Artrose: perfil de conhecimento de mulheres bajeenses sobre prevenção, diagnóstico e tratamento / Arthrosis: knowledge profile of bajeense women on prevention, diagnosis and treatment

Emilly Marques Moreira, Marina Rodrigues Vaz, Luciana Gonçalves Rivero, Ricardo Ribeiro, Ionara Zavarese Hoffmeister, Guilherme Cassão Marques Bragança, Lídia Meri Brignol Guterres

Abstract


A artrose é uma das patologias que mais acomete o público feminino, sobretudo, no período pós-menopausa. Essa patologia é definida pela redução gradativa da cartilagem da articulação, sendo decorrente de fatores genéticos, mecânicos, ósseos, metabólicos e hormonais que contribuíram para um desequilíbrio entre síntese e degradação das articulações. Neste sentido, torna-se fundamental consolidar a educação acerca do tema, tendo primeiramente, uma avaliação criteriosa e conceitual sobre o conhecimento populacional sobre artrose. Assim sendo, o objetivo deste trabalho foi traçar o perfil de conhecimento da mulher bajeense sobre prevenção, diagnóstico e tratamento de artrose. Utilizou-se a abordagem segundo o método hipotético dedutivo em uma pesquisa explicativa experimental cujos dados foram coletados através de formulário do Google Forms entre março de 2021 e julho 2021. Observa-se, portanto, que as evidências são claras no sentido de que ainda são escassos os meios efetivos de contextualização do conhecimento sobre artrose, sobretudo, entre o público feminino jovem, trazendo condições claras de prevenção, culminando com tratamentos mais efetivos e melhora na qualidade de vida da população.


Keywords


Artrose. Qualidade de vida. Saúde. Prevenção.

References


ASCEF, Bruna de Oliveira et al. Qualidade de vida relacionada à saúde dos usuários da atenção primária no Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 51, p. 22s, 2017.

BRAMBILLA, Leonardo Luis Salles; PULZATTO, Flávio. Exercício Físico em portadores de desordens da coluna vertebral-Revisão Sistemática. Revista Saúde UniToledo, v. 4, n. 1, 2020.

CAMANHO, Gilberto Luís. Tratamento da osteoartrose do joelho. Rev Bras Ortop, v. 36, n. 5, p. 135-40, 2001.

CAVALCANTE, Aurélia Machado et al. A influência do exercício físico na qualidade de vida do idoso. 2009.

CELICH, Kátia Lilian Sedrez; GALON, Cátia. Dor crônica em idosos e sua influência nas atividades da vida diária e convivência social. Revista brasileira de geriatria e gerontologia, v. 12, n. 3, p. 345-359, 2009. Clínica e terapêutica. São Paulo: Atheneu, 2004.

CUNHA, Lorena Lourenço; MAYRINK, Wildete Carvalho. Influência da dor crônica na qualidade de vida em idosos. Revista Dor, v. 12, n. 2, p. 120-124, 2011.

DA SILVA, Magda Danelucci; GARCIA, Rosamaria Rodrigues. ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA EM PACIENTES COM OSTEOPOROSE E OSTEOARTROSE ASSOCIADAS: UMA REVISÃO LITERÁRIA PHYSIOTHERAPIC APPROACH IN OSTEOPOROSIS AND OSTEOARTHRITIS ASSOCIATED PATIENTS: A LITERARY REVIEW. Revista de Atenção à Saúde, v. 4, n. 8, 2006.

DE ASSIS, M. (2005). Envelhecimento ativo e promoção da saúde: reflexão para as ações educativas com idosos. Revista APS, 8(1), 15-24. Del Condroitín 4 Y 6 Sulfato En Los Síntomas De La Artrosis De La Rodilla.

DIAS, Carolina Zampirolli et al. Perfil dos usuários com doenças reumáticas e fatores associados à qualidade de vida no sistema único de saúde, Brasil. 2017.

FERREIRA, Maíra Mota et al. O atendimento coletivo como estratégia para a oferta de cuidado a usuários com artrose de joelho no âmbito da atenção primária: a experiência de uma equipe de NASF. 2017.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila. Francisco RA, Miguel GT, Óscar NQ, Daniel PR. Estudio De La Eficacia.

