Prevalência de doenças congênitas identificadas no teste de triagem neontal do Município de Chapecó, Santa Catarina, Brasil: 2014-2018 / Prevalence of congenital diseases identified in newborn screening test in the City of Chapecó, Santa Catatina, Brazil: 2014-2018

Carlos Alberto do Amaral Medeiros, Arthur Zaro, Daniel Giachini

Abstract


Introdução: O Programa de Triagem Neonatal (PTN) é uma iniciativa de saúde pública que visa a detecção precoce de anomalias congênitas do recém-nascido, garantindo uma intervenção e acompanhamento adequados visando redução da morbimortalidade dos indivíduos afetados. No município de Chapecó, o PTN abrange as doenças: Fibrose Cística (FC), Hipotireoidismo congênito (HC), Hiperplasia Adrenal Congênita (HAC), Fenilcetonúria (FNC), Hemoglobinopatias (HB) e Deficiência de Biotinidase (DB). Objetivos: Avaliar a prevalência das doenças diagnosticadas pelo teste de triagem neonatal em Chapecó-SC, o encaminhamento ao especialista e adesão ao tratamento, bem como verificar se o teste está sendo realizado em tempo oportuno, buscando a caracterização do perfil populacional do município em relação a essas patologias. Metodologia: Estudo observacional, descritivo por
meio da análise retrospectiva de prontuários de recém-nascidos no período de janeiro de 2014 a dezembro de 2018, que realizaram o TTN vinculado ao Sistema Único de Saúde no município de Chapecó-SC. Resultados: No recorte temporal de  cinco anos, houve um total de 17.170 nascidos vivos e 13.317 testes realizados pelo programa. A taxa de cobertura do TTN foi de 77,62%. Dos 240 testes positivos, 66,36% fizeram teste confirmatório. A média de idade de coleta foi 6.24 (± 9,38) dias. As incidências obtidas foram: FC: 1:951 nascidos vivos; HC: 1:1110; HAC: 1:4439; HB: 1:238. Nenhum caso de FNC e DB foi detectado. Conclusão: A cobertura do programa foi menor que o preconizado. Houve um baixo encaminhamento para confirmação diagnóstica. As prevalências das doenças FC, HC, HAC e HB encontram-se acima da média estadual. A pronunciada incidência de HB ocorre possivelmente devido ao recente fluxo imigratório de Haitianos ao município. Este estudo reforça a necessidade da avaliação constante do perfil epidemiológico favorecendo a elaboração de políticas públicas direcionadas.

 


Keywords


Doenças Congênitas, Epidemiologia, Assistência à saúde.

References


AMORIM, Tatiana et al. Avaliação do programa de triage neonatal da Bahia entre 2007 e 2009 – As lições da doença falciforme. Gaz. méd. Bahia, Salvador, v. 80, n. 3, p. 10-13, out. 2010.

ATHANAZIO, Rodrigo Abensur et al. Brazilian guidelines for the diagnosis and treatment of cystic fibrosis. Jornal Brasileiro de Pneumologia, São Paulo, v. 43, n. 3, p. 219-245, jun. 2017.

BERRY, Susan A. Newborn Screening. Clinics In Perinatology, Minneapolis, v. 42, n. 2, p.441-453, jun. 2015.

BINDU, Parayil Sankaran et al. Biotin-Responsive Basal Ganglia Disease: A Treatable and Reversible Neurological Disorder of Childhood. Journal Of Child Neurology, Bangalore, v. 24, n. 6, p. 750-752, jun. 2009.

BLAU, Nenad et al. Phenylketonuria. Lancet, Zurique, v. 376, n. 9750, p. 1417-1427, out. 2010.

BOTLER, Judy et al. Triagem neonatal: o desafio de uma cobertura universal e efetiva. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p.493-508, mar. 2010.

BOTLER, Judy; CAMACHO, Luiz Antonio Bastos; CRUZ, Marly Marques da. Phenylketonuria, congenital hypothyroidism and haemoglobinopathies: public health issues for a Brazilian newborn screening program. Cadernos de Saúde Pública, Rio de janeiro, v. 28, n. 9, p.1623-1631, set. 2012.

