Falhas terapêuticas no tratamento de esclerose múltipla: relato de caso / Therapeutic failures in the treatment of multiple sclerosis: a case report

Naiane Taíssa Folini, Anna Paula de Oliveira Simiema, Citrya Jakellinne Alves Sousa, Deborah Antunes de Menezes, Luciana Hahmann, Matheus Menezes Silva, Rodrigo Ramos da Costa, Vivian Dias Rodrigues Schmaltz

Abstract


A Esclerose Múltipla é uma doença de caráter inflamatório e desmielinizante que acomete a substância branca presente no sistema nervoso central. Embora sua etiologia ainda seja desconhecida, o quadro clínico é caracterizado pela presença de sinais e sintomas como: fadiga, nistagmo, diplopia, disfunção motora e sensitiva, tremores e desequilíbrio. Possui maior incidência no sexo feminino entre a terceira e quarta década de vida com aumento global crescente do número de casos, principalmente em regiões mais distantes da linha do Equador. O tratamento possui diversas linhas dentro dos protocolos do Ministério da Saúde, cuja finalidade é impedir o acúmulo e progressão de sintomas que geram a incapacidade da doença. O caso em questão retrata a evolução da doença em uma profissional da saúde que iniciou com quadro gripal leve, com posterior manifestação de acometimento neurológico confirmado após realização de ressonância magnética. Após cuidadosa investigação do quadro sintomatológico apresentado, foi constatado doença de substrato desmielinizante de atividade inflamatória aguda. A paciente apresentou bandas oligoclonais positivas e detecção de IgG no exame do líquor, com um surto e duas lesões na ressonância magnética, fechando o diagnóstico de Esclerose Múltipla a partir dos critérios de McDonald. O tratamento apresentou duas falhas terapêuticas tanto com a administração de copaxane quanto com a de fingolimode, sendo que o medicamento natalizumabe não foi utilizado devido ao alto título do JCV, o qual representa risco para o desenvolvimento de leucoencefalopatia multifocal progressiva. Por fim, optou-se pelo uso de ocrelizumabe para controle da doença e segurança da paciente. Assim, este relato acompanha o caso de uma paciente que possui quadro clássico de Esclerose Múltipla do tipo Remitente-Recorrente com fatores agravantes para a evolução da doença para Esclerose Múltipla Progressiva Secundária.


Keywords


Esclerose Múltipla, Diagnóstico, Falha Terapêutica.

References


BRANCO, L. P. et al. Serological profile of John Cunningham Virus (JCV) in patients with multiple sclerosis. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, v. 76, n. 9, p. 588–591, 2018.

CAVENAGHI, V. B. et al. Caracterização dos primeiros sintomas de esclerose múltipla em um centro brasileiro: Estudo transversal. Sao Paulo Medical Journal, v. 135, n. 3, p. 222–225, 2017.

CAZON, K. M. J. et al. Doença de Addison e esclerose múltipla: relato de caso TT - Addison's disease and multiple sclerosis: case report. Rev. Soc. Bras. Clín. Méd, v. 17, n. 1, p. 35–37, 2019.

FRAZÃO, M. A. M. et al. Diplopia as first symptom of multiple sclerosis. Revista Brasileira de Oftalmologia, v. 74, n. 2, p. 73–75, 2015.

JARMI, V. et al. Palabras clave: bandas oligoclonales * esclerosis múltiple * líquido cefalor-raquídeo * índice IgG * Reibergrama * síntesis intratecal. Acta Bioquím Clín Latinoam, v. 49, n. 2, p. 257–65, 2015.

MARQUES, V. D. et al. Brazilian consensus for the treatment of multiple sclerosis: Brazilian academy of neurology and brazilian committee on treatment and research in multiple sclerosis. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, v. 76, n. 8, p. 539–554, 2018.

MATAS, S. L. DE A. et al. Cerebrospinal fluid analysis in the context of CNS demyelinating diseases. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, v. 71, n. 9 B, p. 685–688, 2013.

MOLLINAR, A. B. P. et al. O Uso Da Maconha Para O Tratamento Da Esclerose Múltipa / the Use of Marijuana for the Treatment of Multiple Sclerosis. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 10, p. 77565–77575, 2020.

PUCCIONI-SOHLER, M. Cerebrospinal fluid oligoclonal IgG bands in multiple sclerosis: What does it mean? Arquivos de Neuro-Psiquiatria, v. 70, n. 8, p. 569–570, 2012.

SILVA, J. G. DA; PEZZINI, M. F.; POETA, J. Avanços no tratamento da esclerose múltipla através do anticorpo monoclonal Ocrelizumabe. Medicina (Ribeirao Preto Online), v. 53, n. 1, p. 35–41, 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-196

Refbacks

  • There are currently no refbacks.