O silêncio, a leitura de textos literários e o ócio como formas de resistência na contemporaneidade / Silence, reading literary texts and leisure as forms of resistance in contemporary times

Berta Lúcia Neves Ponte, Marlo Renan Rocha Lopes

Abstract


A contemporaneidade cansada nos revela patologias decorrentes de uma produtividade potencializada por uma hiperconexão interativa em redes sociais e de trabalho. O sujeito contemporâneo reproduz a ordem imperativa de fazer sempre mais, em uma aceleração que lhe dá a ilusão de preencher um vazio existencial. Este estudo tem como foco pensar o silêncio, o ócio e a leitura de textos literários como formas de resistência na contemporaneidade. Para isso, foi realizada uma revisão narrativa de literatura, a partir de livros e nas bases de dados PePSIC, SciELO e BDTD – IBICT. Restituir o silêncio e convocar a experiência da leitura de textos literários talvez nos permita usufruir dos vazios e desertos existenciais, não como desesperos e fugas, mas com inscrições e reinscrições de sentidos e significados: resistindo a uma contemporaneidade que nos vende a ilusão de que não podemos parar e de que a experiência está sempre fora do sujeito. O ócio vai na contramão dessa ordem produtiva, manifestando uma resistência na escuta silenciosa de si e do mundo que nos cerca, bem como proporcionando a temporalidade e o espaço adequados para a leitura potencialmente transformadora de si. O mundo contemporâneo gera um vazio de pensamento que o ócio tem potenciais para preencher, tanto na forma do silêncio restaurador como na forma da leitura de textos literários capazes de proporcionar a elaboração de novos sentidos para o sujeito.


Keywords


Contemporaneidade, Resistência, Silêncio, Ócio e Trabalho.

References


Almeida, L. P. (2008). Literatura e subjetividade: reflexões sobre a linguagem e o exercício da liberdade. Artigo apresentado no IV Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (ENECULT), Salvador, BA. Retirado de http://www.cult.ufba.br/enecult2008/14418.pdf

Almeida, L. P. (2009). Escrita e Leitura: a produção de subjetividade na experiência literária. Curitiba: Juruá.

Almeida, L. P. (2014). A experiência total da leitura literária. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 66(2), 143-158.

Aquino, A. B. C., & Martins, O. C. J. (2007). Ócio, Lazer e Tempo livre na sociedade do consumo e do trabalho. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 8(2), 479-500, 2175-3644.

Arendt, H. (2009). Sobre a violência. Rio de Janeiro, RJ: Civilização brasileira.

Bauman, Z. (2005). Vida liquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Benjamin, W. (1994). Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense.

Beriaín, J. (2008). Aceleração y Tiranía del Present. La metemorfosis em las estruturas temporales de la modernidade. Barcelona, ES: Anthopos.

Blanchot, M. (1987). O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco.

Breton, D. L. (1999). Do Silêncio. Lisboa, Portugal: Instituto Piaget.

Cabral, M. C. (2006). Encontros que nos movem: a leitura como experiência inventiva. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Candido, A. (1999). A literatura e a formação do homem. Remate de males, 19(1), 81-90.

Chevalier, J. & Gheerbrant, A. (2012). Dicionário de símbolos. Rio de Janeiro: José Olympio.

Cuenca, M. A. & Martins, J. C. (orgs.) (2008). Ócio para viver no século XXI. Fortaleza: As Musas.

Deleuze, G. (1997). Crítica e Clínica. Rio de Janeiro: Editora 34.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1995). 20 de Novembro de 1923 - Postulados da Linguística. In G. Deleuze & F. Guattari (Orgs.), Mil Platôs, capitalismo e esquizofrenia (v. 2, pp. 11-59). Rio de Janeiro: Editora 34.

Dumazier, J. (1979). Lazer e cultura popular – Debates, São Paulo: Perspectiva.

Ehrenberg, A. (2000). La fatigue d’être soi- dépression et société. Paris: Odile Jacob.

Foucault, M. (2001). O que é um autor? In M. B. da Motta (Org.), Ditos e Escritos: Vol. 3. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema (pp. 264-298). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2014). Vigiar e punir. Petrópolis, RJ: Vozes.