FRANCO, Lígia Rodrigues et al. Influência da idade e da obesidade no diagnóstico sugestivo de artrose de joelho. ConScientiae Saúde, v. 8, n. 1, p. 41-46, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

HERNANDES, Elizabeth SC et al. Idosos com e sem plano de saúde e características socioepidemiológicas associadas. Revista de Saúde Pública, v. 46, n. 6, p. 1030-1038, 2012. In: CARVALHO FILHO, E. T.; PAPALÉO NETO, M. Geriatria: fundamentos,

KRUG, Rodrigo de Rosso et al. A dor dificulta a prática de atividade física regular na percepção de idosas longevas. Revista Dor, v. 14, n. 3, p. 192-195, 2013.

LEITE, Francine; DE OLIVEIRA GOMES, Jaime. Dor crônica em um ambulatório universitário de fisioterapia. Revista de Ciências Médicas, v. 15, n. 3, 2012.

MARCON, S. S., DE ALCÂNTARA NOGUEIRA, L., DE OLIVEIRA FONSECA, A. R., & UCHIMURA, T. T. (2004). Características da doença crônica em famílias residentes na região norte do município de Maringá, Estado do Paraná: uma primeira aproximação. Acta scientiarum. Health sciences, 26(1), 83-93.

MAXIMIANO, LEANDRO FERREIRA. EXERCICIOS DE FLEXIBILIDADE NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS EM PESSOAS DA TERCEIRA IDADE. 2016.

NÉRI, A. L.; ACHIONI, M. Velhice bem-sucedida e educação. In: NÉRI, A. L. ; DEBERT, G. G. (Org.). Velhice e sociedade. São Paulo: Papirus, 1999. p.113-140.

NETO, José Antonio Chehuen et al. Uso de medicamentos por idosos de Juiz de Fora: um olhar sobre a polifarmácia. HU Revista, v. 37, n. 3, p. 305.13, 2012.

QUEIROZ, Bruno Morbeck de et al. Inatividade física em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, p. 3489-3496, 2014.

QUEIROZ, Karine Vieira et al. Avaliação dos ísquios tibiais através do ângulo poplíteo em pacientes idosos com artrose de joelho. Fisioterapia Brasil, v. 20, n. 6, p. 713-720, 2019.

REIS, Júlia Guimarães et al. Avaliação do controle postural e da qualidade de vida em idosas com osteoartrite de joelho. Revista Brasileira de Reumatologia, v. 54, n. 3, p. 208-212, 2014.

REIS, Luciana Araújo; TORRES, Gilson de Vasconcelos. Influência da dor crônica na capacidade funcional de idosos institucionalizados. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 64, n. 2, p. 274-280, 2011.

Reumatologia 2007;23(1):33-41.

SILVA, Ana Rita Ribeiro Branco da et al. Motivação para a atividade física, controlo da dor e qualidade de vida em pessoas com artrose do joelho. 2019. Tese de Doutorado. Universidade de Coimbra.

SILVA, J. S. R., VIEIRA, É. D. S., MEDEIROS, S. M., DE ALMEIDA CARNEIRO, J., FAGUNDES, G. C., BARBOSA, A. T. F., & CALDEIRA, A. P. (2017). Dificuldade de utilização de serviços de saúde entre idosos não institucionalizados. Unimontes Científica, 18(2), 12-23.

SOUZA, Isabelle Ferreira da Silva et al. Idosos com osteoartrite de joelhos devem realizar avaliação nutricional: revisão integrativa da literatura. Einstein (São Paulo), v. 15, n. 2, p. 226-232, 2017.

TRIVIÑOS, A. N. S. INTRODUÇÃO À PESQUISA EM CIÊNCIAS SOCIAIS: A PESQUISA QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO. São Paulo: Atlas, 1987.

ULGUIM, F. O., RENNER, J. D. P., POHL, H. H., OLIVEIRA, C. F. D., & BRAGANÇA, G. C. M. (2019). Trabalhadores da saúde: risco cardiovascular e estresse ocupacional. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, 17(1), 61-68.

VERAS, R. P., & OLIVEIRA, M. (2018). Envelhecer no Brasil: a construção de um modelo de cuidado. Ciência & saúde coletiva, 23, 1929-1936.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-051

Refbacks

  • There are currently no refbacks.