Comunicação entre gestores e equipes das unidades de pronto atendimento 24h de um município do estado de minas gerais / Communication between managers and teams of the 24h assistance units of a municipality in the state of minas gerais

Karla Rona da Silva, Wesley Vieira Andrade, Fátima Ferreira Roquete, Edna Andréa Pereira de Carvalho, Cristiano Inácio Martins, Adriane Vieira, Bruno César Ferreira Peixoto, Débora Luciana Aparecida Silva

Abstract


Objetivo: Descrever as formas de comunicação entre os gestores e os membros das equipes das Unidades de Pronto Atendimento de um município do Estado de Minas Gerais, na visão deles próprios. Método: Estudo de abordagem qualitativa, descritiva e uso de estudo de caso único. A coleta de dados foi feita por meio de entrevista semiestruturada, realizada entre os meses de agosto a outubro de 2019, utilizando um roteiro previamente validado. Os participantes totalizaram 09 gestores de UPAs 24h. Para a análise dos dados foi adotada a técnica de análise de conteúdo, proposta por Minayo (2006). Fundamentação Teórica: O referencial foi subsidiado por contextualizações no campo das “teorias da comunicação” e “processo comunicativo em saúde”.  Resultados: As formas de comunicação utilizadas pelos gestores participantes foram: comunicação presencial; comunicação via aplicativo multiplataforma de mensagens para smartphones; comunicação verbal escrita e reunião de equipe. Considerações finais: Os gestores entendem a comunicação como um instrumento vital para a gestão. Foi possível sugerir outras formas de comunicação como “dedo de prosa” e “se vira nos 15”, Projeto Sol e Lua, e Daily Huddle.


Keywords


Comunicação; Gestão em Saúde; Serviços Médicos de Emergência.

References


ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Thomson, 2002. 203p.

BLUMENFELD, O.; BRAND, R. Real time medical learning using the WhatsApp cellular network: a cross sectional study following the experience of a division’s medical officers in the Israel Defense Forces. Disaster and Mil Med - BioMed Central, v. 12, p. 1-5, 2016.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Anvisa. Assistência Segura: Uma

Reflexão Teórica Aplicada à Prática. Brasília: Anvisa, 2017(a). Disponível em:

. Acesso em: 15 jan. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018. Dispõe sobre a proteção de dados pessoais e altera a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014 (Marco Civil da Internet). Diário Ofcial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 157, p. 59, 15 ago. 2018.

BROCA, P. V.; FERREIRA, M. de A. Equipe de enfermagem e comunicação: contribuições para o cuidado de enfermagem. Revista brasileira de enfermagem, Brasília, v. 65, n.1, p. 97-103, Fev. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v65n1/14.pdf. Acesso em: 11 ago. 2020.

CIELO, C.; CAMPONOGARA, S.; PILLON, R. B. F. A comunicação no cuidado à saúde em unidade de urgência e emergência: relato de experiência. Journal of Nursing and Health, Pelotas, v. 3, n. 2, p. 204-212, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/enfermagem/article/view/3398. Acesso em: 11 ago. 2020.

CORIOLANO-MARINUS, M. W. L. et al. Comunicação nas práticas em saúde: revisão

integrativa da literatura. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 23, n. 4, p. 1356-1369, dez. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902014000401356&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 11 ago. 2020.

FREIRE, E. M. R. et al. A comunicação como estratégia para manutenção da acreditação hospitalar. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, e20180224, 2019. Disponível em: http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452019000100214. Acesso em: 11 ago. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE. Mudança

demográfica no Brasil no início do Século XXI: subsídios para as projeções da população. Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, 2015. Disponível em:. Acesso em: 03 jan. 2020.

JOHNSTON, M.J. et al. Smartphones let surgeons know WhatsApp: an analysis of

communication in emergency surgical teams. The American Journal of Surgery. v. 209, n.1, p.45-51, 2015. Disponível em: https://www.americanjournalofsurgery.com/article/S0002-9610(14)00525-X/fulltext. Acesso em: 11 ago. 2020.

LIMA, I. C. V. de et al. Uso do aplicativo Whatsapp no acompanhamento em saúde de

pessoas com HIV: uma análise temática. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, e20170429, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452018000300202&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 11 ago. 2020.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. São Paulo: EPU, 2013. 128 p.

