Análise da Educação Profissional Brasileira sob o viés da Inclusão / Analysis of Brazilian Professional Education from the perspective of Inclusion

Neide Aparecida de Souza Lehfeld, Maria Eduarda Oliveira Rosario, Livia Masson Antonini

Abstract


Refletindo sobre a atual tendência no campo educacional da Educação Profissional e Técnica crescente no Brasil, o artigo almeja a partir de um resgate histórico com base em um levantamento bibliográfico de caráter exploratório, introduzir a relação educação e trabalho presente desde o início dos tempos e suas transformações até a contemporaneidade. Decorrentes do modo de produção capitalista e suas contradições intrínsecas gerando desigualdade, pobreza e exclusão, o mundo do trabalho sofre alterações que acompanham as direções do mercado mundial. Nesse contexto apontamos como a educação se encontra subordinada ao mercado e possui uma dualidade de conteúdo e métodos ofertados diferentemente de acordo com a classe social, limitando oportunidades e objetivando a preparação da população mais marginalizada para a ocupação de cargos que surgem da imediaticidade do movimento do mercado. Esse cenário a priori positivo de especialização da mão de obra voltada ao proletariado, na verdade reforça e coloca a população mais vulnerável em espações de controle, submissão e regulação mediante uma vertente excludente.


Keywords


educação profissional técnica, trabalho, mercado.

References


Antunes R (2004). As mutações no mundo do trabalho e era da mundialização do Capital. Educação e Sociedade, (25)87: 335-351.

BRASIL (2010). Ministério da Educação. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia um novo modelo em educação profissional e tecnológica- concepção e diretrizes. Brasília: IF. 23p.

BRASIL (2021). Ministério da Economia. Plano Plurianual 2020-2023. Brasilia, DF, 76(2): 33-35.

Ciavatta M (2014). O ensino integrado, a politecnia e a educação omnilateral. por que lutamos? Trabalho e Educação, (23)1: 187–205.

Colombo IM (2020). Escola de Aprendizes Artífices ou Escola de Aprendizes e Artífices? Educar em Revista (36)1: 1-28.

Frigotto G (2012). Trabalho e Conhecimento: Dilemas na educação do trabalhador. 6 Ed. São Paulo: Cortez.

Freire P (2019). Educação como prática da liberdade. 44 Ed. Rio de janeiro: Paz e Terra.

Frigotto G (2007). Educação profissional e capitalismo dependente: o enigma da falta e sobra de profissionais qualificados. Trabalho educação e saúde [online], (5)3: 521-536.

Goerck C (2009). Capitalismo e as transformações no processo de trabalho. Capital Científico, (7)1: 11–20.

Moura DH (2006). Educação básica e educação profissional e tecnológica: dualidade histórica e perspectivas de integração. Anais da 1a Conferência Nacional da Educação Profissional e Tecnológica, Brasília, MEC, 5 a 8 de novembro de 2006.

Morin E (2018). Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2 Ed. São Paulo: Cortez.

Pacheco E (2012). Perspectivas da educação profissional e técnica de nível médio: Proposta de Diretrizes Curriculares. São Paulo: Moderna.

Rocha S (2008). A inserção dos jovens no mercado de trabalho. Caderno CRH, (21)54: 533-550.

Santos M (2008). A Urbanização Brasileira. 5 Ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Saviani D (2001). O trabalho como principio educativo frente às novas tecnologias. In: Novas Tecnologias, Trabalho e Educação. 3 Ed. Petrópolis: Vozes.

Wittaczik, L. S. (2008). Educação Profissional no Brasil: histórico
Professional education in brazil: history>. Revista E-Tech: Tecnologias Para Competitividade Industrial - ISSN - 1983-1838, 1(1), p. 77-86. https://doi.org/10.18624/e-tech.v1i1.26

MILHOMEN, Ana Léa de Vasconcelos. As entidades do sistema “s” (ess) e a obrigação de prestar contas ao Tribunal de Contas da União (TCU). Brasília, 2013. 18f. – Artigo (Especialização) Instituto Brasiliense de Direito Público.

NEGOCIOS E GESTÃO, empreendedor. Florianópolis, 2019

Disponivel em:




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-190

Refbacks

  • There are currently no refbacks.