Campesinato na América Latina e o ensino de História da América / Peasantry in Latin America and the Teaching of Latin American History

Gerson Luiz Buczenko, Donizete Aparecido Fernandes

Abstract


O presente artigo buscar conhecer a realidade campesina na América Latina relacionando-a com o Ensino de História da América, em função da importância desta temática para a formação dos movimentos sociais que defendem a luta pela terra, presentes em todo o território Latino-Americano. Dessa forma, os objetivos específicos foram assim definidos: analisar a realidade campesina na América Latina em seus objetivos e lutas; analisar a luta pela terra no Brasil, com base nos princípios do MST; relacionar a atualidade dos movimentos campesinos e o ensino de História da América. A indagação de pesquisa foi estabelecida da seguinte forma: a luta campesina está presente no ensino de História da América? Segundo Rosset (2016) os movimentos sociais rurais constituídos por populações camponesas, indígenas e outras populações rurais defendem ativamente os espaços rurais, contestando-os com os agronegócios nacionais e transnacionais, bem como com outros atores do setor privado e seus aliados nos governos. Nesta defesa, eles se organizaram cada vez mais em alianças de movimentos e organizações transnacionais. Constituindo-se, assim, uma temática atual para o debate histórico sobre a realidade latinoamericana.


Keywords


História, Campesinato, Terra, Luta.

References


ALMEYRA, G. Notas sobre el fracasso de los “gobiernos progressistas” y el desarrollo rural em este siglo. Revista ALASRU-Nueva época. n.11. pp. 151-164. set. 2017.

BARBEIRO, H. Curso de História da América. São Paulo: Harbra, 1986.

CAMPOS, R. História da América. São Paulo: Atual, 1982

CHAUNU, P. História da América Latina. 3.ed. São Paulo: Difel, 1976.

CUNHA, M. G. C. Campesinato brasileiro: origens e ressignificações de um modo de vida tradicional. Disponível em:

. Acesso em: 05 jul. 2018.

DONGHI, H. História da América Latina. 4.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

JUNIOR, C.P. A questão agrária no Brasil. 2.ed. São Paulo: Brasiliense, 1979.

LA VIA CAMPESINA. Disponível em: . Acesso em: 06 jul. 2018.

LEITE, S.P.; SAUER, S. Expansão do agribusines, mercado de terras e estrangeirização da propriedade rural no Brasil: notas críticas sobre a dinâmica recente. In: MARTINS, R.C. (Org.). Ruralidades, trabalho e meio ambiente: diálogos sobre sociabilidades rurais contemporâneas. São Carlos: EdFSCar, 2014.

MARQUES, Marta Inez Medeiros. A Atualidade do uso do Conceito de Camponês.

Anais do XIII Encontro Nacional de Geógrafos, João Pessoa. AGB, 2002. CD-ROM.

MOVIMENTO SOCIAL DOS TRABALHADORES SEM TERRA (MST). Objetivos. Disponível em: . Acesso em 05 jul. 2018.

OLIVEIRA. A.U. A longa marcha do campesinato brasileiro: movimentos sociais, conflitos e Reforma Agrária. Estudos Avançados (15) 43. pp. 185-206. 2001. Disponível em:. Acesso em: 06 jul. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDADES PARA A AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO (FAO). Participación Campesina para una Agricultura Sostenible en Países de América Latina. Roma, 1994. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2018.

PERICÁS, L.B. Monopólios, desnacionalização e violência: a questão agrária no Brasil hoje. Margem Esquerda. n. 29. pp. 59-71. 2017.

PRADO. M. L. A formação das nações latino-americanas.13 ed. São Paulo: Atual, 1994.

PRADO. M. L.; PELLEGRINO, G. História da América Latina. São Paulo: Contexto, 2014.

ROSSET, P. M. La reforma agraria, la tierra y el territorio: evolución del pensamiento de La Vía Campesina. Mundo Agrário. v. 17, n. 35. p. e021. 2016. Disponível em:

Acesso em 23 jun. 2018.

VEGA, B. A. R. El movimiento campesino em América Latina durante la transición capitalista, 2008-2016. Segunda época. n.31. pp. 15-38. 2017. Disponível em:

. Acesso em:10 jul. 2018.

WANDERLEY, M.N.B. O campesinato brasileiro: uma história de resistência. RESR, Piracicaba-SP. v. 52, p. S025-S044. 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 jul. 2018.

WASSERMAN, C. (Org.). História da América Latina: cinco séculos. 4.ed. Porto Alegre: UFRGS, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-433

Refbacks

  • There are currently no refbacks.