A influência do método canguru no estado de humor e autoestima das mães de recém-nascidos prematuros / The influence of the kangaroo care in the mood state and self-esteem of mothers of preterm infants

Moésio da Silva Mendonça Júnior, Ana Karine Fontenele de Almeida, Elisete Mendes Carvalho, Riany de Sousa Sena

Abstract


Introdução: Apesar de avanços tecnológicos permitirem uma maior sobrevivência de recém-nascidos prematuros (RNPT), podem também dificultar o contato precoce entre a mãe e o bebê, repercutindo negativamente no estado emocional materno.O Método Canguru é uma estratégia de humanização que pode facilitar o contato e o vínculo mãe-filho. Objetivo: Avaliar a mudança do estado de humor e autoestima das mães cujos RNPT encontram-se internados em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) e que são participantes do Método Canguru comparadas as mães que não participam deste método. Métodos: Estudo do tipo quantitativo, observacional e longitudinal, realizado na Maternidade Escola Assis Chateaubriand-MEAC, entre Junho e Setembro de 2018. A amostra foi composta por mães de RNPT internados em UTIN com IG < 37 semanas e que aceitaram participar da pesquisa. A mensuração do estado de humor, autoeficácia e autoestima foram avaliadas através de escalas aplicadas antes e 3 vezes após a aplicação do método canguru ou visita à incubadora. Resultados: Participaram do estudo 60 mães, sendo 30 GI (Grupo Incubadora) e 30 GC (Grupo Canguru), com média de idade de 25,93 ± 6,64 e 23,27 ± 6,94, respectivamente. Observou-se que as mães do GC apresentaram menor tensão, depressão, raiva e confusão mental. Não houve significância clínica (p<0,05) para a variável vigor entre os grupos. A mães do GI apresentaram uma autoestima inferior comparadas as do GC (p<0,05). Quanto a autoeficácia da parentalidade materna, a melhora observada no fator leitura do comportamento foi significativamente maior no GC do que no GI (p <0,05). Conclusão: As mães de RNPT participantes do Método Canguru apresentaram um melhor estado de humor e autoestima comparado às mães que realizaram somente visitas aos seus bebês na incubadora.


Keywords


Método Canguru, Pretermo, Comportamento Materno.

References


Lawn JE, Davidge R, Paul VK, von Xylander S, Graft Johnson J, Costello A et al. Born Too Soon: Care for the Preterm Baby. Reproductive Health. 2013;10(1).

Organização Mundial da Saúde (OMS). Born Too Soon: The Global action report on preterm Birth. 1ª ed. Geneva; 2012.

Darcy AE. Complications of the late preterm infant. J Perinat Neonatal Nurs. 2009; 23(1):78-86.

Sa FE, Sa RC, Pinheiro LMF, Callou FEO. Relações interpessoais entre os profissionais e as mães de prematuros da Unidade Canguru. RBPS. 2010; 23 (2):144-149.

Santos LM dos, Morais RA de, Miranda J de OF, Santana RCB, Oliveira VM, Nery FS. Percepção Materna sobre o contato pele a pele com o prematuro através da posição canguru. Revista de pesquisa: Cuidado é fundamental. 2013;5(1):3504-3514.

Ministério da Saúde (BR). Atenção Humanizada ao Recém-Nascido de Baixo Peso: Método Canguru. 2ª ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2013.

Badiee Z, Faramarzi S, MiriZadeh T. The effect of kangaroo mother care on mental health of mother with low birth weight infants. Adv Biomed Res. 2014; 3; 214.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: Manual Técnico. 5ª ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010.

Carson C, Redshaw M, Gray R, Quigley M. Risk of psychological distress in parents of preterm children in the first year: evidence from the UK Millennium Cohort Study. Bmj Open. 2015; 5(12): 1-9.

Macedo EC, Cruvinel F, Lukasova K, D’Antino ME. The Mood Variation in Mothers of Preterm Infants in Kangaroo Mother Care and Conventional Incubator Care. J Trop Pediatr. 2007; 7(4):344–6.

Angelhoff C, Blomqvis YT, Sahlén Helmer CS, Olsson E, Shorey S, Frostell A, et al Effect of skin-to-skin contact on parents’ sleep quality, mood, parent-infant interaction and cortisol concentrations in neonatal care units: study protocol of a randomised controlled trial. BMJ Open. 2018; 8(7)

Perrelli JG, Zambaldi CF, Cantilino A, Sougey EB. Instrumentos de avaliação do vínculo entre mãe e bebê[Mother-child bonding assessment tools]. Rev Paul Pediatr. 2014; 32(3): 257-65.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: Método Canguru. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Maia F de A, Azevedo VMG de O, Gontijo F de O. Os efeitos da posição canguru em resposta aos procedimentos dolorosos em recém-nascidos pré-termo: uma revisão da literatura. Rev. bras. ter. intensiva . 2011; 23( 3 ): 370-373.

Neves FAM, Freire OMH, Yurie SC, Menezes SL. Assistência humanizada ao neonato prematuro e/ou de baixo peso: implantação do Método Mãe Canguru em Hospital Universitário. Acta paul. Enferm. 2006; 19(3): 349-353.

Lamy ZC, Gomes MA de SM, Gianini NOM, Hennig MA e S. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso - Método Canguru: a proposta brasileira. Ciênc. saúde coletiva. 2005; 10(3): 659-668.

