Prevalência de Leishmaniose Visceral em cães atendidos no hospital veterinário da universidade Anhanguera-Uniderp entre 2017 e 2019, Campo Grande – MS / Prevalence of Visceral Leishmaniasis in dogs attended at the veterinary hospital of Anhanguera-Uniderp university between 2017 and 2019, Campo Grande – MS

Julie Rose Nakkoud, Alexsandra Rodrigues Mendonça Favacho, Camila Maria dos Santos, Eduardo de Castro Ferreira, Dina Regis Recaldes Rodrigues Argeropulos Aquino

Abstract


Campo Grande, capital do estado do Mato Grosso do Sul, tem alta casuística de leishmaniose visceral (LV) e é considerada uma área endêmica para leishmaniose visceral canina (LVC) e humana (LVH). Objetivou-se verificar a taxa de positividade em caninos sintomáticos, oligossintomáticos e assintomáticos de diferentes idades, ambos os sexos e todas as raças para Leishmaniose atendidos na Clínica Veterinária da Universidade Anhanguera-Uniderp em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, entre os anos de 2017 a 2019, diagnosticados por meio de exames clínicos e confirmado por métodos laboratoriais. Para o estudo foi realizada uma pesquisa retrospectiva, por meio da coleta de dados de 4.932 cães atendidos no período de 2017 a 2019. Do total de 4.932 cães, 415 foram detectados infectados para Leishmania spp. Em 2016, Campo Grande foi classificada como uma área de risco de transmissão intensa para LV humana pela Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul. Os resultados mostram uma positividade de 8,41% da população canina estudada. Apesar das medidas de controle preconizadas para LVC, neste estudo é notado a expansão da doença na população canina pesquisada, colaborando com a manutenção do ciclo do parasito nessas áreas. Esses resultados apontam para uma necessidade de ações educacionais e sanitárias sobre essa zoonose, além de ampliar os estudos sobre as leishmanioses no município.

 

 


Keywords


Leishmaniose, Cães, Endêmica, Zoonose.

References


AGUIAR, P. H. P; SANTOS, S. O; PINHEIRO, A. A; BITTENCOURT, D. V. V; COSTA, R. L. G; JULIÃO, F. S; DOS SANTOS, W. L. C; MELO, S. M. B. Quadro clínico de cães infectados naturalmente por Leishmania chagasi em uma área endêmica do estado da Bahia, Brasil. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, v. 8, n. 4, p. 283-294, 2007.

AGUT, A; CORZO, N; MURCIANO, J; LAREDO, F. G; SOLER, M. Clinical and radiographic study of bone and joint lesions in 26 dogs whit leishmaniasis. Veterinary Record, v.153, p.648-652, 2003.

ALVES, M. M. M; MENDONÇA, I. L; BATISTA, J. F, ROCHA, F.S.B; SILVA, E. M. C. Perfil hematológico de cães naturalmente infectados por Leishmania chagasi. PubVet, v. 9, n. 4, p. 158-162, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigilância em saúde no Brasil. Epidemiological Report – Neglected Tropical Diseases. Boletim Epidemiológico. Criação da Secretaria de Vigilância em Saúde. Número Especial | Mar. 2021. ISSN: 9352-7864 Disponível em: http://www.saude.gov.br/ boletins-epidemiologicos

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. –1. ed., 5. reimpr. –Brasília: Ministério da Saúde, 2014

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Relatório de atividades desenvolvidas em 2006. Síntese. Brasília: MS/SVS, 2007d. Disponível em:https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_controle_leishmaniose_visceral.pdf

BRUNO, B., ROMANO, A., ZANATTA, R., SPINA, S., MIGNONE, W., INGRAVALLE, F., GORIA, M. (2019). Ensaio de imunofluorescência sérica indireta e PCR em tempo real em cães afetados por Leishmania infantum: avaliação antes e após o tratamento em diferentes estágios clínicos. Journal of Veterinary Diagnostic Investigation, 31 (2), 222-227. https://doi.org/10.1177/1040638718824140

CAMARGO, J.B.; TRONCARELLI, M.Z.; RIBEIRO, M.G.; LANGONI, H. Leishmaniose visceral canina: aspectos de saúde pública e controle. Clínica Veterinária, São Paulo, ano 12, n.71, p.86-92, 2007.

