Hospitalizações por pneumoconioses no Sudeste Brasileiro, entre 2011 e 2020 / Hospitalization for pneumoconiosis in Southeast Brazil, between 2011 and 2020

Daniel Madeira Cardoso, Luiza Gomes Galvão, Roberta Pamplona Frade Madeira, Michele Lima Leite, Ariana Pinheiro Caldas, Maria Eduarda Rodrigues Barboza, Lourranny Gomes Pena Almeida, Luiza Fernandes Nonato, Vitor Oliveira Alves, Felipe Feliciano Lana, Lucas Capita Quarto

Abstract


As pneumoconioses são um grupo de pneumopatias irreversíveis causadas pela inalação de partículas tóxicas em ambiente de trabalho. Essas moléstias podem cursar com insuficiência respiratória crônica, tuberculose, taxas expressivas de hospitalização, uso prolongado de medicações, além do afastamento obrigatório da ocupação. O objetivo do presente trabalho consiste em analisar as internações hospitalares por pneumoconioses na Região Sudeste, entre os anos de 2011 e 2020. Trata-se de um estudo ecológico a partir de dados secundários de domínio público vinculados ao Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SIH/SUS). Totalizaram-se 1.953 internações, das quais o menor número foi registrado em 2011 (n=123; 6,2%), enquanto o maior foi em 2019 (n=284; 14,5%). Notou-se correlação entre o avance do tempo e o aumento no número de atendimentos (p=0,014; r2=0,7406), o que aponta para tendências futuras de novas hospitalizações. Houve destaque para o caráter de urgência (n=1.798; 92,1%); estados de São Paulo (n=708; 36,3%) e Minas Gerais (n=704; 36,0%); sexo masculino (n=1.260; 64,5%); e faixas etárias 50 a 59 anos (n=383; 19,6%) e 60 a 69 anos (n=379; 19,4%). Além disso, 242 casos evoluíram para óbito (letalidade hospitalar de 12,4%). O perfil de distribuição de óbitos concentrou-se no Rio de Janeiro (n=84; 34,7%) e São Paulo (n=81; 33,5%); homens (n=153; 63,2%); e idade 80 anos ou mais (n=65; 26,9%). Observaram-se 3 vezes mais chances de óbitos em  pessoas com idade 80 anos ou mais (95%IC=2,2-4,2; p<0,0001); além de 2 vezes mais chances de óbito entre casos residentes no Rio de Janeiro (95%IC=1,6-2,8; p<0,0001). Em contrapartida, houve menores chances de falecimento entre internados com faixa etária de 20 a 29 anos (OR=0,2; 95%IC=0,07-0,7; p=0,0033) e provenientes de Minas Gerais (OR=0,6; 95%IC=0,4-0,8; p=0,0015). No que concerne aos gastos, totalizaram-se R$2.688.871,22. Portanto, com a finalidade de reduzir internações, óbitos e custos é imperativa a implementação de intervenções. Ações de educação em saúde direcionadas à prevenção de agravos e ao esclarecimento da importância do uso de equipamentos de proteção individual são essenciais. Indica-se ainda a maior fiscalização das empresas; e a detecção e conduta precoces para melhor prognóstico do paciente por meio da realização anual de radiografias de tórax e bienal de testes de função pulmonar.

 


Keywords


Pneumoconioses, Epidemiologia, Assistência hospitalar.

References


ALVES, B.P.V. et al. Pneumoconiose em trabalhadores de carvoaria: um relato de caso. Revista Eletrônica Acervo Saúde / Electronic Journal Collection Health, Montes Claros, v. 19, n. 295, p. 1-5, 2019.

BARBER, C. M. Epidemiologia da silicose: relatórios do esquema SWORD no Reino Unido de 1996 a 2017. Occupational & Environmental Medicine, v. 76, n. 1, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde do Brasil. Sistema de Informações Hospitalares Do SUS (SIH/ SUS) [Internet]. Brasil. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sih/cnv/niuf.def Acessado em 27 de julho de 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Pneumoconioses. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. NHO-08: Coleta de Material Particulado Sólido Suspenso no Ar de Ambientes de Trabalho. Fundacentro. Brasília, 2009.

