As determinações do Ultraliberalismo e Neoconservadorismo para as políticas públicas de educação no contexto atual de retrocessos e ataques à Democracia / The determinations of Ultraliberalism and Neoconservatism for public education policies in the current context of setbacks and attacks on Democracy

Antônio Sousa Alves, Beatriz da Costa Carneiro, Siloah Jesseni Gomes Alves, Thadson Duarte Figueredo

Abstract


O texto analisa os efeitos das políticas ultraliberais e neoconservadoras para as determinações das políticas públicas educacionais no contexto atual. Para tanto, parte do Estado capitalista burguês e suas reconfigurações a partir das metamorfoses do capital e do avanço ultraliberal e neoconservador no campo das políticas educacionais brasileira. Utilizou-se de pesquisa qualitativa, a partir de uma revisão bibliográfica. Os autores referenciados foram: Bresser Pereira, Frigotto, Neves, Löwy, Mészáros, Gramsci, entre outros. Identificou-se que os rebatimentos das políticas ultraliberais, em um cenário neoconservador de extrema direita, fragilizam o processo de constituição das políticas educacionais, a exemplo das manifestações do projeto Escola sem Partido, que desconfigura a legitimidade democrática na escola, dos objetivos propostos pela BNCC e, ainda, a partir das determinações da EC 95/2016.


Keywords


Ultraliberalismo, Neoconservadorismo, Políticas Públicas Educacionais.

References


ARAÚJO, Raimundo Luiz Silva. Financiamento da educação básica no governo Lula: elementos de ruptura e de continuidade com as políticas do governo FHC. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade de Brasília. Brasília, 2007.

BRASIL. Emenda Constitucional n.95, de 15 de dezembro de 2016. Presidência da República, Brasília/DF, 2016.

______. MEC, Base Nacional Comum Curricular – BNCC, versão aprovada pelo CNE, novembro de 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf. Acesso em: 04 nov. 2020.

_______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 20 dez. 1996.

_______. Medida Provisória n. 746, de 23 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 Set. 2016.

BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos. A Reforma do estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Brasília, DF: Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, 1997. (Cadernos MARE da reforma do estado; v. 1)

CÁSSIO, Fernando L. Base Nacional Comum Curricular: ponto de saturação e retrocesso na educação. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 12, n. 23, p. 239-253, jul./out. 2018. Disponível em: Acesso em: 02 nov. 2020.

FREITAG, Barbara. Política educacional e indústria cultural. São Paulo: Cortez, 1987. (Coleção polêmicas do nosso tempo, v.26).

FRIGOTTO, G. Escola “sem” Partido. Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. 2a. reim- pressão. Rio de Janeiro: UERJ/LPP, 2018.

FRIZZO, Giovanni Felipe Ernst. Crise do capitalismo, política ultraliberal e a extinção do ministério do esporte. Revista Motrivivência, Florianópolis, v. 31, n. 60, p. 01-15, outubro/dezembro, 2019.

LÖWI, Michael. Da tragédia à farsa. O golpe de 2016 no Brasil. In: JINKINGS, Ivana; DORIA, Kim; CLETO, Murilo. (Org.). Por que gritamos o golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo, SP: Boitempo, 2016.

MARIANO, Cynara Monteiro. Emenda constitucional 95/2016 e o teto dos gastos públicos: Brasil de volta ao estado de exceção econômico e ao capitalismo do desastre. Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, vol. 4, n. 1, p. 259-281, jan./abr. 2017.

GENTILI, Pablo. Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: SILVA, Tomaz Tadeu da; GENTILI Pablo. (org.). Escola S.A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. CNTE: Brasília DF, 1996.

MELO, Adriana A. S. de. O projeto neoliberal e sociedade e de educação. In: LOMBARDI, José Claudinei; SANFELICE, José Luís. (orgs.). Liberalismo e educação em debate. Campinas, SP: Autores Associados, 2007. Cap. 7, p. 185-204.

MÉSZÁROS, István. A crise estrutural do capital. Tradução de Francisco Raul Cornejo. Boitempo, São Paulo: 2009.

MIGUEL, Luis Felipe. Da “doutrinação marxista” à “ideologia de gênero”: Escola sem Partido e as leis da mordaça no Parlamento brasileiro. Revista Direito & Práxis. Rio de Janeiro, Vol. 07, N.15, 2016, p. 590- 621.

MONTAÑO, Carlos. Terceiro setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção estatal. São Paulo: Cortez, 2005.

NEVES, Lúcia M. W. (org.). Educação e política n limiar do séc. XXI. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

PEREIRA, Ana Carolina de Oliveira Nunes; LIRA, Jailton de Souza. Educação e controle de constituciona- lidade: O projeto “escola livre” em Alagoas. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 27, p. 715-727, set./dez. 2019. Disponível em:

PERONI, Vera M. Vidal. Reforma do Estado e a tensão entre o público e o privado. In: Revista SIMPE – RS, p. 11-33. Porto Alegre, 2007.

SANTOS, Wéllia Pimentel. Educação e neoliberalismo: presença e papel do estado na educação brasileira contemporânea. Tecnia, v.4, n.1, 2019. p. 26-40.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-427

Refbacks

  • There are currently no refbacks.