Tratamento antiofídico: número de ampolas utilizadas relacionado a complicações cirúrgicas em acidentes ofídicos no cemetron / Antiophidal treatment: number of ampoules used related to surgical complications inophidal accidets in a western amazônia hospital

Victor Hugo Santos Coelho, Mariana Oliveira Tavares, Rodolfo Luis Korte

Abstract


O ofidismo lidera as estatísticas no Norte e em Rondônia quanto à prevalência de acidentes por animais peçonhentos. Porto Velho é responsável por 22,73% de casos notificados por ano no Estado, representado o município com maior registro em Rondônia.  O Centro de Medicina Tropical de Rondônia (CEMETRON), situado na capital do estado, é referência em tratamento desse tipo de acidente e recebe encaminhamento de diversas regiões próximas. O tratamento do paciente vítima de acidente ofídico deve ser administrado o mais breve possível, buscando neutralizar a ação do veneno inoculado e suas consequências no organismo. A terapia antiveneno (SAV) deve ser realizada após a identificação do tipo de acidente (Botrópico, Crotálico, Laquético ou Elapídico) e da gravidade do mesmo que pode ser classificado como leve, moderado ou grave de acordo com avaliação clínica-laboratorial inicial do paciente, sempre realizada em ambiente hospitalar e associada a outras medidas de suporte de acordo com as necessidades do paciente. São complicações frequentes nos pacientes vítimas de acidente ofídico: complicações locais como abscesso, Síndrome Compartimental e necrose tecidual próxima às áreas de inoculação do veneno são passiveis de tratamentos cirúrgicos como, drenagem, fasciotomia ou desbridamento e complicações sistêmicas como insuficiência renal, hemorragias e até óbito. Observou-se, assim, que a maioria dos pacientes que apresentaram complicações cirúrgicas foram classificados inicialmente como graves. Dessa forma, foram realizados cálculos estatísticos como o Odds Ratio e o Teste Exato de Fisher para verificar se houve uma relação estatisticamente significativa entre essas duas variáveis (número de ampolas/gravidade e tratamento cirúrgico).     

 


Keywords


Ofidismo, Tratamento, Complicações Cirúrgicas, Amazônia Ocidental.

References


(1) MINISTÉRIO DA SAÚDE. Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN. Disponível em: http://portalsinan.saude.gov.br. Acesso em: 26 jul. 2017.

(2) MINISTÉRIO DA SAÚDE. Serviço de Vigilância em Saúde - Portal da Saúde. Disponível em: http://saude.gov.br. Acesso em: 26 jul.2017.

(3) MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos. Fundação Nacional de Saúde,1998.

(4) TANÚS, J.M, RIBEIRO, L.A. Acidentes por serpentes peçonhentas do Brasil. Rev Ass Med Bras 1990; 36: 66-77.

(5) BURDMANN, E.A et al. IRA nefrotóxica: Animais peçonhentos. In: Schor N, Boim MA, Santos OFP. (ed). Insuficiência Renal Aguda: Fisiopatologia, Clínica e Tratamento, 1ª ed. São Paulo, Ed. Sarvier, 1997; 135-41.

(6) BOCHNER, R; STRUCHINER, C.J. Epidemiologia dos acidentes ofídicos nos últimos 100 anos no Brasil: revisao. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, 19 (1):7-16, 2003. 10p.

(7) Instituto Butantan. Animais Peçonhentos: Serpentes. Série Didática 5. São Paulo, SP, 2003.

(8) FEITOSA, R.F.G. et al. Epidemiologia dos Acidentes por Serpentes Peçonhentas no Estado do Ceará – Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 30(4):295-301, jul-ago, 1997.

(9) LEIS, L.B; CHEBABO, A. Diretrizes Diagnósticas de Acidentes com Animais Peçonhentos. Serviço de Doenças Infecciosas e Parasitárias do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho. UFRJ S

(10) SECRETARIA DA SAÚDE. (Ofídios) Acidente Botrópico. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br. Acesso em: 26 jul.2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-374

Refbacks

  • There are currently no refbacks.