Avaliação química e microbiológica do óleo de Pequi (Caryocar brasiliense) comercializado em feira de São Luis - MA / Chemical and microbiological evaluation of Pequi oil (Caryocar brasiliense) marketed at São Luis fair - MA

Luthian Melo Colares, Lucimar Oliveira Moreira, Diogo Brito Dias, Geyse Adriana Correa Ribeiro, Quésia Guedes da Silva Castilho, Vera Lúcia Neves Dias Nunes, Lucy Rose de Maria Oliveira Moreira

Abstract


O nome científico do pequi é Caryocar brasiliense e a família botânica é a Caryocaraceae. Está presente em quase todos os agroecos­sistemas do Brasil. Essa diversidade de regiões produtoras, possivelmente propicia o desenvolvimento de frutos com uma vasta variedade de características químicas.  E a qualidade do óleo de pequi, como a dos óleos vegetais, de uma maneira geral depende de vários fatores, o que merece ser cientificamente investigado. O objetivo deste trabalho foi avaliar a composição química e microbiológica do óleo de pequi (Caryocar brasiliense) comercializado em feira de São Luis - MA. Investigar quantitativamente os índices químicos de acidez, umidade, cinzas, determinação de metais pela técnica de espectrometria de emissão óptica com plasma indutivamente acoplado (ICP-OES), determinação dos grupos funcionais presentes no óleo de pequi por espectroscopia de absorção na região do infravermelho e crescimento de microorganismos por métodos microbiológicos. A avaliação dos resultados das analises químicas e microbiológicas permitiram constatar que o óleo de pequi se encontra conforme os padrões de qualidade exigidos.  O óleo de pequi apresentou os seguintes metais: Ca (0,48 mg/L), Fe (0,40 mg/L), Na (0,31 mg/L), K (0,11 mg/L), Cr (0,09 mg/L), Pb (0,08 mg/L), Cd (0,006 mg/L) e Ni (0,002 mg/L). Os minerais juntos possuem função plástica, reguladoras e nutricionais no organismo. Na analise do espectro na região do infravermelho foi identificado bandas fortes (1737 cm-1, 1373 cm-1, 1178 cm-1, 1114 cm-1 e 1035 cm-1) na amostra que se referem ao grupo funcional carbonílico C--O e C=O da função ésteres que são característicos dos óleos e gorduras. Logo o óleo de pequi esta dentro dos padrões químicos e microbiológico aceito pela legislação vigente.

 

 


Keywords


Óleo pequi, Químico, Microbiológico.

References


Oliveira LR. Avaliação dos compostos fenólicos e das propriedades antioxidantes da polpa do pequi (Caryocar spp) processado e in natura. São Paulo, 2010.

Batista JS. et al. Avaliação da atividade cicatrizante do óleo de pequi (Caryocar coriaceum wittm) em feridas cutâneas produzidas experimentalmente em ratos. Arq. Inst. Biol., São Paulo, v.77, n.3, p.441-447, jul./set., 2010.

Carrazza LR, D´Ávila JCC. Manual tecnológico de aproveitamento integral do fruto do pequi. Brasília – DF. Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN). Brasil, 2010. 48 p.; il. - (Série Manual Tecnológico).

Oliveira MEB, Guerra NB, Barros LM, Alves RE. Aspectos agronômicos e de qualidade do pequi. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, 2008.

Ribeiro MC. Óleo de pequi: qualidade físico-química, teor de carotenóides e uso em animais com carência de vitamina a. – Lavras : UFLA, 2010. 85 p. : il.

Santos et al. Avaliação físico-química e sensorial do pequi (Caryocar brasiliensis camb.) Submetido à desidratação. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.12, n.2, p.115-123, 2010.

Aquino LP, Ferrua FQ, Borges SV, Antoniass R, Correa JLG, Cirillo MA. Influência da secagem do pequi (Caryocar brasiliense camb.) Na qualidade do óleo extraído - Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas abr.-jun. 2009; 29(2): 354-357.

Pianovski AR, Vilela AFG, Silva AAS, Lima CG, Silva KK, Carvalho VFM, Musis CR. Uso do óleo de pequi (Caryocar brasiliense) em emulsões cosméticas: desenvolvimento e avaliação da estabilidade física - Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences 2008; vol. 44, n. 2, abr./jun.

Brasil RV, Cavallieri ÂLF, Costa ALM, Gonçalves MÁB. Caracterização física e química do óleo de pequi exposto a diferentes condições de armazenamento. Universidade Federal de Goiás (UFG), PIBIC 2010/2011.

Instituto Adolfo Lutz (São Paulo). Métodos físico-químicos para análise de alimentos /coordenadores Odair Zenebon, Neus Sadocco Pascuet e Paulo Tiglea -- São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2008. p. 1020.