Dalgalarrondo P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2ª ed. São Paulo: Artmed. 2008

Correia LL, Carvalho AEV, Linhares MBM. Conteúdos verbais expressos por mães de bebês prematuros com sintomas emocionais clínicos. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2008, 16(1): 64-70.

Sties S W, Gonzáles A I, Schimitt Netto A, Wittkopf PG, Lima DP, Carvalho T de. Validação da escala de Humor de Brunel para programa de reabilitação Cardiovascular. Rev Bras Med Esporte. 2014; 20(4): 281- 284.

Pechorro P, Marôco J, Poiares C, Vieira RX. Validação da Escala de Auto-estima de Rosenberg com adolescentes Portugueses em contexto forense e escolar. Arq Med. 2011; 25(5-6): 174-179.

Hutz CS, Zanon C. Revisão da adaptação, validação e normatização da escala de autoestima de Rosenberg: Revision of the adaptation, validation, and normatization of the Roserberg self-esteem scale. Aval. psicol. 2011; 10(1): 41-49.

Barnes CR, Adamson-Macedo EN. Perceived Maternal Parenting Self-Efficacy (PMP S-E) tool: development and validation with mother of hospitalized preterm neonates. J Adv Nurs. 2007; 60(5): 550-60.

Tristão RM, Neiva ER, Barnes CR, Adamson-Macedo E. Validação da escala percepção de autoeficácia da parentalidade materna em amostra brasileira. J. Hum. Growth Dev. 2015; 25(3): 277-286.

Spehar MC, Seidl, EMF. Percepções maternas no Método Canguru: contato pele a pele, amamentação e autoeficácia. Psicologia em Estudo, 2013; 18(4): 647-656.

Francisco VL, Pires A, Pingo S, Henriques R, Esteves MA, Valada MJ. A depressão materna e o seu impacto no comportamento parental. Análise Psicológica, 2007; 25(2): 229-239.

Goodman S, Gotlib I. Risk for psychopathology in the children of depressed mothers: a developmental model for understanding mechanisms of transmission. Psychological Review, 1999; 106: 458-490

Esteves M, Pires A, Valada M. (2001). Depressão materna e comportamento parental. In A. Pires (Ed.), Crianças (e pais) em risco (pp. 15-37). Lisboa: ISPA

Teti DM, Gelfand DM, Messinger DS, Isabella R. Maternal depression and the quality of early attachment: An examination of infants, preschoolers, and their mothers. Developmental Psychology, 1995; 31 (3): 364-376.

Conde-Agudelo A, Diaz-rossello JL, Belizan JM. Kangaroo mother care to reduce morbidity and mortality in low birthweight infants. Cochrane Database Syst Ver. 2011; (2):CD002771

. Blomgyist YT, Nygyist KH. Swedish mothers’ experience of continuous Kangaroo Mother Care. J Clin Nurs. 2011, 20 (9): 1472-80.

Feldman R, Eidelman AI, Sirota L, Weller A. Comparison of skin-to-skin (kangaroo) and traditional care: parenting outcomes and preterm infant development. Pediatrics. 2002; 110 (1): 16-26.

Rohlfs ICP de M, Rotta TM, Luft C Di B, Andrade A, Krebs RJ, de Carvalho T. A Escala de Humor de Brunel (Brums): instrumento para detecção precoce da síndrome do excesso de treinamento. Rev Bras Med Esporte. 2008; 14( 3 ): 176-181.

De Oliveira MC, Locks MOH, Girondi JBR, Costa R. Método canguru: percepções das mães que vivenciam a segunda etapa. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, 2015, 7(3): 2939-2948.

Arivabene JC, Tyrrell MAR. Kangoroo mother method: mothers’ experiences and contributions to nursing. Rev Latino-Am Enfermagem. 2010;18(2):262-8

Furman L, Kennell J. Breastmilk and skin-to-skin kangaroo care for premature infants. Avoid bonding failure. Acta Paediatr. 2000; 89: 1280-3.

Santos MH, de Azevedo Filho FM. Benefícios do método mãe canguru em recém-nascidos pré-termo ou baixo peso: uma revisão da literatura. Universitas: Ciências da Saúde. 2016. 14 (1): 67 -76.

Heck GMM, Lucca HC, Costa R, Junges CF, Santos SV, Borck M. Compreensão do sentimento materno na vivência no método canguru. Revista de Enfermagem da UFSM, 2016 6 (1): 71-83 3028- Hunt FH. The importance of kangaroo care on infant oxygen saturation levels and bonding. J Neonatal Nurs. 2008; 14:47–51.

Hunt FH. The importance of kangaroo care on infant oxygen saturation levels and bonding. J Neonatal Nurs. 2008; 14:47–51.

Ribas JR R de C, de Moura MLS, Hutz CS. Adaptação brasileira da Escala de Desejabilidade Social de Marlowe-Crowne. Aval. psicol. 2004; 3(2): 83-92.

Kazi AM, Khalid W. Questionnaire dessinging and validation. J Pak Med Assoc. 2012; 62(5): 514-6.

Pereira LM, Viera CS, Toso BRG de O, Carvalho AR da S, Bugs B M. Validação da escala Índice de Estresse Parental para o português do Brasil. Acta paul. Enferm. 2016; 29(6): 671-677.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-160

Refbacks

  • There are currently no refbacks.