Associação entre fatores de risco ergonômico e presença de dor lombar em equipe de enfermagem de âmbito hospitalar / Team association between ergonomic risk factors and presence of low back pain in hospital

Dulciane Nunes Paiva, Dionata Cristiano Schmidt, Litiele Evelin Wagner, Eduarda Chaves Silveira, Maria Eduarda Lara de Oliveira, Gabriela Maziero, Jessica Luiza Pedroso, Hildegard Hedwig Pohl

Abstract


Objetivo: Avaliar a associação entre fatores de risco ergonômico (FRE) e dor lombar (DL) em equipe de enfermagem hospitalar. Método: Avaliados 11 enfermeiros e 95 técnicos de enfermagem (n= 106) (18 a 60 anos) de hospital de ensino do Sul do Brasil. Avaliados os FRE, sintomas osteomusculares (Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares), percepção da DL (Escala Visual Analógica da Dor), flexibilidade (Teste de Sentar e Alcançar), nível socioeconômico (Questionário ABEP) e qualidade de vida (QV) (Questionário SF-36). O Teste de Qui-quadrado avaliou associação entre variáveis categóricas e o teste U Mann-Whitney comparou valores do SF-36 (p<0,05). Resultados: A amostra (n= 106; 34,66±9,59 anos) apresentou prevalência de DL de 76,4 % (n= 81) e não houve associação entre a mesma e os turnos e tempo de trabalho, presença de segundo emprego, nível socioeconômico e flexibilidade. Houve associação entre o domínio dor e presença de DL (p= 0,029) e os que referiram DL apresentaram menor QV em relação àqueles sem tal sintomatologia. Conclusão: Houve alta prevalência de dor lombar e redução da QV na amostra avaliada, sem que tenha ocorrido associação entre presença de dor lombar e os fatores de risco ergonômico.


Keywords


Ergonomia, dor lombar, saúde do trabalhador, enfermagem.

References


Castells M. A sociedade em rede. 2ª edição. São Paulo: Paz e Terra; 1999.

Marziale MHP. Contribuições do enfermeiro do trabalho na promoção da saúde do trabalhador. Revista Acta Paulista de Enfermagem 2010; 23 (2): 7-9.

Merlo ARC. Atenção ao sofrimento e ao adoecimento psíquico do trabalhador e da trabalhadora. Cartilha para profissionais do Sistema Único de Saúde - SUS, 2014. Disponível em: http://www.portaldeacessibilidade.rs.gov.br/uploads/1419336247Cartilha.pdf.

Marziale MHP, Rodrigues CM. A produção científica sobre os acidentes de trabalho com material perfuro cortante entre trabalhadores de enfermagem. Revista Latino Americana de Enfermagem 2002; 12 (1): 571-577.

Bezerra AMF, Bezerra KKS, Bezerra WKT, Athayde ACR, Vieira AL. Riscos ocupacionais e acidentes de trabalho em profissionais de enfermagem no ambiente hospitalar. Revista Brasileira de Educação em Saúde 2015; 5 (2): 01-07.

Maryam R, Mohammad G. Prevalence of low back pain among nurses: predisposing factors and role of work place violence. Trauma Monthly 2014; 19 (4) ed. 17926.

Galindo IS, Ferreira SCM, Lazzari DD, Testoni AK. Absenteism reasons in ambulatorial nursing team. Journal of Nursing 2017; 11 (8); 3198-3205.

Silva JB, Vale RGS, Silva F, Chagas A, Moraes G, Lima VP. Low back pain among bodybuilding professors of the West zone of the city of Rio de Janeiro. Revista da Dor 2016; 17 (1): 15-18.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Portaria nº 1.823, de 23 de agosto de 2012. Institui a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Diário Oficial da União 2012, 23 de agosto.

Mascarenhas CHM, Novaes SV. Sintomas Osteomusculares em Acadêmicos do Curso da Saúde de uma Universidade Pública. C&D-Revista Eletrônica da Fainor, Vitória da Conquista 2015; 8 (1): 113-131.

