Considerações sobre fenilcetonúria- Vivência clínica do Hospital Infantil Albert Sabin / Considerations about Phenylketonuria- Clinical experience at Hospital Infantil Albert Sabin

Erlane Marques Ribeiro, Mariana de Souza Rocha Teixeira, Kalina Lívia Lopes Carneiro, Lívia Barbosa Herculano, André Luiz Santos Pessoa

Abstract


A fenilcetonúria (PKU) é uma doença genética rara (1: 13.500- 21.000 nascidos vivos), apesar de considerada o erro inato de metabolismo mais comum (BRASIL, 2005). A doença é decorrente da incapacidade da enzima fenilalanina hidroxilase converter fenilalanina (PHE) em tirosina (TYR) e assim a fenilalanina e outros metabólitos se acumulam, a tirosina é reduzida e essas alterações causam repercussões sistêmicas. (NETO, 2021, p.20)

Conforme NETO (2021) o diagnóstico da PKU deve ser preferencialmente realizado no período neonatal, antes do aparecimento dos sintomas clínicos, uma vez que a lesão neurológica é irreversível.

Com o aumento do conhecimento sobre PKU, ficou óbvio que o tratamento deveria ser o mais precoce possível e, aliado ao surgimento dos exames em papel filtro, que caracterizaram a triagem neonatal, foi transformada a história natural da PKU a ponto de não se aceitar que uma criança não faça triagem neonatal e que não tenha terapia para PKU no Brasil, já que é universalizada e gratuita para todas as crianças do país através do sistema único de saúde (SUS). (MENDES, et. Al. 2019, p. 18)

A falta da terapia por negligência da família pode ser considerada maus tratos à criança com consequências da lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, ao qual a mesma ressalta ainda sobre a perda da guarda da criança como consequência.

No Hospital Infantil Albert Sabin (HIAS) a triagem neonatal para fenilcetonúria e hipotireoidismo congênito iniciou após a publicação da Portaria GM/MS nº 822 do Ministério da Saúde (6/06/2001). O HIAS foi escolhido para ser centro de referência em triagem neonatal por ser um hospital de referência para os programas do ministério da saúde em que há emergência, cirurgia, enfermaria, UTI, ambulatório e todos os especialistas da equipe multidisciplinar que atendem crianças e adolescentes até 18 anos de idade de todo estado do Ceará. Assim, iniciou o ambulatório especializado para crianças com alterações na triagem neonatal. (NETO, 2021, p.27).

Apresentamos a caracterização da dietoterapia na fenilcetonúria no Hospital Infantil Albert Sabin.

 


Keywords


Fenilcetonúria, Dietoterapia, Triagem Neonatal, Fenilalanina.

References


Acosta P.B, Yannicelli S., et al Nutritien Inkates and growth of infants with phenylketonuria undergoing therapy. J. Pediatric Gastroenterol Nutritio, 1989.

BRASIL, Fenilcetonúria: diagnóstico e tratamento, Rev. Ciências Saúde, 23(4):263-270, 2012

BRASIL, Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, condições de maus tratos infanto-juvenil, Diário Oficial da união.

Greve LC, Wheeler MD, Green-Burgeson DK, Zorn EM. Breast-feeding in the management of the newborn with phenylketonuria: a pratical approach to dietary therapy. J Am Diet Assoc 1994;94:305-9.

MEMDES, Cristina Isadora, et. Al. Aspectos Gerais da Triagem Neonatal no Brasil: Uma Revisão. Rev. Revista Medica de Minas Gerais, ISSN (on-line): 2238-3182, n. 30 e-3008.

MINISTERIO DA SAÚDE, Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas Fenilcetonúria,, CONITEC, 2019.

MINISTERIO DA SÚDE, aleitamento materno e aleitamento complementar, Série A. Normas e Manuais Técnicos Cadernos de Atenção Básica – n.º 23, 2009.

MIRRA, Nádia VM, et. Al, Importância do diagnóstico e tratamento da fenilcetonúria, Rev. Saúde Pública vol.34 n.1 São Paulo Feb. 2016.

NATIONAL INSTITUTES OF HEALTH, Consensus Development Conference Statement March 26-28, 2001.

NETO, Benedito Rodrigues da Silva, A medicina imersa a um mundo de globalização em constante evolução. Editora Atena, 2021, v.1, e.2.

SCRIVER, criver CR, Kaufman S, KAUFMAN, Eisensmith RC, Woo SLC. The hyperphenylalaninemias. In: Scriver CR, Beaudet AL, Sly WS, Valle D (eds), 2001.

SCHMIDT BJ, et al. Fenilcetonúria: aspectos clínicos e terapêuticos. Pediatria al dia 1987;3:257-60.

SOARES, RODRIGUES, M. de L. A conduta dietoterápica no tratamento da doença do refluxo, v.1, e.1, 2001.

TORAL; Natacha, SLATER, Betzabech, Abordagem do modelo transteórico no comportamento alimenta, Rev. Ciênc. saúde coletiva vol.12 no.6 Rio de Janeiro Nov./Dec. 2007.

VOCKLEY et al. Diretrizes para deficiência de fenilalanina hidroxilase. Genetics in Medicine, Estados Unidos, volume 16, número 2, 188 – 201, fev. 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n9-012

Refbacks

  • There are currently no refbacks.