Repercussões das representações sociais da epilepsia na constituição da identidade social de adolescentes com epilepsia de difícil controle / Repercussions of social representations of epilepsy on the social identity constitution of adolescents with difficult-control epilepsy

Regina Silvia Alves de Lima, Sueli Rizzutti

Abstract


A epilepsia é a doença neurológica crônica mais comum, embora possa ser grave, e causada por diversas etiologias. É definida como uma condição de saúde caracterizada por crises recorrentes, apresentando episódios motores, sensoriais ou autonômicos, com ou sem perda de consciência e tem consequências neurobiológicas, cognitivas, psicológicas e sociais que prejudicam diretamente a qualidade de vida do indivíduo. Esta pesquisa qualitativa exploratória buscou identificar e conhecer como se constituem, na opinião dos adolescentes com epilepsia e seus familiares, as representações sociais da epilepsia na composição da identidade social desses indivíduos. O método utilizado foi por meio de estudo dos prontuários; aplicação de questionário estruturado; visita domiciliar e entrevista semiestruturada com o paciente e familiares. Os resultados foram analisados por instrumento de avaliação a análise de conteúdo, que possibilitou elencar seis categorias para aprofundamento e correlação dos dados. Foram obtidos como resultados: o detalhamento de quais seriam as principais representações sociais inerentes ao preconceito e estigma relacionadas as epilepsias no universo dos adolescentes estudados; qual o impacto das representações na identidade pessoal e social destes, em suas dinâmicas familiares, nas situações de perda de alteridade.


Keywords


Epilepsia, Representações Sociais, Estigma, Preconceito, Adolescência, Identidade Social.

References


ABLON, J. The nature of stigma and medical conditions. Epilepsy & Behavior, v. 4, n. 6, suplemento 2, p. 2-9. 2002.

ALVES, J.L.; SEGADILHA, D.M.F.; SANTOS, I.S.; Culturas escolares e representações sociais: possibilidades de inter-relações? Brazilian Journal of Development, Curitiba,v.7,no,p.54330-31, Junho 2021.

ALBUQUERQUE, M. Epilepsias parciais de difícil tratamento: aspectos psicossociais (Tese de Doutorado) - Universidade Federal de São Paulo, São Paulo. 1993.

ALVES, P. C.; MINAYO, M. C. S., orgs. Saúde e doença: um olhar antropológico. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ. 1994.

AMARO, S. Visita domiciliar: teoria e prática / Santo Amaro, 1ª ed., Papel Social, Campinas, SP. 2014.

ARRUDA, A. Uma abordagem processual das representações sociais sobre o meio ambiente. IN: ARRUDA, A. (org). Olhares sobre o contemporâneo: representações sociais de exclusão, gênero e meio ambiente. João Pessoa, UFPB. 1993

AUSTIN, J. K., A model of family adaptation to new-onset childhood epilepsy. Journal of Neuroscience Nursing, v. 28, p. 82-92. 1996.

______; CAPLAN, R. Behavioral and psychiatric comorbidities in pediatric epilepsy: toward an integrative model. Epilepsia, v. 48, p. 1639-1651. 2007.

BAKHTIN, M. Metodologia das ciências humanas. In: Estética da criação verbal. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003 [1959-61]. Tradução: Paulo Bezerra. Coleção Biblioteca Universal. pp. 393-410

BARDIN L. Análise de conteúdo. 70. ed. Lisboa, Portugal: Editora Edições, p. 279-93. 2011.

BOCK, A. M. B.(org). Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. 13. ed. São Paulo: Saraiva. 1999.

CHARAUDEAU, P. Identidade social e identidade discursiva, o fundamento da competência comunicacional. In: PIETROLUONGO, Márcia. (Org.). O trabalho da tradução. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009, p. 309-326. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2016.

DUMAS, M.; GIORDANO, C. l’epilepsie. Paris: Hermann, éditeurs des sciences et des arts. 1993

ELGER, C. E.; SCHMIDT, D. Modern management of epilepsy: a practical approach. Epilepsy & Behavior, v. 12, n. 4, p. 501-39. 2008.

