A importância da conciliação medicamentosa na prática da farmácia clínica em hospitais / The importance of drug conciliation in the practice of clinical pharmacy in hospitals

Conceição Beatriz Costa de Lira, Valéria Mirla de Oliveira

Abstract


A inserção do farmacêutico no âmbito clínico busca melhorar os cuidados com a farmacoterapia. Utilizando-se de métodos como a conciliação medicamentosa, este profissional busca diminuir índices de interações entre medicamentos e erros de prescrição. A fim de mensurar o impacto deste método, o objetivo deste trabalho foi a avaliação da importância da conciliação medicamentosa na prática da farmácia clínica em hospitais. O presente estudo se trata de uma revisão de literatura realizada com busca em bases de dados entre os meses de janeiro e fevereiro de 2021, considerando os estudos realizados em hospitais que oferecem o serviço de conciliação medicamentosa. Foram estabelecidos itens de inclusão e exclusão para obtenção dos artigos a serem utilizados no trabalho. Posteriormente foi realizada leitura detalhada e seleção definitiva dos artigos. Posterior a busca nas bases de dados, 15 artigos foram selecionados para realização do estudo. Todos os trabalhos evidenciaram a importância da realização da conciliação medicamentosa por meio da equipe farmacêutica para prevenção de erros de medicamentos e aumento da segurança do paciente. Sobre as discrepâncias encontradas, a omissão e dosagem errada foram, respectivamente, as mais encontradas durante a avaliação. Concluindo-se que, a conciliação medicamentosa mostrou-se ser de suma importância na prática da farmácia da clínica em hospitais no que se trata da segurança dos pacientes internados. Sua realização previne potenciais erros de prescrição e possíveis resultados negativos à terapia medicamentosa, se tornando essencial para assistência farmacêutica prestada ao paciente.


Keywords


Conciliação medicamentosa. Farmácia clínica. Segurança do paciente. Erros de prescrição.

References


AL-HASHAR, et al. Impact of medication reconciliation and review and counselling, on adverse drug events and healthcare resource use. International journal of clinical pharmacy, v. 40, n. 5, p. 1154-1164, 2018.

BERNARDI, E. A. T. et al. Implantação da avaliação farmacêutica da prescrição médica e as ações de farmácia clínica em um hospital oncológico do sul do Brasil. Revista Especial para a Saúde, v. 15, n. 2, p. 29-36, 2014.

BERTHE, A. et al. Conciliation médicamenteuse: un outil de lutte contre le risque iatrogène en gériatrie. Gériatrie et Psychologie Neuropsychiatrie du Vieillissement, v. 15, n. 1, p. 19-24, 2017.

BOSMA, L. B. E. et al. The effect of a medication reconciliation program in two intensive care units in the Netherlands: a prospective intervention study with a before and after design. Annals of intensive care, v. 8, n. 1, p. 1-13, 2018.

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Pacientes pela segurança do paciente em serviços de saúde: Como posso contribuir para aumentar a segurança do paciente? Orientações aos pacientes, familiares e acompanhantes/ Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, v. 10, n. 4, p. 12-16, 2017.

BRASIL. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Resolução n° 585, de 29 de agosto de 2013. Regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 29 ago. 2013.

BRAVO, P. et al. Conciliation médicamenteuse d’entrée en service de médecine interne: retour d’expérience après un an de pratique. La Revue de Médecine Interne, v. 40, n. 5, p. 291-296, 2019.

CRONENWETT, L. R. et al. Preventing medication errors. National Academies Press, 2007.

DRIES, S. S. Serviço de reconciliação medicamentosa com base no modelo canadense para uma ala de saúde mental. Revista Especialize IPOG, v. 1, n. 1, 2015.

DUFAY, E. et al. The clinical impact of medication reconciliation on admission to a French hospital: a prospective observational study. European Journal of Hospital Pharmacy, v. 23, n. 4, p. 207-212, 2016.

FERREIRA, C. E. F. et al. Identificação de reações adversas a medicamentos durante conciliação medicamentosa em hospital escola. Ciências de Cuidados a Saúde, v. 15, n. 3, p. 445-451, 2016.

FIGUEIRA, P. H. M. et al. Método estruturado para a prática de conciliação medicamentosa em hospital oncológico. Sistemas & Gestão, v. 14, n. 3, p. 1578, 2019.

FRIZON, F. et al. Reconciliação de medicamentos em hospital universitário. Revista de enfermagem UERJ, v. 22, n. 4, p. 454-460, 2014.

GHIMIREY, A. et al. Evaluation of pharmacist counseling in improving knowledge, attitude, and practice in chronic kidney disease patients. SAGE open medicine, v. 1, 2013.

JOINT COMISSION INTERNATIONAL (2017). Hospital Accreditation Standards: the Brazilian Consortium of Accreditation of Health Care Systems, Rio de Janeiro, Vol 6, pp. 296.

LESSELROTH, B. J. et al. Naturalistic Usability Testing of Inpatient Medication Reconciliation Software. In: ITCH. 2017. p. 201-205.

LINDENMEYER L. P; GOULART V. P; HEGELE V. Reconciliação Medicamentosa como Estratégia para a Segurança do Paciente Oncológico: Resultados de um estudo piloto. Revista Brasileira Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, v. 4, n. 4, p. 51-55, 2013.

LOMBARDI, N. F. A. et al. Análise das discrepâncias encontradas durante a conciliação medicamentosa na admissão de pacientes em unidades de cardiologia: um estudo descritivo. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 24, 2016.

MAGALHÃES, A. C. A. F. et al. Avaliação da implantação do serviço de farmácia clínica na Unidade de Terapia Intensiva para contribuir na segurança do paciente. Revista Médica de Minas Gerais [Internet], v. 26, n. 5, p. 16-22, 2016.

MÁRMOL-RODRÍGUEZ, J. A; RODRÍGUEZ-CASA, M. P. Estudio clínico de conciliación de la medicación al ingreso hospitalario en pacientes de las áreas de medicina interna y cirugía. Ars Pharmaceutica, v. 56, n. 3, p. 141-148, 2015.

MARZAL-ALFARO, B. et al. Erros de medicação em um serviço de emergências de acordo com o consenso espanhol de Reconciliação de medicação. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde. v. 6, n. 2 p. 6-11, 2015.

SANTOS, C. L. et al. Reconciliação de medicamentos: processo de implantação em um complexo hospitalar com a utilização de sistema eletrônico. Saúde Debate, v. 43, n. 121, p. 368-377, 2019.

SPALLA, L. R; CASTILHO, S. R. Medication reconciliation as a strategy for preventing medication errors. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, v. 52, n. 1, p. 143-150, 2016.

VASILEFF, H. M. et al. The effect on medication errors of pharmacists charting medication in an emergency department. Pharmacy world & science, v. 31, n. 3, p. 373-379, 2009.

VILLAMAYOR-BLANCO, L. et al. Conciliación de medicación al ingreso mediante un programa de prescripción electrónica asistida. Farmácia Hospitalaria, v. 40, n. 5, p. 333-340, 2016.

VIRA, T.; COLQUHOUN, M.; ETCHELLS, E. Reconcilable differences: correcting medication errors at hospital admission and discharge. BMJ Quality & Safety, v. 15, n. 2, p. 122-126, 2006.

WHITE, Christine M. et al. Utilising improvement science methods to optimise medication reconciliation. BMJ quality & safety, v. 20, n. 4, p. 372-380, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-207

Refbacks

  • There are currently no refbacks.