CARDINOT, C.B. Identificação de DNA de Leishmania sp. no encéfalo de cães com Leishmaniose visceral. (2013). Dissertação (Mestrado em Ciência Animal, Fisiopatologia Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais). Faculdade de Medicina Veterinária – Unesp, 54 f.

COUTINHO, M. T; BUENO, L. L; STERZIK, A; FUJIWARA, R. T; BOTELHO, J. R; DE MARIA, M; GENARO, O; LINARDI, P. M. (2005). Participation of Rhipicephalus sanguineus (Acari: Ixodidae) in the epidemiology of canine visceral leishmaniasis. Veterinary parasitology, 128(1-2), 149–155. 2005.

DANTAS-TORRES, F; LORUSSO, V; TESTINI, G; DE PAIVA-CAVALCANTI, M; FIGUEREDO, L. A; STANNECK, D; MENCKE, N; BRANDÃO-FILHO S. P; ALVES L. C; OTRANTO, D. Detection of Leishmania infantum in Rhipicephalus sanguineus ticks from Brazil and Italy. Parasitol Res. 2010 Mar;106(4):857-60. doi: 10.1007/s00436-010-1722-4. Epub 2010 Feb 3.

DOMINGOS, I. H; RIGO, L; HONER, M, R. (2007). Perfil das populações canina e felina no município de campo grande, MS. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, 11 (1), 97-103. [Fecha de Consulta 10 de Agosto de 2021]. ISSN: 1415-6938. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=26012838011

DOS SANTOS NOGUEIRA F, AVINO VC, GALVIS-OVALLOS F, ET AL. Use of miltefosine to treat canine visceral leishmaniasis caused by Leishmania infantum in Brazil. Parasit Vectors. 2019;12(1):79. Published 2019 Feb 8. doi:10.1186/s13071-019-3323-0

FEITOSA, M. M; IKEDA, F. A; LUVIZOTTO, M. C. R; PERRI, S. H. V. 2000. Aspectos clínicos de cães com leishmaniose visceral no município de Araçatuba, São Paulo (Brasil). Clínica Veterinária. 28: 36-44.

FIGUEIREDO M. J. F. M; SOUZA N. F; FIGUEIREDO, H. F; MENESES, A. M. C; FILHO, E. S; NASCIMENTO G. G. Fatores de risco e classificação clínica associados à soropositividade para leishmaniose visceral canina. Cienc. anim. bras., Goiânia, v.15, n.1, p. 102-106, jan./mar. 2014

FREIRE, C. G. V; MORAES, M. E. Cinomose canina: aspectos relacionados ao diagnóstico, tratamento e vacinação. PUBVET. v.13, n.2, a263, p.1-8, 2019.

FULGÊNCIO, G. O; BORGES, K. D. A; VIANA, F. A. B. Oftalmopatias associadas à leishmaniose visceral canina - revisão de literatura. Revista CFMV (Brasília), p. 31 - 41, 01 dez. 2008.

GIANNUZZI, A. P; RICCIARDI, M.; SIMONE, A; GERNONE, F. (2017). Neurological manifestations in dogs naturally infected by Leishmania infantum: descriptions of 10 cases and a review of the literature. Journal of Small Animal Practice, 58(3), 125–138. https://doi.org/10.1111/jsap.12650

GÓMEZ-OCHOA, P; CASTILLO, J. A; GASCÓN, M; ZARATE, J. J; ALVAREZ, F, et al. Use of domperidone in the treatment of canine visceral leishmaniasis: A clinical trial. Veterinary Journal, v. 179, n. 2, p. 259–263, 2009. Disponível em < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/ pubmed/18023375>. DOI: 10.1016/j.tvjl.2007.09.014.

GREENE, C. E.; Doenças Infecciosas em Cães e Gatos. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015.

HIRSCHMANN, L. C. Canine visceral leishmaniasis: Clinical, laboratorial and epidemiological investigation in kennel dogs of twelve cities in Rio Grande do Sul. 2013. 66 f. Dissertação (Mestrado em Biologia) - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2013.

