A ciência latino-americana relacionada à hanseníase: um estudo bibliométrico/ Latin american science related to leprosy: a bibliometric study

Daniel Madeira Cardoso, Roberta Pamplona Frade Madeira, Nathália dos Santos Marques, Sara Fiorillo Rocha de Resende, Lucas Gomes Viegas Junior, Isabela Patrício de Souza Ervilha, Robson Jose da Silva Junior, Marco Aurélio Libório Sinhorini Fonseca, Samanta de Abreu Gonçalves, Lucas Capita Quarto

Abstract


A hanseníase é uma doença infectocontagiosa causada pelo Mycobacterium leprae. A moléstia pode acarretar incapacidade física, incluindo complicações graves como: garras, úlceras tróficas, reabsorções ósseas ou lesões oftalmológicas. O Brasil é o segundo na relação de nações com maior número de casos, atrás somente da Índia. Ademais, outras nações latino-americanas registraram proporções importantes de casos com incapacidades expressivas nos últimos anos. Desse modo, o objetivo do presente trabalho consiste em caracterizar a produção científica latino-americana relacionada à hanseníase a partir da base Scopus. Trata-se de um estudo bibliométrico com o descritor de busca “leprosy” realizado em maio de 2021. Incluíram-se as variáveis: país de origem, ano, instituição, modalidade de publicação, área do conhecimento, periódico e autor. Para avaliar a progressão temporal das pesquisas, aplicou-se a regressão linear simples no programa estatístico Graphpad Prism 7, com valores de p<0,05 fixados como significativos. Totalizaram-se 1.978 publicações latino-americanas sobre hanseníase em todo o período estudado. Os países mais produtivos foram: Brasil (n=1.632; 82,51%), México (n=124; 6,27%), Colômbia (n=89; 4,50%), Argentina (n=58; 2,93%) e Cuba (n=29; 1,47%). Em se tratando de parceiros externos, os Estados Unidos da América auxiliaram em 245 (12,38%) trabalhos; e o Reino Unido em 89 (4,49%). No que concerne à progressão temporal das pesquisas, o ano com menor quantidade de estudos foi 2006 (n=71; 3,58%); enquanto o maior corresponde a 2018 (n=204; 10,31%), com conclusão da série histórica em 2020 com 167 (8,84%) estudos. Houve correlação entre o avanço do tempo e o aumento no número de manuscritos (p=0,0002). É interessante citar que o passar dos anos explica em 67,61% o incremento no número de trabalhos (r2=0,6761). Também houve destaque para: Instituição Fundação Oswaldo Cruz (n=331; 17,73%), modalidade artigo (n=1570; 79,37%), periódico Anais Brasileiros de Dermatologia (n=130; 6,57%), área médica (n=1623; 82,05%) e autor Sarno, E.N. (afiliado à Fundação Oswaldo Cruz) (n=131; 6,62%). Diante da relevância do tema, torna-se imperativo o maior investimento em estudos latino-americanos sobre hanseníase.


Keywords


Hanseníase, Bibliometria, Ciência, América Latina.

References


BASOMBRIO, B. et al. Comision of classification – Draft Report of Classification Committee. Memoria de VI Congreso Internacional de Leprologia. Madrid : Gobierno de España y Asociacion Internacional de la Lepra; 1953, pp. 75-86.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de vigilância em saúde: volume único. 3ed. Brasília; 2019.

CARDOSO, D.M. et al. Análise e caracterização da produção científica sobre a COVID-19 e sua associação com a mortalidade e ocorrência de casos. Revista Transformar. Edição especial “Covid-19”: pesquisas, diálogos transdisciplinares e perspectivas. 2020a.

CARDOSO, D.M. et al. Estados brasileiros com maior produção científica sobre medicina de família e comunidade apresentam maiores expectativas de vida. Brazilian Journal of Development. v.7, n.1, p.7457-7471, 2021.

CARDOSO, D.M. et al. Evolução da vacinologia na última década: uma análise cientométrica a partir de base de dados selecionada. Brazilian Journal of Development. v.6, n.10, p.76597-76610, 2020b.

