Tempo de permanência de crianças diagnosticadas com sepse em UTI e estudo dos dispositivos usados nesses pacientes. / Length of stay of children diagnosed with sepsis in ICU and study of the devices used in these patients.

Sylvia Chacon Tavares, Luís Daniel Nóbrega Santos, Rafaella Casé de Lima, Arthur Burgos Souto Maior, Ana Catarina Accioly Gomes, Regina Coeli Ferreira Ramos, Erideise Gurgel da Costa

Abstract


A sepse é definida pela presença de disfunção orgânica ameaçadora à vida secundária a resposta desregulada do organismo a determinada infecção. Caso não haja um tratamento adequado da sepse inicialmente pode haver evolução para choque séptico. Pacientes com sepse geralmente requerem internação na unidade de terapia intensiva (UTI). Através desse estudo conclui-se que o óbito causado por sepse bem como a taxa de incidência da doença pode ocorrer em pacientes mais jovens. Além de 100% dos óbitos terem ocorrido no grupo de recém-nascidos, a incidência da doença é drasticamente mais prevalente em crianças mais jovens: 67% dos pacientes eram recém nascidos e apenas 31% era lactente e 1% era pré-escolar.


Keywords


sepse, UTI, dispositivos, choque séptico

References


FRANCA, Elisabeth Barboza et al . Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Rev. bras. epidemiol., São Paulo , v. 20, supl. 1, p. 46-60, May 2017.

Goulart, Ana Paula et al. Fatores de risco para o desenvolvimento de sepse neonatal precoce em hospital da rede pública do Brasil. Rev. bras. ter. intensiva, São Paulo , v. 18, n. 2, p. 148-153, June 2006.

Harley A, Latour JM and Schlapbach LJ. The role of parental Concerns in the Recognition of sepsis in Children: A literature review. Frontiers in Pediatric. 2019.

Kayom, Violet Okaba et al. Burden and factors associates with clinical neonatal sepsis in urban Uganda: a community cohort study. BMC pediatric, Londres.

MANGIA, Cristina Malzoni Ferreira et al. Bacterial sepsis in brazilian children: A Trend Analysis from 1992 to 2006. Plos One, v. 6, n. 6, p.1-9, Jun. 2011.

Medeiros, Flávia do Valle Andrade et al. Procedimentos invasivos e sepse em recém-nascidos de muito baixo peso: estudo descritivo. Online Brazilian Journal of Nursing, Rio de Janeiro, v 15, n. 04. 2016.

RIBEIRO, AM. MOREIRAM JL. Sepsis in childhood: epidemiological profile and microbiologic diagnosis. J pediatric (Rio J). 1999; 75(1):39-44.

Shane, L Andi et al. Neonatal sepsis. The Lancet, v.390, p. 1770-1780, April 2017.

Silveira, Cássia de Rita; Procianoy, S. Renato. Uma revisão atual sobre sepse neonatal. Boletim Científico de pediatria, Porto Alegre, v. 01, n. 01. 2012.

SINGER, M. et al. The Third International Consensus Definitions for Sepsis and Septic Shock (Sepsis-3). Journal of the American Medical Association, Chicago, v. 315, n. 8, p. 801-810, Fev. 2016.

Souza, Daniela de Carla et al. The epimidemiology of sepsis in childhood.

VanBuren, J., Holubkov, R., Bratton, S., & Bennett, E. Presence of Invasive Devices and Risks of Healthcare-Associated Infections and Sepsis. Journal of Pediatric Intensive Care. 2018.

Warttig, S., Alderson, P., Evans, D. J., Lewis, S. R., Kourbeti, I. S., & Smith, A. F. Automated monitoring compared to standard care for the early detection of sepsis in critically ill patients. Cochrane Database of Systematic Reviews. 2018




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-369

Refbacks

  • There are currently no refbacks.