Análise de componentes da fruta-de-lobo (solanum lycocarpum st. Hil.) visando sua utilização na alimentação humana ou pela indústria de alimentos / Analysis of components of wolf’s fruit (solanum lycocarpum st. Hil.) classic its use in human nutrition or by the food industry

Arthur Vinícius Lopes Gonçalves, Vanessa Caroline de Oliveira, abrícia Queiroz Mendes, Paulo Sérgio Monteiro

Abstract


A fruta-de-lobo (Solanum lycocarpum St. Hil.), popularmente conhecida como lobeira, é um fruto da família Solanaceae e pertence ao bioma cerrado, que ocupa uma grande área do território brasileiro. Ela cresce e se desenvolve em condições ambientais desfavoráveis do tipo cerrado e campo sujo. Diversos componentes constituintes da fruta-de-lobo, como pectina, amido, compostos fenólicos, vitamina C e fósforo podem ter importância nutricional ou tecnológica. Este trabalho teve como objetivo quantificar alguns dos constituintes da fruta-de-lobo, a fim de mostrar que o fruto apresenta propriedades importantes na tecnologia e no processamento de alimentos, de forma que pode ser inserido na alimentação humana. Após a coleta dos frutos da fruta-de-lobo, os mesmos foram secos em estufa com circulação forçada de ar a 60°C por 12 horas e o material obtido foi moído em liquidificador para obtenção de uma farinha fina. A partir da farinha de lobeira obtida, foi realizada a análise referente à extração de pectina. Nas análises de determinação de fósforo e vitamina C foram analisados três diferentes tipos de farinha de lobeira: farinha da polpa do fruto maduro com a retirada das sementes; farinha da polpa do fruto de vez com a retirada das sementes e; farinha da polpa do fruto maduro sem a retirada das sementes. A determinação da atividade de PPO do fruto foi feita a partir da polpa do fruto maduro. Foi feita também a determinação da umidade das farinhas de lobeira e do fruto. No processo de extração de pectina, a variável tempo não teve influência sobre o rendimento, ao contrário do pH, que foi o principal fator que afetou o rendimento da extração de pectina, sendo o máximo de rendimento obtido (46,38%) no valor máximo de pH testado (2,75). A fruta-de-lobo apresentou baixa atividade de PPO, e foi observado que ocorreu a diminuição da atividade enzimática, de acordo com o aumento do grau de maturação do fruto analisado. Com relação às análises de vitamina C e fósforo verificou-se que ocorreu decréscimo nos teores desses nutrientes presentes no fruto com o aumento do grau de maturação e que o fruto é fonte de vitamina C (116,78 mg / 100 g de fruto). A farinha que continha sementes em sua composição apresentou maior teor desses nutrientes quando comparada às demais farinhas. De acordo com os resultados obtidos, a fruta-de-lobo pode ser inserida na alimentação humana ou e possui propriedades importantes que favorecem sua utilização pela indústria de alimentos.


Keywords


Fruta-de-lobo; lobeira; farinha; pectina.

References


AMES, B. N. DNA damage from micronutrient deficiencies is likely to be a major cause of cancer. Mutation Research, 475 (1-2):7-20, 2001.

AOAC - ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS. Official Methods of Analysis of The Association of Official Analytical Chemists. ARLINGTON: A.O.A.C., 1994, 1141 p.

BEER, D. et al. Antioxidant activity of South African red and white cultivar wines: Free radical scavenging. Journal of Agricultural and Food Chemistry, 51 (4):902-909, 2003.

BERNER, W.; KINNE, R.; MURER, H. Phosphate transport into brush-border membrane vesicles isolated from rat small intestine. Biochemical Journal, 160 (3): 467-474, 1976.

BRASIL. Resolução RDC n° 269, de 22 de setembro de 2005. Regulamento técnico sobre a ingestão diária recomendada (IDR) de proteína, vitaminas e minerais. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, Brasília, DF, 2005.

BRASIL, Ministério da Saúde. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 263, de 22 setembro de 2005. Regulamento técnico para produtos de cereais, amidos, farinhas e farelos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 de setembro de 2005.

CAMPOS, J. M. O eterno plantio: um reencontro com a natureza. São Paulo: Editora Pensamento, 1994. 250 p.

CHITARRA, M. I. F.; CHITARRA, A. B. Pós-colheita de frutas e hortaliças: fisiologia e manuseio. Lavras Ed. UFLA, 2005, 785 p.

CORRÊA, M. P. Dicionário de plantas úteis do Brasil e exóticas cultivadas. Brasília: Ministério da Agricultura/Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal, 1984. v. 6. 1690p.

COSTA, N. M. B. Minerais. In: COSTA, N. M. B.; PELUZIO, M. C. G. Nutrição Básica e Metabolismo, Viçosa: Editora UFV, 2008, p. 263-359.

