológico e conteúdo normativo. In: Constituição, direitos fundamentais e direito privado.

NUCCI, Renan. Causas da violência contra a mulher é motivo fútil, afirma promotora. 2014. Disponível em: https://www.geledes.org.br/causa-da-violencia-contra-mulheres-e-motivo-futil-afirma-promotora/. Acesso em: 21. jun. 2021.

ROCHA, Cármen Lúcia Antunes. O Princípio Constitucional da Igualdade. Belo Horizonte: Lê, 1990. p. 39, 41 e 75. SANDEL. Michael. Justiça: O que é fazer a coisa certa. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

SARLET, Ingo Wolfgang. Constituição e Proporcionalidade: o direito penal e os direitos fundamentais entre proibição de excesso e de insuficiência. In: Revista de Estudos Criminais n. 12, ano 3.

PIMENTEL, Silvia; PIOVESAN, Flávia. Lei Maria da Penha: inconstitucional não é a lei, mas a ausência dela. 2007. SUNSTEIN. Cass. One Case At A Time. Judicial Minimalism On The Supreme Court. Cambridge: Harvard University Press, 1999.

PAVIANI, Jayme. Conceitos e formas de violência. Disponível em: https://www.ucs.br/site/midia/arquivos/ebook-conceitos-formas_3.pdf. Acesso em: 21. jun. 2021.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-210

Refbacks

  • There are currently no refbacks.