Correlação clínico e radiológica dos nódulos de Heberden e Bouchard na osteoartrite de mãos/ Clinical radiological correlation of Heberden and Bouchard’s nodes in hand osteoarthritis

Gustavo de Camargo Barros Athayde Marcondes, Jean Paul Stéphane Robert Oury, Pedro Augusto Ramacioti Silva, Gilberto Santos Novaes

Abstract


Objetivo: Verificar a associação entre achados clínicos ao exame articular de mãos e os achados radiológicos no raio-x correspondente, em pacientes com osteoartrite de mãos.Métodos: Avaliados 13 pacientes em acompanhamento ambulatorial com diagnóstico de osteoartrite de mãos segundo critérios do Colégio Americano de Reumatologia (ACR). Dados clínico-demográficos como: sexo, idade e duração da doença foram obtidos. Exame clínico das mãos para a detecção dos nódulos de Heberden e Bouchard e anotado sua localização na mão foi realizada por examinador independente da avaliação radiológica. O estudo radiológico constou de raio-x simples de mãos de frente e bilateral. A presença ou não de redução de espaço articular (REA), erosões (E), esclerose óssea subcondral (ESC) e osteófitos (OST ) foram avaliados por examinador independente. Na análise estatística utilizou-se o teste do Qui-Quadrado corrigido pelo método de Yates.Resultados: Nos 13 pacientes estudados avaliamos 234 articulações, sendo encontrados nódulos em 184 (78%) pacientes e em 50 (22%) não. Nas 184 articulações, em 81 (34%) havia concordância do exame clínico com o exame radiológico e em 9  (3,8%) não. 23% dos pacientes eram do sexo masculino e 77% do sexo feminino, média de idade dos pacientes de 63 anos. A duração de doença em média de 6,76 anos. REA) associada ã ESC) foi encontrada em 42 de 81 articulações com nódulos e alteração no exame radiológico, respondendo por 51% das articulações com correlação clínico-radiológica. REA associada a ESC associada a Osteófito (OST) em 15 (16,6%). REA isolada em 14,4%. REA associada a ESC associada a Erosão (E) em 5,5%. REA associada a ESC associada a E associada a OST em 5 (5,5%). REA associada a E associada a OST em 3 (3,3%). ESC isolada em 2 (2,2%). REA associada a E em 2 (2,2%). ESC associada a OST em 1 (1,1%). OST isolada em 1 (1,1%) das articulações com nódulos e alteração no exame radiológico. A análise dos resultados mostrou que existe associação clínico-radiológica na OA em relação aos nódulos de Heberden e Bouchard (p = 0,001).Conclusão: A alterações radiológicas mais prevalente foram a redução do espaço articular associada à esclerose subcondral, representando 51,8% das alterações radiológicas associadas aos nódulos de Heberden e Bouchard. Nossos resultados demonstram haver uma correlação entre o achado clínico de nódulos de Heberden e Bouchard e alterações radiológicas em pacientes com osteoartrite de mãos.


Keywords


osteoartrite, nódulos de Heberden e Bouchard, imagem radiológica, osteófitos, articulação da mão.

References


Kalichman L, Cohen Z, Kobyliansky E, Livshits G. Patterns of joint distribution in hand osteoarthritis: Contribution of age, sex, and handedness. Am J Hum Biol 2004;16:125–342.

Dennison E, Cooper C. Osteoarthritis: epidemiology and classification. In: Hochberg MG, Silman A, Smolen J, Weinblatt M, Weisman M, editors. Rheumatology. St Louis: Elsevier; 2007.

Stecher RM. Heberden’s nodes. Heredity in hypertrophic arthritis of the finger joints. Am J Med Sci 1941; 201:801.

Fumagalli M, Sarzi-Puttini P, Atzeni F. Hand osteoarthritis. Semin Arthitis Rheum. 2005; 34(6):47–52.

Chahade WH et al. Osteoartrose. Revista Brasileira de Medicina. 2001; 58(5):304-14.

Felice JC, et al. Osteoartrose. Temas De Reumatologia Clínica. 2002; 3 (3):68-81.

Hinterholz EL, Von Mühlen CA. Como diagnosticar e tratar osteoartrose. Revista Brasileira de Medicina. 2003; 60(12):87-91.

Vannucci AB et al. Como diagnosticar e tratar Osteoartrose. Revista Brasileira de Medicina. 2002; 59(12):36-46.

Coimbra, IB; Pastor, EH; Greve, JMD et al. Consenso brasileiro para tratamento da osteoartrite (artrose). Rev Bras Reumatol. V 42, N.6: p. 371 – 373. 2002.

Altman R, Alarcon G, Appelrouth D et al. The American College of Rheumatology criteria for the classification and reporting of osteoarthritis of the hand. Arthritis Rheum 1990; 33:1601-10.

Ciccutini FM, Baker J, Hart DJ, Spector TD. Relation between Heberden’s nodes and distal interphalangeal joint osteophytes and their role as markers os generalized disease. Ann Rheum Dis 1998;57:246-248.

Perrotta FM, Scriffigiano S, De Socio A, Lubrano E. Rheumatol Ther 2019; 6:125-133.

Addimanda O, Mancarella L, Dolzani P et al. Clinical and radiographic distribution of structural damage in erosive and nonerosive hand osteoarthritis. Arthritis Care Res 2012; 64:1046-1053.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-392

Refbacks

  • There are currently no refbacks.