BRASIL. Portaria n°3214 de 06/06/1978, Norma Regulamentadora 06 – Equipamento de Proteção Individual. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 06 de Jul. 1978.

BRASIL. Portaria n°3214 de 06/06/1978, Norma Regulamentadora 15 – Atividades e Operações Insalubres. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 06 de Jul. 1978.

CARDOSO, D.M. et al. Pneumoconioses: caracterização da produção científica mundial indexada à base scopus entre os anos de 2011 e 2020. Brazilian Journal of Development. v.7, n.4, p. 35422-35435, 2021.

CARDOSO, D.M.; GOMIDES, T.A.R. Contexto clínico-epidemiológico dos casos de hanseníase notificados em Governador Valadares, Minas Gerais, entre 2015 e 2019. Saúde (Santa Maria). v.26, n.2: e44459, p.1-12, 2020.

CARDOSO, D.M; QUARTO L.C; MANHÃES, F.C. Estudo Das Pneumoconioses Por Internação Hospitalar No Brasil: Doenças De Impacto À Engenharia De Segurança Do Trabalho. Pesquisas Interdisciplinares nas Engenharias, 1. ed. Piracanjuba: Editora Conhecimento Livre, cap. 1, p. 8-18, 2020.

CURTY, C.A.A. et al. Perfil das hospitalizações por pneumoconiose em Minas Gerais – Brasil: um estudo observacional. In: QUARTO, L.C.; CARDOSO, D.M.; MANHÃES, F.C. (organizadores). Saúde do Trabalhador: uma abordagem pluralista. Editora Conhecimento Livre, p.210-227; 2020.

GALLEGUILLOS, S. N. et al. La silicosis: ¿un problema de salud pública prioritario para Chile? Rev Chil Enf Respir, v. 31, p. 39-47, 2015.

KRUG, S.B.F; CERVO, C; SANTOS, C. Pneumoconiose: Conhecendo a doença ocupacional e a importância da assistência da enfermagem. Salão de Ensino e de Extensão, 2015.

LIDO, A. V. et al. Exposição ocupacional e ocorrência de pneumoconioses na região de Campinas (SP) Brasil, 1978-2003. J Bras Pneumol, v. 34, n. 6, p. 367-372, 2008.

MEDEIROS, A.I.C. et al. Avaliação da função pulmonar em trabalhadores da construção civil. Revista Científica da Escola da Saúde, v. 4, n.1, p. 69-76, 2014.

MO, J. et al. Prevalence of coal workers’ pneumoconiosis in China: A systematic analysis of 2001–2011 studies. International Journal of Hygiene and Environmental Health. v.17, n.1, p.46-51, 2014.

MORAES, M.V.G. Doenças ocupacionais: agentes físico, químico, biológico, ergonômico. São Paulo: Érica, 2014.

QUARTO, L. C.; CARDOSO, D. M.; MANHÃES, F. C. Investigação das condições de segurança do trabalho quanto à proteção às pneumoconioses entre mineradores vinculados a uma empresa no interior do estado do Rio de Janeiro. In: I Congresso Norte-Nordeste de Saúde Pública, 2020. Anais... Online, p. 45, 2020.

SILVA, L. L. et al. Modificação do perfil da silicose na mineração subterrânea de ouro em Minas Gerais. Rev. bras. saúde ocup. vol. 43, São Paulo, 2018.

SOUZA, T.P. et al. Silicosis prevalence and risk factors in semi-precious stone mining in Brazil. Am. J. Ind. Med., v.60, n.6, p.529-536, 2017.

TERRA FILHO, M.; SANTOS, U. P. Silicose. J. bras. Pneumol, v. 32, n. 2, São Paulo, 2006.

TONET, C. et al. Relação entre pneumoconioses e o câncer de pulmão. Revista Uningá, Maringá, v.56, n. 4, p. 177-186, 2019.

VARONA, M. et al. Evaluación de la exposición al polvo de carbón y de sílice en sitios de minería subterránea en tres departamentos de Colombia. Biomédica, v. 38, n.4, Bogotá, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-091

Refbacks

  • There are currently no refbacks.