HONSE, C. O. Alterações hemostáticas em cães naturalmente infectados por Leishmania (Leishmania) chagasi provenientes de inquéritos sorológicos realizados pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. 2008. 93f. Dissertação (Mestrado em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas) – Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas, Fundação Oswaldo Cruz, 2008.

LARSSON, C.E.; LUCAS, R. Tratado de medicina externa: dermatologia veterinária. 1ª ed., São Caetano do Sul: Interbook, 2016. 888p.

LIMA, W.G; MICHALICK, M. S. M; MELO, M. N; TAFURI, W. L; TAFURI, W, L. Canine visceral leishmaniasis: a histopathological study of lymphnodes. Acta Tropica, V. 92, p. 43-53. 2004.

LINS, S. B. H. Situação atual da leishmaniose visceral canina e humana no estado. CRMV, 2016.

LUVIZOTTO, M. C. R. Alterações patológicas em animais naturalmente infectados. In: 1o fórum sobre leishmaniose visceral canina, 2006, Jaboticabal. Anais do Fórum de Leishmaniose Visceral canina 2006. p.15-22.

MACAU, W.L., SÁ, J.C., SILVA, A.P.C., ROCHA, A.L., MONDÊGO-OLIVEIRA, R., ANDRADE, F.H.E.A., CUNHA, C.M., CALABRESE, K.S. & ABREU-SILVA, A.L. (2017). Main lesions in the central nervous system of dogs due to Leishmania infantum infection. BMC Vet, 13, 255.

MAIA, L. S. Leishmaniose visceral canina: Aspectos clínicos e hematológicos de casos suspeitos e confirmados atendidos no Hospital Veterinário da Universidade de Brasília em 2011. 2013. 23p. Monografia (Conclusão do Curso de Medicina Veterinária) - Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2013.

MARIGA, C; SEGUNDO, D. D. G; ANDRADE, C. M; KRAUSE, A; FILHO, S. T. L. P. (2021). Prevalência e perfil de cães positivos para leishmaniose em um hospital veterinário do Rio Grande do Sul (2017-2019). PubVet. 15. 1-12. 10.31533/ v15n05a820.1-12.

MELO, M. A; SILVA, R. B. S; FRANCO E SILVA, L. F; BRAZ, B. M. A; SANTOS, J. M; SANTOS, S. J. S; ANDRADE, P. P. (2016). Leishmaniose visceral canina no Brasil, Medicina canina - Tópicos recentes e pesquisa avançada, Hussein Abdelhay Elsayed Kaoud, IntechOpen, DOI:10.5772/65956. Disponível em: https://www.intechopen.com/books/canine-medicine-recent-topics-and-advanced-research/canine-visceral-leishmaniasis-in-brazil Acesso em: 7 de jul. de 2020.

MIRÓ, G., GÁLVEZ, R., FRAILE, C. ET AL. Infectividade para Phlebotomus perniciosus de cães parasitados naturalmente com Leishmania infantum após diferentes tratamentos. Vetores de parasitas 4, 52 (2011). https://doi.org/10.1186/1756-3305-4-52

MOREIRA, N. B; ALMEIDA, A. B. P. F, PINTO, A. Z. L, MUTZEMBERG, E. R; GODOY, I; SILVEIRA, M. M, et al. Leishmaniose visceral canina: aspectos dermatológicos e dermatoses associadas. Acta Scientiae Veterinariae, p. 44:1362, 2016.

NASCIMENTO, L & ANDRADE, E. B. (2021). Epidemiologia da leishmaniose canina no município de Pedro II, Piauí, entre os anos de 2013 e 2019. Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza. 5. e1623. 10.29215/pecen.v5i0.1623.

NERY, G., BECERRA, D. R. D., Nery, BORJA. L. S., JUNIOR, J. T. M., SOUZA, B. M. P. S., FRANKE, C. R., VERAS. P. S. T., LARANJEIRA, D. F., MELO, S. M. B. (2017). Avaliação da infectividade parasitária a Lutzomyia longipalpis por xenodiagnóstico em cães tratados para leishmaniose visceral naturalmente adquirida. Pesquisa Veterinária Brasileira, 37(7), 701-707.

