A esquiva de mulheres na direção de veículos / The avoidance of women driving vehicles

Joyce Christine da Costa Dias, Cibelly Pedroso Costa, Julio Cesar Pinto de Souza

Abstract


O presente trabalho teve como objeto de estudo as mulheres que procuram treinamento para desenvolver suas habilidades de direção mesmo já sendo habilitadas a conduzir um veículo. O objetivo desta pesquisa consiste em compreender os motivos que levam as mulheres a não conseguirem conduzir um automóvel após a obtenção da Carteira Nacional de Habilitação. Trata-se de uma pesquisa com abordagem qualitativa-quantitativa, de caráter explicativo e de campo. O instrumento utilizado foi um questionário com perguntas objetivas e abertas as quais tiveram suas respostas analisadas por meio da estratégia estatístico-descritiva e da análise do conteúdo. Os resultados apontam que fatores como a ansiedade no volante, o medo de provocar acidentes, traumas devido a acidentes e questões socioculturais, levam as mulheres a ficarem receosas ao dirigir no trânsito. Deve-se, ainda, considerar que a pressão e desrespeito de outros condutores e o menosprezo e inferiorização provocados por familiares e cônjuges também contribuem para esse receio em dirigir.

 

 


Keywords


mulheres, Carteira Nacional de Habilitação, medo, ansiedade.

References


ALMEIDA, A. B. Lidando com os sintomas de ansiedade e medo de dirigir: uma proposta de intervenção. Orientadora: Renata Trigueirinho Alarcon. 2017. Monografia (especialização) - Centro de Estudos em Terapia Cognitivo-Comportamental (CETCC), São Paulo, 2017.

ANTONELLO, C. A. et al. BARCELOS, O. O impacto da violência do trânsito no Brasil: necessidade de conscientização do perigo nas estradas. FADISMA ENTREMENTES – Anais da Semana Acadêmica, 2. ed., 2014.

BARP, M.; MAHL, A. C. Amaxofobia: um estudo sobre as causas do medo de dirigir.

Unoesc & Ciência. Joaçaba: SC, v. 4, n. 1, p. 39-48, jan/jun. 2013.

BELLINA, C. Dirigir sem medo. 3. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2012.

BORGES, C. D.; SPIENDLER, S. Y. Psicologia do trânsito: perspectivas atuais do psicólogo brasileiro em atuação no trânsito. Revista Saúde e Desenvolvimento Humano, Canoas: RS, v. 8, n. 1, p. 2-10, jul/jan. 2020

BOTTEGA, S. Mulher no volante: entre o medo e a confiança. Orientadora: Suzana da Rosa Tolfo. 2016. Monografia (Centro de Filosofia e Ciências Humanas) – UFSC, Instituto de Estudo de Gênero Curso de Especialização EaD, Santa Catarina/Florianópolis. 2016.

CAMPOS, C. J. G. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Rev. Bras. Enferm, Brasília: DF, v. 57, n. 5, p. 611-614, set/out. 2004.

CANTINI, J. A.; et.al. SILVA, A. C. Medo e evitação na direção de veículos: características de motoristas que nunca dirigiram após obtenção da Carteira Nacional de Habilitação. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. Rio de Janeiro, n. 62, v. 2, p. 124-130, dez/abril. 2013.

CORASSA, N. Vença o medo de dirigir: Como superar-se e conduzir o volante da própria vida. 2 ed. São Paulo: Editora Gente, 2006.

CRUZ, C. Reestruturação Cognitiva. 2018. Disponível em: https://psicologaclaudiacruz.com/areas-de-atuacao/reestruturacao-cognitiva/. Acesso em: 3 jul. 2021.

DUARTE, L. F. O nervosismo como categoria nosográfica no começo do século XX. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.17, n.2, p.313-326, dez, 2010.

FIUZA, W. M.; GODOY, R.F. Questões de gênero associadas ao medo de dirigir. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde. vol. 10, n. 1, p. 198-206, jan. 2020.

FONSECA, G. Dicas de Trânsito – Para um Trânsito Melhor e Mais Seguro. 2021. Disponível em: https://doutormultas.com.br/dicas-transito/. Acesso em: 03, jul. 2021.

FREITAS, A. C. Transtorno de Estresse Pós-Traumático. Revista Jurídica Digital. vol .5, n. 7, p. 177-189, set. 2017.

