“Por que estudar direitos humanos?”: uma análise da concepção dos alunos do curso de direito de uma instituição de ensino superior do Município de Pinhais, no Paraná/ Why should we study human rights? an analysis of the conceptions of law students from a higher education institutionin the Municipality of Pinhais, Paraná

Sthefani Pinheiro dos Passos Peres, Marcos Roberto de Souza Peres

Abstract


Este artigo tem o objetivo de analisar a concepção dos alunos de direito de uma Instituição de Ensino Superior localizada no município de Pinhais, região metropolitana de Curitiba, estado do Paraná, acerca do tema “direitos humanos”. Busca-se com isto, responder à pergunta “por que estudar direitos humanos?”. A existência de direitos inerentes ao homem por sua própria natureza passou a ganhar mais relevância principalmente depois da revolução francesa, a qual postulava os ideais de liberdade, igualdade e fraternidade. Aos poucos, os ordenamentos jurídicoscomeçaram a incorporar os direitos humanos, ressaltando, desta forma, a necessidade de se haver uma proteção, uma prevenção imprescindível contra o poder arbitrário e os excessos cometidos pelo Estado. O ordenamento jurídico brasileiro apresenta uma série de direitos humanos positivados: os direitos fundamentais, que são o marco da transição para o regime democrático no Brasil. Contudo, apesar desta bagagem histórica, o tema “direitos humanos” por diversas vezes ainda fica reduzido à associações que não revelam o caráter e a importância do tema para a sociedade.Diante deste panorama e considerando o objetivo proposto, o método escolhido paraa pesquisa, que se trata de pesquisa de campo, é a aplicação de um questionário para os estudantes de direito do primeiro, quinto e décimo período. Os resultados demonstram a concepção que os alunos tem ao chegar ao curso, e se estas concepções correspondem à uma visão correta ou distorcida a respeito do tema e se isto se mantém ou muda ao longo do curso. Os resultados, analisados comparativamente, são relevantes para esclarecer a importância de se estudar o tema “direitos humanos”, e de que maneira isso está sendo compreendido pelos alunos ao longo do curso.

 


Keywords


direitos humanos, direitos fundamentais, alunos de direito.

References


ANDRADE, José Carlos Vieira de. Os direitos fundamentais na constituição portuguesa de 1976. Coimbra: Almedina, 1987.

BARROS, Graciela Maria Costa; MEDINA, Patrícia. O processo de ensino-aprendizagem de direitos humanos nos cursos de direito do Tocantins. Brazilian Journal of Development., Curitiba, v. 5, n. 9, p. 15242-15254 sep. 2019.

BRONFENBRENNER, Urie. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: ArtMed, 1996.

CÂMARA, Edna Torres Felício. Dos direitos fundamentais. Curitiba, 2015. Nota de aula.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito constitucional. 6. ed. Coimbra: Almedina, 1993.

DALLARI, Dalmo. Um breve histórico dos direitos humanos. In: CARVALHO, José Sério (org.). Educação, cidadania e direitos humanos. Petrópolis: Vozes: 2004.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Curso de direito constitucional. 38. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

MENDES, Gilmar Ferreira. Teoria geral dos direitos fundamentais. In: MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de direito constitucional. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14 ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

PAGNAN, Rogério. Metade do país acha que ‘bandido bom é bandido morto’, aponta pesquisa. Folha de São Paulo, 5 out. 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2015.

SARLET, Ingo Wolfgang. Teoria geral dos direitos fundamentais. In: SARLET, Ingo Wofgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de direito constitucional. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-267

Refbacks

  • There are currently no refbacks.