Freire, J. C. (2008). Literatura e psicologia: a constituição subjetiva por meio da leitura como como experiência. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 60(2), 2-9.

Grabois, P. F. (2011). Resistência e revolução no pensamento de Michel Foucault: contracondutas, sublevações e lutas. Cadernos de ética e filosofia política 19, 2/2011, pp. 07-27. São Paulo –USP.

Han, B. (2015). Sociedade do cansaço. Petrópolis, RJ: Vozes.

Han, B. (2016). No Enxame. Reflexões sobre o digital. Lisboa, Portugal: Antropos.

Han, B (2017). Sociedade da transparência. Petrópolis, RJ: Vozes.

Han, B. (2017). A agonia de Eros. Petrópolis, RJ: Vozes.

Kramer, S. (2000). Leitura e escrita como experiência: seu papel na formação de sujeitos sociais. Presença pedagógica, 6(31), 17-27.

Lafargue, P. (1999). O Direito à Preguiça. (T. Coelho, trad.). São Paulo, SP: Unesp.

Larossa, J. B. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro – RJ. (19), 20-28, DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782002000100003.

Larrosa, J. (2003). La experiencia de la lectura. México: Fondo de Cultura Económica.

Larrosa, J. B. (2014) Tremores: Escritos sobre experiência. (C. Antunes, J. W. Geraldi, trad.). Belo Horizonte: Autêntica.

Lima, I. P. (2017). Construir modernidade no século XXI: Aceleração – Intervalo – Interpretação. Word of Literatura – Journal for Modern Literatures; (1), 13-22, 2336-6729.

Lipovetsky, G. (2007). Os tempos Hipermodernos. São Paulo: Editora Barcarolla.

Marinho, C. M. (2017). Os limites de resistência e de poder na relação entre direitos humanos e biopolítica. Revista Dialectus, ano 4. n.11. p. 88-99. ISSN- 2317-2010. DOI 10.30611

Martins, J. C. (2013). Tempo livre, ócio e lazer: sobre palavras, conceitos e experiências. Organização:Martins, J. C. & Baptista, M. M. O ócio nas culturas contemporâneas .Coimbra, Portugal, Coimbra: Grácio.

Matos, O. (2012). Educação para o ócio: da acídia à “preguiça heroica”. Organização: Novaes, A. Mutações: Elogio à preguiça São Paulo: SESC SP.

Matos, O. (2014). A escola do silencio: Acídia e contemplação. Organização: Novaes, A. Mutações: O silencio e a prosa do mundo. São Paulo: SESC SP.

Morgan, W. J., & Zimmermann, A. C. (2015). A time for silence? Its possibilities for dialogue and for reflective learning. Studies Philosophy and Education. 35(4), 399-413; DOI 10.100/s11217-015-9485-0.

Novaes, A. (org.) (2012). As aventuras de uma palavra maldita. Mutações: Elogio à preguiça. São Paulo: SESC SP.

Novaes, A. (org.) (2014). Treze notas sobre o silêncio e a prosa do mundo. Mutações: O silencio e a prosa do mundo. São Paulo: SESC SP.

Piegay-Gros, N. (2002). Le lecteur, textes choisis & présentés par Nathalie Piegay-Gros. Paris: G. F. Flammarion.

Ribeiro, H. J. (2014). Pensar o neutro e seu silencio: Esta radicalidade em potência. Revista Outra travessia. Rio Grande do Sul – RS. (18), 161-170, DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2176-8552.2015n18p161.

Salis, V. D. (2013). Ensaiando uma epistemologia sobre os termos ócio e trabalho. Organização: Martins, J. C. & Baptista, M. M. O ócio nas culturas contemporâneas.Coimbra, Portugal, Coimbra: Grácio.

Steiner, G. (2014). Linguagem e silêncio. Portugal, Lisboa: Gradiva.

Wolff, F. (2012). Apologia grega à preguiça. Organização: Novaes, A. Mutações: Elogio à preguiça São Paulo: SESC SP.

Yamakawa, I. A., & Tofalini, L. A. B. (2016). Aprender a rezar na era da técnica, de Gonçalo M. Tavares: Silencio primordial. Memento. Revista de linguagem, cultura e discurso. 7(1), 1-19, 1807-9717. UNINCOR.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-384

Refbacks

  • There are currently no refbacks.