BRASIL, Ministério da Saúde. Indicadores da Triagem Neonatal no Brasil, 2018. Disponível em . Acesso em: 25 de set. 2019.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria nº. 822, de 06 de junho de 2001. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Triagem Neonatal/PNTN. Diário Oficial da União, 2001. Disponível em: . Acesso em 22 de ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Triagem neonatal biológica: manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

CAMARGO NETO, E. et al. Newborn screening for biotinidase deficiency in Brazil: biochemical and molecular characterizations. Brazilian Journal Of Medical And Biological Research, [s.l.], v. 37, n. 3, p.295-299, mar. 2004.

CARDOSO, Carolina dos Santos et al. Triagem neonatal de hemoglobinopatias no estado do Rio Grande do Sul no período de 2004 a 2014. Boletim Científico de Pediatria, Porto Alegre, v. 6, n. 3, p.77-84, 2017.

COHEN-CYMBERKNOH, Malena; SHOSEYOV, David; KEREM, Eitan. Managing Cystic Fibrosis. American Journal Of Respiratory And Critical Care Medicine, Nova Iorque, v.183, n. 11, p. 1463-1471, jun. 2011.

ELLER, Rodrigo; SILVA, Denise Bousfield da. Evaluation of a neonatal screening program for sickle-cell disease. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 92, n. 4, p.409-413, jul. 2016.

FELIX, Andreza Aparecida; SOUZA, Helio M.; RIBEIRO, Sonia Beatriz F. Aspectos epidemiológicos e sociais da doença falciforme. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, São Paulo, v. 32, n. 3, p.203-208, 2010.

LARA, Marilis Tissot et al. Deficiência de biotinidase: aspectos clínicos, diagnósticos e triagem neonatal. Revista Médica de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 24, n. 3, p.388-396, jan. 2014.

LEÃO, Letícia Lima; AGUIAR, Marcos José Burle de. Triagem neonatal: o que os pediatras deveriam saber. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 84, n. 4, p.80-90, ago. 2008.

MACIEL, Léa Maria Zanini et al. Hipotireoidismo congênito: recomendações do Departamento de Tireoide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metababologia, São Paulo, v. 57, n. 3, p.184-192, abr. 2013.

MAGALHÃES, Luis Felipe Aires; BAENINGER, Rosana. A imigração haitiana em Santa Catarina: fases e contradições da inserção laboral. Blucher Social Science Proceedings, São Paulo, n.4, v.2, p. 377-388, 2016.

METABOLISMO, Sociedade Brasileira Triagem Neonatal Erros Inatos do. Dados Estatísticos. Http://www.sbteim.org.br/triagem-dados.htm. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2019.

NASCIMENTO, Marilza Leal et al. Ten-year evaluation of a Neonatal Screening Program for Congenital Adrenal Hyperplasia. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, São Paulo, v. 58, n. 7, p.765-771, out. 2014.

NÚCLEO DE AÇÕES E PESQUISA EM APOIO DIAGNÓSTICO – NUPAD. Diagnóstico Situacional do Programa Nacional de Triagem Neonatal nos estados brasileiros: relatório. Belo Horizonte: NUPAD, 2013.

NUNES, Adriana Kleist Clark et al. Prevalência de patologias detectadas pela triagem neonatal em Santa Catarina. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, São Paulo, v. 57, n. 5, p.360-367, jul. 2013.

PIEL, Frédéric B.; STEINBERG, Martin H.; REES, David C.. Sickle Cell Disease. New England Journal Of Medicine, Massachusetts, v. 376, n. 16, p.1561-1573, 20 abr. 2017.

RANDOLPH, Tim. Estimated prevalence of sickle cell in Northen Haiti. Clinical Laboratory Science, Saint Louis, v. 23, n.2, p. 79-83, 2010.

SOUZA, João Felipe Gomide de Paula et al. Incidência e distribuição geográfica de hiperplasia adrenal congênita em Goiás entre 2006 a 2012. Revista Educação em Saúde, Anápolis, v. 3, n. 1, p.31-38, jul. 2015.

WARE et al. Sickle cell disease. The Lancet, Londres, v. 390, n. 10091, p. 311-323, jul. 2017.

WITCHEL, Selma Feldman. Congenital Adrenal Hyperplasia. Journal Of Pediatric And Adolescent Gynecology, [s.l.], v. 30, n. 5, p.520-534, out. 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-014

Refbacks

  • There are currently no refbacks.