A necessidade de olhar para os profissionais de segurança que atendem a desastres / The need to look at security professionals who respond to disasters

Bráulio Cançado Flores, Estela Najberg

Abstract


A promoção de direitos humanos voltada a profissionais de segurança pública deve considerar seu trabalho rotineiro, mas também os acontecimentos impactantes e agudos que os envolvem. O trabalho objetivou demonstrar a necessidade que os profissionais de segurança pública sejam público-alvo de atenção quando empregados no enfrentamento a desastres. Foi realizado levantamento da legislação que trata do assunto, e investigadas bases teóricas que suportem um olhar sobre profissionais de segurança empregados em atendimento a grandes emergências e desastres. Além da lei federal que institui o SUSP, o decreto que a regulamenta colocou os profissionais de segurança pública brasileiros no centro da discussão e no foco das políticas de direitos humanos. Ademais, pelo fato de muito frequentemente serem os primeiros respondedores a grandes desastres, evidenciou-se que é preciso, sobre eles, enxergar a pessoa por trás do profissional, o ser humano por trás do resultado que ele produz e da farda que veste.

Keywords


Segurança Pública, Desastres, Respondedores, Direitos Humanos.

References


AFONSO, J. M. P.; GOMES, A. R. Stress Ocupacional em Profissionais de Segurança Pública: Um Estudo com Militares da Guarda Nacional Republicana. Psicologia: Reflexao e Critica, v. 22, n. 2, p. 294–303, 2009.

ANTONIO, R.; BICALHO, P. P. G. Direitos humanos, segurança pública e a produção do medo na contemporaneidade. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, v. 10, n. 25, p. 118–140, 2018.

ARAÚJO, A. DOS P. DE. A coordenação dos esforços colaborativos das Forças Armadas com outras organizações nos casos de desastre natural. Tese(Doutorado). Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, 2013.

BRASIL. Decreto 7.257, de 4 de agosto de 2010. Regulamenta a Medida Provisória no 494 de 2 de julho de 2010, para dispor sobre o Sistema Nacional de Defesa Civil - SINDEC, 2010.

BRASIL. Lei 13.675, de 11 de junho de 2018. Disciplina a organização e o funcionamento dos órgãos responsáveis pela segurança pública, nos termos do § 7o do art. 144 da Constituição Federal; cria a Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social (PNSPDS), 2018a.

BRASIL. Decreto 9.489, de 30 de agosto de 2018. Regulamenta, no âmbito da União, a Lei no 13.675, de 11 de junho de 2018, para estabelecer normas, estrutura e procedimentos para a execução da Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social , 2018b.

CAMPOS, C. C. DE. O estresse profissional e suas implicacoes na qualidade de vida no trabalho dos bombeiros militares de Florianópolis. Monografia (Graduação). Universidade Federal de Santa Catarina, 1999.

FRANÇA, F. G. DE; DUARTE, A. “SOLDADOS NÃO CHORAM?”: REFLEXÕES SOBRE DIREITOS HUMANOS E VITIMIZAÇÃO POLICIAL MILITAR. Revista LEVS, v. 19, n. 19, p. 1–22, 18 jun. 2017.

FRANÇA, F. G.; GOMES, J. L. DE F. “Se não aguentar, corra!”: Um estudo sobre a pedagogia do sofrimento em um curso policial militar. Revista Brasileira de Segurança Pública, v. 9, n. 2, p. 142–159, 2015.

FREEDMAN, T. G. Voices of 9/11 first responders: Patterns of collective resilience. Clinical Social Work Journal, v. 32, n. 4, p. 377–393, 2004.

HENRIQUE, P.; MENDES, D. E. A. Os Heróis De Brumadinho: O Suporte Estatal Aos Bombeiros Decorrentes Ao Maior Desastre Humanitário De Minas Gerais. Percurso - ANAIS DO IV CONLUBRADEC. v. 04, p. 218–221, 2019.

LA BOÉTIE, E. DE. Discurso da Servidão Voluntária. São Paulo: Brasiliense, 1987.

LUIZA CREMASCO, L.;, TERESINHA CID CONSTANTINIDIS, V. A. DA S. A farda que é um fardo: O estresse Profissional na visão de militares do Corpo de Bombeiros. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v. v.16, n. 2, p. 83–90, 2008.

LUVIZON BIANCON DE ALMEIDA, M. Prevalência de estresse pos-traumático em equipes de resgate: uma revisão sistemática. Psicologia, Saúde & Doença, v. 13, n. 2, p. 220–237, 2012.

MIRANDA, A. P. M. DE. Militarização e direitos humanos: gramáticas em disputa nas políticas de segurança. Forum Sociológico, n. 25, p. 11–22, 2014.

NATIVIDADE, M. R. DA. Vidas em risco: a identidade profissional dos bombeiros militares. Psicologia & Sociedade, v. 21, n. 3, p. 411–420, 2009.

PONCIONI, P. Tendências e desafios na formação profissional do policial no Brasil. Revista Brasileira de Segurança Pública, v. 1, n. 1, p. 22–31, 2007.

PRADO, J. S. DO. Estresse e Qualidade de Vida de Bombeiros Militares. Universidade Católica Dom Bosco (Ucdb) Mestrado Em Psicologia Campo Grande-Ms, p. 79, 2011.

RIBEIRO, M. Sociologia dos desastres, Sociologia - Problemas e Práticas. p. 23-43. 1995.

SILVA JÚNIOR, M. F. DA. Agentes de Segurança Pública e suas (Des) Identidades. Blucher Social Sciences Proceedings v. 1, p. 182–187, 2014.

SILVA, Y. C. O preparo para o trabalho de risco. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 20, n. 4, p. 2–15, dez. 2000.

SOARES, L. E.; ROLIM, M.; RAMOS, S. O que pensam os profissionais da segurança pública no Brasil. Ministério da Justiça, p. 105, 2009.

STANLEY, I. H.; HOM, M. A.; JOINER, T. E. A systematic review of suicidal thoughts and behaviors among police officers, firefighters, EMTs, and paramedics. Clinical Psychology Review, v. 44, p. 25–44, 2016.

VALENCIO, N. Desastres, ordem social e planejamento em defesa civil: O contexto Brasileiro. Saude e Sociedade, v. 19, n. 4, p. 748–762, 2010.

VÁZQUEZ, D.; DELAPLACE, D. Políticas Públicas Na Perspectiva De Direitos Humanos : Um Campo Em Construção. SUR - Revista Internacional de Direitos Humanos, v. 8, n. 14, p. 35–65, 2011.

VENDRUSCOLO, S. Interfaces entre a Política Nacional de Recursos Hídricos e a Política Nacional de Defesa Civil , com relação aos Desastres Hidrológicos Simone Vendruscolo Interfaces entre a Política Nacional de Recursos Hídricos e a Política Nacional de Defesa Civil, Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de Santa Catarina. 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-162

Refbacks

  • There are currently no refbacks.