GIL, C. A. Como elaborar projetos de pesquisa. 4º. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GRACINDO, C. B. 2018. Fobia de dirigir: descrição do perfil epidemiológico de quem procura ajuda e de quem é malsucedido no tratamento. Dissertação de Mestrado. (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo). São Paulo: SP. 2018.

GUILHARDI, H. J. Auto-estima, autoconfiança e responsabilidade. 2002. Disponível em: https://itcrcampinas.com.br/pdf/helio/Autoestima_conf_respons.pdf. Acesso em: 1 jul. 2021

HOFFMANN, M. H.; CRUZ, R. M.; ALCHIERI, J. C. Comportamento humano no trânsito. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

MEDEIROS, E. L.; et.al.; GOUVEIA, Y.B. Estresse e comportamento de risco no trânsito. João Pessoa. Temas em Saúde. v. 18, n. 1, p. 31-50, 2018.

MELO, J. P. B.; SOUZA, P. R. P. A educação para o trânsito no Brasil. Brazilian Journal of Development. Curitiba, v.7, n.7, p. 66094-66105 jun/jul. 2021.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

MOGNON, J. F.; SANTOS, A. A. A.; MARTINS, S. C. Avaliação e intervenção para o medo

e fobia de dirigir: revisão da literatura. Contextos Clínicos. v. 10, n.1, p. 85-98, jan/jun, 2017.

NAVA, K. S.; ALMEIDA, H. R. A. Transtorno de ansiedade generalizada: intervenções da terapia cognitivo-comportamental. 2020. Disponível em: https://fapb.edu.br/wp-content/uploads/sites/13/2020/02/ARTIGO_TRANSTORNO-DE-ANSIEDADE-GENERALIZADA-INTERVEN%C3%87%C3%95ES-DA-TERAPIA-COGNITIVO-COMPORTAMENTAL-1.pdf. Acesso em: 23, jun. 2021.

PASTORE, R. Sem Medo de Dirigir. 2. ed. São Paulo: Alaúde, 2008.

PAULA, T. Estatística descritiva. 2019. Disponível em: http://www.capcs.uerj.br/estatistica-descritiva/. Acesso em: 21 de junho. 2021.

POLIT, D. F.; BECK, C. T.; HUNGLER, B. P. Fundamentos de pesquisa. 5ª ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2004.

POLLI, G. M.; THIELEN, I. P.; HARTMAN, R. C.; SOARES, D. P. Excesso de velocidade no trânsito: análise sob a perspectiva da moralidade. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 30, n. 1, p. 86-97, 2010.

RODRIGUES, F. A.; et al. Psicologia do trânsito: comportamento agressivo do motorista. 2015. Disponível em: https://portaldeperiodicos.unibrasil.com.br/index.php/anaisevinci/article/view/325/309. Acesso em: 23, jul. 2021.

SANTOS, L. O. O medo contemporâneo: abordando suas diferentes dimensões. Psicologia Ciência. v. 23, n. 2, p. 48-55, jun. 2003.

SARTORELLI, M. G.; VANZELLA, M. S. Responsabilidade civil em acidentes de trânsito e a possibilidade de aplicação da teoria do risco em prol da vítima. Universitas. v. 5, n. 9, p. 81-106, jul/dez, 2012.

SILVA, A. M. K.; TRENHAGO, J. Mulheres com medo de dirigir: um olhar além das aparências. 2015. Disponível em: https://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0371.pdf Acesso em: 27 abril. 2021.

STRAUB, R. O. Psicologia da saúde. Porto Alegre: Artmed, 2005.

TEBALDI, E.; FERREIRA, V. R. T. Comportamento no trânsito e causas da agressividade. Revista de Psicologia da UnC, v. 2, n.1, p. 15-22, 2004.

TRÂNSITO WEB. O estresse no trânsito e sua relação com a saúde. 2011. Disponível em:

http://www.transitoweb.com.br/news_stories/19-o-estresse-no-tr-nsito-e-sua-rela-o-com-a-sa-de>. Acesso em: 22, jun. 2016.

VIECILI, J. Ansiedade e comportamento de dirigir. Comportamento Humano no Trânsito. 3. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

VIOLA, T. W., et,al GRASSI-OLIVEIRA, R. Trauma complexo e suas implicações diagnósticas. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 3, n. 1, p. 55-62. 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-107

Refbacks

  • There are currently no refbacks.