DALL’AGNOL, R.; VON POSER, G. L. The use of complex polysaccha-rides in the management of metabolic diseases: the case of Solanum lycocarpum fruits. Journal Ethnopharmacol, 71 (1-2):337-341, 2000.

DELMAS, D.; JANNIN, B.; LATRUFFE, N. Resveratrol: Preventing properties against vascular alterations and ageing. Molecular Nutrition. Food Research, 49 (5):377-395, 2005.

FREITAS, C. M. P. de; COSTA, A. R. da; RODRIGUES, F. de A.; JÚNIOR, M. M de J.; DIAS, M. M. dos S.; SOUSA, R. de C. S. de. Brazilian Journal of Development, 6 (5):25609-25625, 2020.

GOMES, J. C.; OLIVEIRA, G. F. Análises físico químicas de alimentos. Viçosa: Ed. UFV, 2011, 303 p.

KALAPATHY, U.; PROCTOR, A. Effect of acid extraction and alcohol precipitation conditions on the yeld and purity of soy hull pectin. Food Chemistry, 73 (4):393-396, 2001.

KARAKAYA, S. Bioavailability of phenolic compounds. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, 44 (6): 453-464, 2004.

KLIEMANN, E. et al. Optimization of pectin acid extraction from passion fruit peel (Passiflora edulis flavicarpa) using response surface methodology. International Journal of Food Science and Technology, 4 (3):476-483, 2009.

LEE, S. K.; KADER, A. A. Preharvest and postharvest factors influencing vitamin C content of horticultural crops. Postharvest Biology and Technology, 20(3): 207-220, 2000.

MAY, C. D. Pectins. In: PHILLIPS, G. D.; WILLIANS, P. A. (ed). Handbook of Hydrocolloids. Boca Raton: CRC Press, 2000. p. 169-188.

MUNHOZ, C. L.; SANJINEZ-ARGANDOÑA, E. J.; SOARES-JÚNIOR, M. S. Extração de pectina de goiaba desidratada. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 30 (1):119-125, 2010.

NISHIKIMI, M. R et al. Cloning and chromosomal mapping of the human nonfunctional gene for L-gulono-gamma-lactone oxidase, the enzyme for L-ascorbic acid biosynthesis missing in man. Journal of Biological Chemistry, 269 (18):13685-13688, 1994.

NINFALI, P. et al. Antioxidant capacity of vegetables, spices and dressings relevant to nutrition. British Journal of Nutrition, 93 (2):257-266, 2005.

OLIVEIRA JÚNIOR, E. N. et al. Análise nutricional da fruta-de-lobo (Solanum lycocarpum St. Hil.) durante o amadurecimento. Ciência e Agrotecnologia, 27 (4):846-851, 2003.

OLIVEIRA JÚNIOR, E. N. et al. Alterações pós-colheita da “fruta-de-lobo” (Solanum lycocarpum st. hil.) durante o amadurecimento: análises físico-químicas, químicas e enzimáticas. Revista Brasileira de Fruticultura, 26 (3): 410-413, 2004.

PELUZIO, M. C. G.; OLIVEIRA, V. P. Vitaminas. In: COSTA, N. M. B.; PELUZIO, M. C. G. Nutrição Básica e Metabolismo, Viçosa: Editora UFV, 2008, p. 209-262.

SEGGIANI, M. et al. Effect of different extraction and precipitation methods on yield and quality of pectin. International Journal of Food Science and Technology, 44 (3):574-580, 2009.

SOARES, S. E. Ácidos fenólicos como antioxidantes. Revista de Nutrição, 15 (1): 71-81, 2002.

SILA, D. N. et al. Pectins in processed fruits and vegetables: Part II – Struture-function relationships. Comprehensive Reviews in Food Science and Food Safety, 8 (2):86-104, 2009.

SILVA, A. M. L.; MARTINS, B. A.; DEUS, T. N. Avaliação do teor de ácido ascórbico em frutos do cerrado durante o amadurecimento e congelamento. Estudos, 36 (11-12):1159-1169, 2009.

SILVA, J. A. et al. Frutas nativas dos cerrados. Brasília: EMBRAPA, 1994. 166 p.

VANINI, L. S.; KWIATKOWSKI, A.; CLEMENTE, E. Polyphenoloxidase and peroxidase in avocado pulp (Persea americana Mill.). Ciência e Tecnologia de Alimentos, 30 (2):525-531, 2010.

WILLATS, W. G. T.; KNOX, P.; MIKKELSEN, J. D. Pectin: new insights into an old polymer are starting to gel. Trends in Food Science & Technology, 17 (3):97-104, 2006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-137

Refbacks

  • There are currently no refbacks.