Choi SD, Brings K. Work-related musculoskeletal risks associated with nurses and nursing assistants handling overweight and obese patients: A literature review. Work 2016; 53 (2): 439-448.

Lwanga SK, Lemeshow S. Sample size determination in health studies: a practical manual. Geneva, World Health Organization, 1991.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Obesidade: Prevenindo e controlando a epidemia global. São Paulo: Roca, 2004.

Lean MEJ, Han TS, Morrison CE. Waist circumference as a measure for indicating need for weight management. BMJ 1995; 311 (6998): 158-161.

Rocha CSA, Silva CB da, Neto MG, Martinez BP. Alterações osteomusculares em técnicos de enfermagem em um ambiente hospitalar. Revista Pesquisa em Fisioterapia 2013; 3 (1): 3-12.

MARTINEZ, J. E.; GRASSI, D. C.; MARQUES, L. G. Análise da aplicabilidade de três instrumentos de avaliação de dor em distintas unidades de atendimento: ambulatório, enfermaria e urgência. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 51, n. 4, p. 299-308, 2011.

Canadian Standardized Test of Fitness (CSTF). Operations manual. 3ª edição. Fitness and Amateur Sport, Ottawa, Canada: Minister of State, 1986.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP). Critério de classificação econômica Brasil. 2016. Disponível em: .

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação da qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36). Revista Brasileira Reumatologia 1999; 39 (3): 143-150.

Silva EECM, Valença C, Lima G, Oliveira M, Germano R. Avaliação ergonômica do posto de urgência em uma unidade mista de saúde na cidade de Natal/Rio Grande do Norte. Revista de Pesquisa: Cuidado e Fundamental 2011; 5 (3): 227-234.

Mognago TSBS, Lisboa MTL, Griep RH, Kirchhof ALC, Camponogara S, Nonnenmacher CQ, Viera LB. Condições de trabalho, características sociodemográficas e distúrbios musculoesqueléticos em trabalhadores de enfermagem. Revista Acta Paulista de Enfermagem 2010; 23 (2): 187-193.

Siqueira K, Griep RH, Rotenberg L, Costa A, Melo E, Fonseca MJ. Inter-relações entre o estado nutricional, fatores sociodemográfico, características de trabalho e da saúde em trabalhadores de enfermagem. Revista Ciência e Saúde Coletiva 2015; 20 (6): 1925-1935.

Nogueira HC, Navega MT. Influência da Escola de Postura na qualidade de vida, capacidade funcional, intensidade de dor e flexibilidade de trabalhadores administrativos. Revista Fisioterapia e Pesquisa 2011; 18 (4): 353-358.

Pozo-cruz B, Gusi N, Adsuar JC, del Pozo-Cruz J, Parraca JA, Hermandez-Mocholi M. Musculoskeletal fitness and health-related quality of life characteristics among sedentary office workers affected by sub-acute, non-specific low back pain: a cross-sectional study. Physioterapy 2013; 99 (3): 194-200.

International Agency for Research on Cancer. Painting, firefighting, and shiftwork. Monographs on the evaluation of carcinogenic risks to humans: some aromatic amines, organic dyes, and related exposures/IARC working group on the evaluation of carcinogenic risks to humans (2008). Lyon, 2010.

Attarchi M, Raeisi S, Namvar M, Golabadi M. Association between shift workingand musculoskeletal symptoms among nursing personnel. Iran J Nurs Midwifery Res 2014; 19 (3): 309-314.

Maciel MED, Oliveira FN. Qualidade de vida do profissional técnico de enfermagem: a realidade de um hospital filantrópico em Dourados-MS. Revista Psicologia e Saúde 2014; 6 (1): 83-89.

Daubermann DC, Tonete VLP. Qualidade de vida no trabalho do enfermeiro da atenção básica à saúde. Revista Acta Paulista de Enfermagem 2012; 25 (2): 277-283.

Haddad MCL. Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem. Revista Espaço Saúde 2000; 1 (2): 75-88.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-191

Refbacks

  • There are currently no refbacks.