Perfil sociodemográfico da violência doméstica e sexual sofrida pelas mulheres no nordeste Basileiro, de 2014 a 2018 / Sociodemographic profile of domestic and sexual violence suffered by women in northeastern Brazil from 2014 to 2018

Leandra Josefa dos Santos, Mônica Tavares de Menezes, Monique Rayane Santos Silva, Sarana Héren Pereira Ribeiro, Luciana Dilane dos Santos Barbosa

Abstract


Introdução:A violência contra a mulher é classificada em cinco formas distintas, sendo estas a física, psicológica, sexual, moral e patrimonial. Pode ocorrer separadamente ou em forma conjunta e estão descritas na lei Maria da Penha. Objetivo: Descrever o perfil sociodemográfico de mulheres que foram violentadas, no Nordeste de 2014 a 2018, através de dados do SINAN. Metodologia: Trata-se de um de uma pesquisa epidemiológica descritiva transversal, com abordagem quali-quantitativa. Resultados e Discussão:  A amostra revela que maior parte das mulheres acometidas por violência são de idade jovem, sobretudo entre 20 e 29 anos e possuem baixa escolaridade, enquanto as que possuem maior grau de instrução apresentam menor índice de acometimento. Conclusão: Observou - se nos dados coletados que as notificações realizadas foram por mulheres em condições extremas de pobreza ou de baixa classe social, não havendo um tópico específico para classe média e alta no banco de dados consultado.


Keywords


Violência Contra a Mulher, Prevalência, Epidemiologia

References


BRASIL. Decreto nº 1.973, de 1 de agosto de 1996. Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher: convenção de Belém do Pará, Brasília, DF: Brasil, ano 1996, p. 2, 1 ago. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1996/D1973.htm. Acesso em: 25 nov. 2019.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. DAS FORMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER. Brasília, DF: Brasil, ano 2006, p. 1, 7 ago. 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm#art46. Acesso em: 25 nov. 2019.

Garcia LP. A magnitude invisível da violência contra a mulher. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 25, n. 3, p. 451-454, set. 2016. Disponível em . acessos em 18 nov. 2019. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742016000300001.

Araújo BF, Pereira FMF, Freitas PVL, Saturnino VS, Santos EVL. Análise da Prevalência dos Tipos de Violência Contra a Mulher na Região Nordeste. Journal of Medicine and Health Promotion. Patos, v. 4, n. 1 jan/mar 2019, p. 1086-1095. 2019. Disponível em: https://docplayer.com.br/164610450-Analise-da-prevalencia-dos-tipos-de-violencia-contra-a-mulher-na-regiao-nordeste-analysis-of-the-prevalence-of-violence-against-women-in-the-northeast.html Acesso em 18 de novembro de 2019.

Bordalo AA. Estudo transversal e/ou longitudinal. Rev. Para. Med., Belém, v. 20, n. 4, p. 5, dez. 2006. Disponível em . acessos em 26 nov. 2019.

Fontelles MJ, Simões MG, Farias SH, Fontanelles RGS. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA: DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE UM PROTOCOLO DE PESQUISA. Rev. Para. Med. Amazônia. jul.-set. 2009. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=588477&indexSearch=ID Acesso em: 26 nov. 2019.

GIL AC - Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed.-São Paulo:Atlas,2010.

Densidade demográfica: IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/552/cd_2010_agsn_if.pdf . Acesso em: 02 Jan. 2020.

População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010.

Costa LMG, Zucatti APN, Dell'aglio DD. Violência contra uma mulher: levantamento de casos atendidos no setor de psicologia de uma delegacia para uma mulher. Estud. psicol. (Campinas) , Campinas, v. 28, n. 2, p. 219-227, junho de 2011. Disponível em . acesso em 05 de março de 2020. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2011000200009 .

Silva MCM, Brito AM , Araújo AL, Abath MB . Caracterização dos casos de violência física, psicológica, sexual e negligências notificados em Recife, Pernambuco, 2012. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 22, n. 3, p. 403-412, set. 2013 . Disponível em . acessos em 06 mar. 2020. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742013000300005.

Soares BM. A 'conflitualidade' conjugal e o paradigma da violência contra a mulher. Revista de estudos de conflito e controle social. V. 5, n. 2, (2012). Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/dilemas/article/view/7326 Acesso em: 5 de março. 2020.

Teles MAA, Melo M. O que é violência contra a mulher. São Paulo. Editora Brasiliense, 2017.

Bandeira LM. Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. Soc. estado., Brasília , v. 29, n. 2, p. 449-469, Aug. 2014 . Available from . access on 04 Jan. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922014000200008.

Silva LEL, Oliveira MLC. Características epidemiológicas da violência contra a mulher no Distrito Federal, 2009 a 2012. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 25, n. 2, p. 331-342, June 2016 . Available from . access on 05 Mar. 2020. https://doi.org/10.5123/s1679-49742016000200012.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. DAS FORMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER. Brasília, DF: Brasil, ano 2006, p. 1, 7 ago. 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm#art46. Acesso em: 25 nov. 2019.

Pereira RCBR, Loreto MDS, Damiano Teixeira KM, Sousa JMM. O fenômeno da violência patrimonial contra a mulher: percepções das vítimas. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 24(1), 206-235. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/oikos/article/view/3653 Acesso em 6 de março,2020.

Ximenes AVB.Descortinando invisibilidades: violência patrimonial e a fixação de alimentos para vítimas de violência doméstica. Ciências Sociais Aplicadas. Salvador.17-Jun-2019. Disponível em: http://ri.ucsal.br:8080/jspui/handle/prefix/900 Acesso em: 6 de março, 2020.

Ministério da Saúde/SVS - Sistema de Informação de Agravos de notificação - SINAN NET.

Zancan N, Wassermann V, Lima GQ. A violência doméstica a partir do discurso de mulheres agredidas. Pensando fam., Porto Alegre , v. 17, n. 1, p. 63-76, jul. 2013 . Disponível em . acessos em 03 jan. 2020.

Gomes TMV, Rosa DOA, Tavares R, Melo EM, Melo VH. Avaliação da interface dos diferentes tipos de violência provocada pelo parceiro íntimo contra a mulher. Rev. Méd. Minas Gerais. 26 (Supl 8): S62-S67, 2016. Disponível em: http://rmmg.org/artigo/detalhes/2124 . Acesso em: 03 Jan 2020.

Andrade RO. As faces da violência doméstica. Demografia Pol. Públicas. Saúde Pública. Sociol. Ed. 277. mar. 2019. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/2019/03/07/faces-da-violencia-domestica/ . Acesso em: 03 Jan. 2020

Leite FM,Costa, Bravim LR, Lima EFA, Primo CC.Violência contra a mulher: caracterizando a vítima, a agressão e o autor. Rev. pesqui. cuid. fundam. Rio de janeiro. (Online);7(1):2181-2191, jan.-mar. 2015. tab. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=BDENF〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=26717&indexSearch=ID Acesso em: 5 de março, 2020.

Barbosa KGN, Walker BB, Schuurman N, Cavalcanti SDLB, Ferreira EF, Ferreira RC. Epidemiological and spatial characteristics of interpersonal physical violence in a Brasilian city: A comparative study of violent injury hotspots in familial versus non-familial settings, 2012-2014. PLOS One. v. 14, n.1, p. 1-19. Jan.2019. Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0208304 . Acesso em: 04 Jan. 2020. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0208304




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-320

Refbacks

  • There are currently no refbacks.