CARDOSO, D.M.; GOMIDES, T.A.R. Contexto clínico-epidemiológico dos casos de hanseníase notificados em Governador Valadares, Minas Gerais, entre 2015 e 2019. Saúde (Santa Maria). v.26, n.2: e44459, p.1-12, 2020.

CARDOSO, D.M.; QUARTO, L.C. Produção científica mundial e nacional sobre o sarampo: caracterização do conteúdo indexado à base scopus no período de 2010 a 2019. In: CASTRO, L.H.A; PEREIRA, T.T. (eds). Ciências da saúde: avanços recentes e necessidades sociais 2. Editora Atena, p.154-168; 2020.

COLANTONIO, L.D. et al. Publicações de pesquisas cardiovasculares da América Latina entre 1999 e 2008. Um estudo bibliométrico. Arq Bras Cardiol. v.104, n.1, p.5-15, 2015.

FREITAS, D. Estratégias Na Busca De Parcerias Internacionais. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 42, supl. 1, p. 81-82, set. 2015.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ (FIOCRUZ). Laboratório de Hanseníase. 2021. Acesso em: 18 de junho de 2021. Disponível em: http://www.fiocruz.br/ioclabs/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=62

GENOVEZ PF, PEREIRA FR. O “drama” da hanseníase: Governador Valadares, as políticas públicas de saúde e suas implicações territoriais na década de 1980. História, Ciências, Saúde. v.23, n.2, p.379-396, 2016.

GOMES, A.R. Evasão universitária: uma proposta de gestão digital da permanência para instituições de ensino superior privadas. 2018. Tese (Pós-graduação Cognição e Linguagem). Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Campos dos Goytacazes, 2018.

JARDIM, C.P. Análise da produção científica brasileira sobre hanseníase identificada na base de dados Web of Science. Arq. Cienc. Saúde UNIPAR. v. 24, n. 2, p. 105-111, 2020.

LIMA, M.O. et al. Doença de chagas: estudo dos indicadores bibliométricos e da mortalidade associada ao agravo no Brasil, 2008-2018. In: CARDOSO, D.M. (organizador). Ensino, pesquisa e extensão aplicados às ciências médicas. Editora Conhecimento Livre, p.490-511; 2020.

LIMA, M.O. et al. Produção científica brasileira sobre sífilis congênita: um estudo bibliométrico a partir da base scopus. Brazilian Journal of Development. v.7, n.2, p.13516-13534, 2021.

LEMES RM; PESSOLANI, M.C.; DE MACEDO, C.S. High-density lipoprotein as a new target for leprosy therapy. Future Microbiol. v.15, p. 1197-1199, 2020.

MI, Z.; LIU, H.; ZHANG, F. Advances in the Immunology and Genetics of Leprosy. Front Immunol. v.11; n.567; p.1-15; 2020.

PROPÉRCIO, A.N.A. et al. The Treatment of Leprosy from an Integrative Review. Brazilian Journal of Health Review. v.4, n.2, p 8076-8101, 2021

RIDLEY, DS; JOPLING, WH. A classification of leprosy for research purposes. Lepr Rev v.33, n.119-128; 1962.

SAINI, C.; RAMESH, V.; NATH, I. CD4+ Th17 cells discriminate clinical types and constitute a third subset of non Th1, Non Th2 T cells in human leprosy. PLoS Negl Trop Dis. v. 25, n.7:e2338, 2013.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA (SBD). ANAIS BRASILEIROS DE DERMATOLOGIA. 2021. Acesso em 18 de agosto de 2021. Disponível em: http://www.anaisdedermatologia.org.br/

SOUZA, T.J.; NETO, L.R.C.; LISBOA, H.C.F. Perfil epidemiológico da Hanseníase em Rondonópolis/ MT: 2001 a 2010. Saúde (Santa Maria). v.44, n.3, p.1-10, 2018.

TARIQUE, M. et al. Interleukin-10 Producing Regulatory B Cells Transformed CD4+CD25- Into Tregs and Enhanced Regulatory T Cells Function in Human Leprosy. Front Immunol. v. 23 n.9:1636, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-305

Refbacks

  • There are currently no refbacks.