Saúde do homem: estímulos para o rastreamento primário da neoplasia prostática/ Man's health: stimulus for primary screening for prostatic neoplasia

Mirian Simone Miranda Simão, Daniela de Souza Lino, Marcos André de Oliveira, Marcella Mirelle Souza Pereira, Mikael Henrique de Jesus Batista, Roberio Luiz de Aquino, Marilene Alves Rocha

Abstract


O presente estudo tem como objetivo é evidenciar os fatores que dificultam a detecção precoce do câncer e próstata e as ações que podem ser desenvolvidas pela atenção básica nesse rastreio precoce.  Metodologia: Trata-se de uma revisão sistemática da literatura, sendo a busca realizada nas bases de dados: Scientific Eletronic Library Online (SciELO), Caribe em Ciências da Saúde (Lilacs) e Google Scholar, após o cruzamento dos descritores “saúde do homem”, “rastreamento” e “neoplasia prostática”, analise dos resultados, estratificou-se 30 artigos relacionados ao tema em questão, que logo após a leitura completa exclui-se 18 artigos, restando 12 estudos que fizeram parte da amostra final. Resultados: Compreende-se que o rastreamento e o diagnóstico precoce são de grande importância, pois detectando a doença no estágio primário, sucede melhor o tratamento, diminui o índice de mortalidade, como também os riscos das complicações e consequência do tratamento. Mas sabe-se que devido à baixa aderência desse público em buscar os atendimentos primários em consequência ao medo, preconceito e timidez, faz se necessário reforçar as ações de prevenção dessa doença. Conclusão: Há necessidades de explanar em maior proporção esse assunto, devido ao aumento alarmante na incidência dessa neoplasia, realizando atividades educacionais que aprofundam nas informações e conscientização desse público alvo.


Keywords


Saúde do Homem, Rastreamento e Neoplasia Prostática.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Novembro Azul. Campanha incentiva homens a cuidarem da saúde de forma integral. 2020. Acessado em 26/04/2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional da Atenção Integrada à Saúde do Homem (PNASH) 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional do Câncer. Ações de enfermagem para o controle do câncer: uma proposta de integração ensino–serviço. 2ª ed. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2002.

BRITO, ALF. Aumento da adesão ao rastreamento do câncer de próstata: projeto de intervenção na área de abrangência da equipe de saúde da família providencia, Pará de Minas-MG. Universidade Federal do Triângulo Mineiro (Trabalho de Conclusão de Curso)., 2015; Uberaba-MG. Acesso em: 16/06/2021.

FERRACIOLLI, C. J. et al. Conhecimentos e atitudes de servidores públicos sobre o câncer de próstata. Rev enferm UFPE online., Recife, v. 11, n. 4, p. 1659-1668, abr. 2017.

MESTRINHO BV, Gomes L, Almeida JLT, Almeida JC, Oliveira RVL. Esclarecer o idoso sobre o exame digital retal diminui o desconforto na sua primeira realização? Rev:Col Bras Cir. Acessado dia 16/03/2021.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. 2 Caderno de apoio ao Acolhimento. Orientações, rotinas e fluxos sob a ótica do risco /vulnerabilidade. Secretaria Municipal de São Paulo. SP. 2004.

RENATA LÍVIA S, Wilma Dias de Fontes e Talita Maia Barboza. Dificuldades de inserção do homem na atenção básica a saúde: a fala dos enfermeiros. Rev: Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 2015. Acesso dia 17/03/2021.

RICARDO EWBANK STEFFEN, AneteTrajman, Marisa Santos, Rosângela Caetano; Rastreamento popular para o câncer de próstata: mais risco que benefício. Rev: Tema Livre 2018; acessado dia 16/03/2021.

ROMEU GOMES, Elaine Ferreira do Nascimento e Fábio Carvalho de Araújo. Porque os Homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad. Saúde Pública., 23 (3), 2007. Acessado dia 16/03/2021.

SEOANE, A. F; Fortes, P.A. C. A percepção do usuário do programa saúde da família sobre a privacidade e a confidencialidade de suas informações. Saúde soc. 18 (1), 2009. Disponível em < http://www.scielo.br> Acesso em: 29/04/2021.

SILVEIRA ML. Família, cultura e prevenção. In: Anais do Seminário sobre Cultura, Saúde e Doença; 2000; Londrina (PR), Brasil. Londrina (PR): [s.n]; 2003. p 171-82.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE UROLOGIA. Câncer de próstata. São Paulo (SP): SBU; 2018. Disponível em: . Acesso em: 03 de maio de 2021.

VIEIRA CG, ARAÚJO WS, VARGAS DRM. O homem e o câncer de próstata: Prováveis reações diante de um possível diagnóstico. Revista Científica do ITPAC Araguaína. 2012; 5 (1). Disponível em:http://www.acimarmarialva.com.br/admin/arquivo_publicacoes/1380815497_cancer_de_prostata.pdf. Acessado dia 30/04/2021.

CHRISNE SB et al. Detecção precoce do câncer de próstata: atuação de equipe de saúde da família. Revista eletrônica enfermeria actual em costa rica. 2020, n.38, pp.32-44. Acessado dia 04/05/2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Ações de Enfermagem para o controle do Brasil. Política nacional de atenção integral à saúde do homem: princípios e diretrizes. Brasília, 2008. 488p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: princípios e diretrizes. Brasília, 2009. 92 p.

SANTOS NA, et al. Representações sociais de homens acerca do toque retal. Revista Saúde.com, Volume 9, Suplemento 3, dezembro, 2013, pp 11-12.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-439

Refbacks

  • There are currently no refbacks.