ERIKSON, E. H. Identidade, juventude e crise. 2. ed. Rio de Janeiro: Zaahar. 1972.

FARR, R. M. Representações sociais: a teoria e sua história. In: GUARESCHI, P;

JOVCHELOVTIH, S. Textos em Representações Sociais. Petrópolis: Editora Vozes, p. 31-59. 1994.

FERNANDES, J. G. SCHMIDT, M. I.; TOZZI, S.; SANDER, J. W. A. S. Prevalence of epilepsy: the Porto Alegre study. Epilepsia, v. 33, p. 132. 1992.

GOFFMAN E; A representação do eu na vida cotidiana. Rio de Janeiro: Vozes. 1975.

_______, Estigma. 4. Ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara. 1988.

JACOBY, et al. Meanings of epilepsy in its sociocultural context and implications for stigma: findings from ethnographic studies in local communities in China and Vietnam. Epilepsy & Behavior, v. 12, n. 2, p. 286-97. 2008.

JODELET, D. Représentation sociale: phenomenos, concept e theorie. In: MOSCOVICI, S. (Org). Psicologie sociale. Trad. de B. Gonties. Paris: PUF, Cap. 13, p. 357-378, 1984.

KWAN,P.; BRODIE,M.J. Early identification of refractory epilepsy. N Engl J Med., v.342,n.5,p.314-9.2000.

LINEHAN, C., et al. Future directions for epidemiology in epilepsy. Epilepsy & Behaviour, v. 22, p. 112-17. 2011.

MCLIN, W. M.; DE BOER, H. M. Public perceptions about epilepsy, Epilepsia, v. 36, n. 10, p. 957-959. 1995.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento. São Paulo, Hucitec, 2008.

MOSCOVICI, S. La Psychanalyse, son image, son public. Paris: PUF. 1961.

______, S. Psicologie sociale. Trad. de B. Gonties. Paris: PUF. 1984.

______, S. Representações sociais: investigações em psicologia Social. Trad. Pedrinho A. Guareschi. 6. Ed. Petrópolis: Vozes. 2009.

______, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2010.

NEVES, M. de. Em primeira pessoa: escritos autobiográficos de pacientes com epilepsia no Brasil do século XIX. Simpósio Satélite de Epilepsia. Liga Brasileira de Epilepsia. 2009.

PAPALIA, D. O. S.; FELDMAN, R. Desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed. 2006.

PINSKY, J. Doze faces do preconceito. São Paulo: Contexto. 1999.

QUIROGA, F. L.; VITALLE, M. S. de S. O adolescente e suas representações sociais: apontamentos sobre a importância do contexto histórico. Physis, v. 23, n. 3, p. 863-878. 2013.

SCHEFFER, I. E; BERKOVIC, S.l; CAPOVILLA, G. Classificação das epilepsias da ILAE: Relatório da Comissão de Classificação de Terminologia da ILAE. Epilepsia,58 (4):512-521,2017

SCOTT, R. A.; LHATOO, S. D.; SANDER, J. Policy and practice the treatment of epilepsy in developing countries: where do we go from here? Bull. World Health Organ., v. 79, p. 344-51. 2001.

SILVA, T. T. (Org).; HALL, S.; WOODWARD, K. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. A PRODUÇÃO SOCIAL DA IDENTIDADE E DA DIFERENÇA, p-76; Petrópolis: Vozes. 2000.

SONTAG, Susan. A doença como metáfora. Rio de Janeiro: Editora Graal. 1984.

TRIMBLE, M. R.; REYNOLDS, E. H. Epilepsy, behavior and cognitive function. New York: John Wiley & Sons. 1987.

WODRICH, D. L. Disclosing information about epilepsy and type 1 diabetes mellitus: the effect on teachers' understanding of classroom behavior. School Psychology Quarterly, v.20, p. 288-303. 2005




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-133

Refbacks

  • There are currently no refbacks.