Brasil. Farmacopeia Brasileira, v. 1. 5. ed. Brasília, DF: ANVISA; 2010.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução nº 482, de 23 de setembro de 1999. Regulamento técnico para fixação de identidade e qualidade de óleos e gorduras vegetais. Diário Oficial da União, brasília-DF, v. 196, 13 out. 1999. Seção I, p. 82-87.

Deus TN. Extração e caracterização de óleo do pequi (Caryocar brasiliensis Camb.) para o uso sustentável em formulações cosméticas óleo/água (o/a). 2008. 75 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Produção Sustentável) - Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2008.

Brasil. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 270, de 22 de setembro de 2005. Aprova o "Regulamento Técnico para óleos vegetais, gorduras vegetais e creme vegetal". Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 set. 2005. Disponível em: Acesso em: 29 nov 2016. Brasil.

Facioli NL, Gonçalves LAG. Modificação por via enzimática da composição triglicerídica do óleo de piqui (Caryocar brasiliense Camb). Química Nova 19; 21(1), 1998.

Barbosa EA, antunes RA, farias TM, lopes NPS. Análise da Qualidade do Óleo de Pequi Produzido e Comercializado no Município de Januária-MG, Brasil. Rev. Bras. De Agroecologia/nov. 2009 Vol. 4 No. 2.

Costa CL et al. Caracterização físico-química de óleos fixos artesanais do coco babaçu (Orbignya phalerata) de regiões ecológicas do estado do Maranhão, Brasil. Pesquisa em Foco, São Luís, vol. 20, n. 1, p. 27-38. 2015. ISSN: 2176-0136.

Lopes et al. Composição de ácidos graxos em polpa de frutas nativas do cerrado. Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal - SP, v. 34, n. 2, p. 635-640, Junho 2012.

Freitas NM, Santos AMCM, Moreira LRMO. Avaliação fitoquímica e determinação de minerais em amostras de Hibiscus sabdariffa L (vinagreira). Cad. Pesq.UFMA, São Luís, v. 20, n. 3, set./dez. 2013.

Costa MHA, Santos AMCM, Batista MCA, Moreira LRMO. Avaliação da composição química da hortaliça couve-flor (Brassicaoloracea L.) comercializada em São Luis – MA. Revista Florence. Instituto Florence de Ensino Superior, São Luís – MA. v. 4, n. 1, p.28-35, Maio 2014.

Chaves Júnior JS, Santos AMCM, Batista MCA, Moreira LRMO. Avaliar a composição química da casca da laranja (Citrus sinensis) obtida em feira de São Luis – MA. Revista Florence. Instituto Florence de Ensino Superior, São Luís – MA. v. 4, n. 1, p.19-26, Julho 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Visalegis: Legislação em Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC n. 269, de 22 de setembro de 2005. Regulamento Técnico sobre a Ingestão Diária Recomendada (IDR) de Proteína, Vitaminas e Minerais. Disponível em: . Acesso em: 29 nov 2016. Brasil.

Oliveira MEB et al. Características químicas e físico-químicas de pequis da chapada do araripe, Ceara. Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal - SP, v. 32, n. 1, p. 114-125, Março 2010.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução - RDC N°- 42, de 29 de agosto de 2013. Dispõe sobre o Regulamento Técnico MERCOSUL sobre Limites Máximos de Contaminantes Inorgânicos em Alimentos. Diário Oficial da União, brasília-DF, v. 168, 13 agosto 2013. Seção I, p. 33-34.

SVS/MS - Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria nº 685, de 27 de agosto de 1998. Aprova o Regulamento Técnico: "Princípios Gerais para o Estabelecimento de Níveis Máximos de Contaminantes Químicos em Alimentos" e seu Anexo: "Limites máximos de tolerância para contaminantes inorgânicos". D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 28 de agosto de 1998.

Allinger NL, Cava MP, Jongh DC, Johnson CR, Lebel NA, Stevens CL. Química Orgânica, 2. Ed. Rio de Janeiro: Guanabara dói, 1978.

Silverstein RM, Bassler GC, Morrill TC. Identificação espectrométrica de compostos orgânicos. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 460p, 2000.

Sousa AWB, Cardoso Filho FC, Costa APR, Carneiro RM, Paixão IO, Muratori MCS. Contagem de fungos filamentosos e leveduras em camarões salgados secos comercializados em Teresina-PI. Acta Veterinaria Brasilica, v.7, n.2, p.171-175; 2013.

Silva Filho GN, Oliveira VL. Microbiologia: manual de aulas práticas. 2. ed. rev. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2007. 42-115p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-036

Refbacks

  • There are currently no refbacks.