OLIVEIRA, V.C. Occurrence of Leishmania infantum in the central nervous system of dogs naturally infected: associated lesions and parasite isolation in tissues and cerebrospinal fluid. (2016). Dissertação (Mestrado em Pesquisa Clínica e Doenças Infecciosas) - Evandro Chagas National Institute of Infectious Diseases, Oswaldo Cruz Foundation, 99 f.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DA SAÚDE: Leishmanioses: Informe Epidemiológico das Américas. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE - OPAS/OMS. 2019. Disponível em < www.paho.org/leishmaniosis>, Acesso em: 07 jul. 2020.

PAZ, G. F; REIS, I, A; AVELAR, D. M; FERREIRA, E. C.M; WERNECK, G. L. 2013. Ectoparasites and anti-Leishmania antibodies: Association in an observational case–control study of dogs from a Brazilian endemic area. Prev Vet Med. Oct 1;vol. 112(1-2):156-9. doi: 10.1016/j.prevetmed.2013.07.012. Epub 2013 Aug 9.

ROCHA, S. T. F; SHIOSI, R. K; FREITAS, A. B. M. Canine visceral leishmaniasis - literature review / Leishmaniose visceral canina - revisão de literatura. R. cient. eletr. Med. Vet.; (34): 13 p, jan. 2020.

ROSÁRIO, C. J. R. M; DOMINICI, M. F; BRAGA, M. C. O. S; LIMA, C. A. A; PEREIRA, J. G; MELO, F. A. (2018). Quantificação da IL-10 e do INF-γ em cães com ou sem sinais clínicos de infecção com Leishmania (Leishmania) chagasi. Pesquisa Veterinária Brasileira. 38. 129-132. 10.1590/1678-5150-pvb-5107.

SGVS. Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul, 2016. Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul-2016-Gerencia Estadual de Zoonoses/CECV/SGVS.

SILVA, A. R. S. Avaliação radiográfica das articulações dos membros locomotores de cães naturalmente acometidos por leishmaniose visceral no município de Araçatuba-SP. 2009. 65 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Odontologia e Curso de Medicina Veterinária, 2009. Disponível em: .

SILVA, B. G; NASCIMENTO, J. P; SANTOS, C. M; SANTOS, J. M. A; FERREIRA, E. C; AQUINO, D. R. R. R. A. Sinais clínicos neurológicos, associados à leishmaniose visceral canina, em área endêmica: Relato de caso. https://doi.org/10.31533/Pubvet.v14n10a663.1-5, PUBVET v.14, n.10, a663, p.1-5, Out., 2020

SILVA, D. A., MADEIRA, M., & FIGUEIREDO, F. B. (2015). Geographical expansion of canine visceral leishmaniasis in Rio de Janeiro state, Brazil. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, 57(5), 435–438. https://doi.org/10.1590/S0036-46652015000500012

SILVA, J. D; MELO, D. H. M; COSTA, J. A. G; COSTA, D. F; SILVA, R. B. S; MELO, M. A; AZEVEDO, S. S; ALVES, C. J. Leishmaniose visceral em cães de assentamentos rurais. Pesq. Vet. Bras, Rio de Janeiro, v. 37, n. 11, p. 1292-1298, Nov 2017. https://doi.org/10.1590/s0100-736x2017001100016.

SILVA, O.A. e BRAGA, G.M.S. O papel do Rhipicephalus sanguineus na transmissão da Leishmaniose Visceral Canina: aspectos epidemiológicos. PUBVET, Londrina, V. 4, N. 25, Ed. 130, Art. 881, 2010. v. 48, n. 3, p. 151-156, 2006.

VIÑUELAS, J; GARCIA-ALONSO, M; FERRANDO, L; NAVARRETE, I; MOLANO, I; MIRÓN, C; CARCELÉN, J; ALONSO, C; NIETO, C.G. Menigial leishmaniasis induced by Leishmania infantum in naturally infected dogs. Veterinary Parasitology, 101: 23-27, 2001.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Leishmaniasis in the Americas for the General Public; 2014. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2020.

ZOBBA, R., EVANGELISTI, M.A., MANUNTA, M.L., ALBERTI, A., ZUCCA, D. & PARPAGLIA, M.L.P. (2017). A case of canine neurological leishmaniasis. Veterinaria Italiana, 53, 321-326.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-044

Refbacks

  • There are currently no refbacks.