Entre disciplina e controle: corpos construídos pelo modo de produção capitalista / Between discipline and control: bodies built by the capitalist mode of production

Paula Pamplona Beltrão da Silva

Abstract


O mercado de trabalho é um ambiente construído pelo capital no qual ocorrem, periodicamente, transformações. Esse artigo tem por objetivo trabalhar o tema da precarização do trabalhador no Brasil abordando o modo como a escravidão, enquanto fato social, influenciou a organização social até o século XIX e como características atinentes a este modo de produção ainda influenciam os mecanismos de dominação no século XXI, sobretudo a construção de corpos neutros, dóceis, vivos ou mortos. O delineamento proposto no artigo é de base exploratória, a metodologia de abordagem é hipotético-dedutiva, partindo da teoria ao particular e retornando à teoria, no sentido de reanalisar sua aplicação no contexto diferente daquele no qual a teoria foi produzida. O método de procedimento foi monográfico, com a revisão bibliográfica pertinente ao tema. Foucault aborda o fenômeno da disciplina e do controle como distintos, contudo, relacionados, e assim é o entendimento neste artigo, de que a precarização não é um fenômeno plasmado em uma única característica, mas tal como um buraco negro ela absorve uma série de métodos, processos e técnicas que trabalham o indivíduo, tanto o homem-corpo quanto o homem vivo para regulamentar a exploração do trabalho.


Keywords


Escravidão, Corpos, Disciplina, Controle, Exploração do trabalho.

References


ANDERSON, Kevin, B. Marx nas margens: nacionalismo, etnia e sociedades não ocidentais. Tradução Allan M. Hillani, Pedro Davoglio. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

BAUMAN, Zygmunt. Vigilância líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

BELL, Daniel. El advenimiento de la sociedad post-industrial: un intento de prognosis social. Espanhã: Alianza Editorial, 2001.

BRAGA, Ruy. A política do precariado: do populismo à hegemonia lulista. São Paulo: Boitempo Editorial, 2012.

CARDOSO, Alberto. A construção da sociedade do trabalho no Brasil: uma investigação sobre a persistência secular das desigualdades. 2 ed. Rio de Janeiro: Amazon, 2019.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 25ª ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2019.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Tradução Mariana Echalar. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

DELEUZE, Gilles (1994), “Post-Scriptum sobre as sociedades de controle”, in Gilles Deleuze, Conversações. São Paulo: Editora 34, p. 221-224.

DOYAL, Len; GOUGH, Ian. Teoría de las necessidades humanas. Barcelona: Icaria, 1994.

DRUCK, Graça (org.); FRANCO, Tânia (org.). Borges, Ângela... [et al.]. A perda da razão social do trabalho: terceirização e precarização. São Paulo: Boitempo, 2007.

DYER-WITHEFORD, Nick. Cyber-proletariat: global labour in the digital vortex. London: Pluto Press, 2015.

FERNANDES, Florestan. O negro no mundo dos brancos. 2. ed. rev. São Paulo: Global, 2007.

FERRY, Luc. Aprendendo a viver: filosofia para os novos tempos. Tradução: Vera Lúcia dos Reis. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

FOUCAULT, Michael. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Tradução MARIA Ermantina Galvão. Martins Fontes: São Paulo, 2005.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução Raquel Ramalhete. 42. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GONÇALVES, Maria da Graça M. Psicologia, subjetividade e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 2010.

GORENDER, Jacob. Brasil em preto e branco. São Paulo: Senac, 2000.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 27ª ed. São Paulo: Companhia das letras, 2014.

HORKHEIMER, Max. Teoria Tradicional e Teoria Crítica. In BENJAMIN, Walter; HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor; HABERMAS, Jürgen. Textos escolhidos (Col. Os Pensadores, Vol. XLVIII, pp. 117-161). São Paulo: Abril Cultural, 1980.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Conheça o Brasil- População: cor ou raça. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18319-cor-ou-raca.html. Acesso em: 2 jul. 2021.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101681_informativo.pdf. Acesso em: 2 de jul. 2021.

JÚNIOR, José Izidoro Martins. História do direito nacional. Rio de Janeiro: Typographia da Empreza Democrática Editora, 1895.

LOSURDO, Domenico. Contra-história do liberalismo. Tradução para a língua portuguesa Giovanni Semeraro. Aparecida, SP: Idéias & Letras, 2006.

LUKÁCS, György. História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARX, Karl. ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista. 1 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, Karl. A miséria da filosofia. Tradução de José Paulo Netto. São Paulo: Global, 1985.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: livro I: o processo de produção do capital. Tradução Rubens Enderle 2 ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

NADER, Paulo. Introdução ao estudo do direito. Rio de Janeiro: Forense, 2005.

PAULO III, Papa. Bula veritas ipsa. Disponível em: Acesso em 12/08/2020.

REGO, Waldeloir. Capoeira Angola: ensaio sócio-etnográfico. Salvador: Editora Gráfica Lux, 1968.

SAVATER, Fernando. As perguntas da vida. Tradução Monica Stahel. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SILVA, Sandoval Alves da. O Ministério Público e a concretização dos direitos humanos. Salvador: Juspodivm, 2016.

SMITH, Adam. Lecture on jurisprudence. Disponível em: < https://www.adamsmithworks.org/texts/part-i-of-justice> Acesso em 16/08/2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-122

Refbacks

  • There are currently no refbacks.