MARTINS, M.T.M.C. Diálogo e interações face a face: a força da oralidade na comunicação interna. Organicom. Ano 10, n. 19, p. 194-208, 2o sem 2013. Disponível em:http://www.revistas.usp.br/organicom/article/view/139203. Acesso em: 10 jan.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9a ed. São Paulo: Hucitec, 2006. 406 p.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 34 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015. 108 p.

MINAYO, M. C. S.; ASSIS, S. G.; SOUZA, E. R. Avaliação por triangulação de métodos: Abordagem de Programas Sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005. p. 19-51.

MISSEL, S. Feedback Corporativo: Como saber se está indo bem. São Paulo: Saraiva,

248 p.

MUESSIG, K.E. et al. A Systematic Review of Recent Smartphone, Internet and Web 2.0 Interventions to Address the HIV Continuum of Care. Current HIV/AIDS Reports, v. 2, n. 1, p. 173-190, Mar 2 015. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25626718. Acesso em: 09 jan. 2020.

NOGUEIRA, J. W. da S.; RODRIGUES, M. C. S. Comunicação efetiva no trabalho em

equipe em saúde: um desafio para a segurança do paciente. Cogitare Enfermagem, v. 20, n. 3, 2015. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/40016. Acesso em: 11 ago. 2020.

ONG M.; COIERA E. A systematic review of failures in handoff communication during

intrahospital transfers. The Joint Commission Jornal on Quality and Patient Safety, v. 37, n. 6, p. 274-284, Jun. 2011. Disponível em: https://www.jointcommissionjournal.com/article/S1553-7250(11)37035-3/fulltext. Acesso em: 11 ago. 2020.

PAULINO, D. B. et al. WhatsApp® como Recurso para a Educação em Saúde:

Contextualizando Teoria e Prática em um Novo Cenário de Ensino-Aprendizagem. Revista brasileira de educação médica. Brasília, v. 42, n. 1, p. 171-180, Jan. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-

&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 09 jan. 2020.

PENA, M. M.; MELLEIRO, M. M. Eventos adversos decorrentes de falhas de comunicação: reflexões sobre um modelo para transição do cuidado. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 8, n. 3, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/25432. Acesso em: 11 ago. 2020.

PETRUZZI, M.; DE BENEDITTIS, M. WhatsApp: a telemedicine platform for facilitating remote oral medicine consultation and improving clinical examinations. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol. v. 121, n. 3, p. 248-254, Mar. 2016. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26868466. Acesso em: 09 jan. 2020.

SANTOS, M. C. et al. O processo comunicativo no Serviço de Atendimento Móvel de

Urgência (SAMU-192). Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 69-76, Mar. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-14472012000100010&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 11 ago. 2020.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Saúde. Instituto de Saúde. Boletim do

Instituto de Saúde – BIS, São Paulo, v. 12, n. 1, Abr. 2010. Disponível em:

. Acesso em: 24 fev. 2019.

SIDHOUM, N. et al. WhatsApp: Improvement tool for surgical team communication. J Plast Reconstr Aesthet Surg, v. 69, n 11, p. 1562-1563, Nov 2016. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27341767. Acesso em: 05 jan. 2020

SILVA, M. J. P. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. 13. ed. São Paulo: Loyola, 2016. 136 p.

SILVA, S. T. M. da. Teorias da comunicação nos estudos de relações públicas. Porto

Alegre: EDIPUCRS, 2011.102 p.

STEFANELLI, M. C. Comunicação com paciente: teoria e ensino. 2 ed. São Paulo: Robe Editorial, 1993. 144 p.

SIMAN, A. G.; BRITO, M. J. M. Mudanças na prática de enfermagem para melhorar a

segurança do paciente. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 37, e68271, 2016. Número especial. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-14472016000500413&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 11 ago. 2020.

SOUSA, K. O. de; BARROS, L. de M. Estresse e Estratégias de Enfrentamento de Gestores de Saúde. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 496-515, Ago. 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812018000200007&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 16 jan. 2020.

TEMER, A. C. R. P.; NERY, V. C. A. Para entender as Teorias da Comunicação. 2. ed. Uberlândia: EDUFU, 2009. 206 p.

THOFEHRN, M.B. et al. A dimensão da subjetividade no processo de trabalho da

enfermagem. Journal of Nursing and Health, Pelotas, v. 1, n. 1, p. 190-198, jan/mar. 2011. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/enfermagem/article/view/3423. Acesso em: 11 ago. 2020.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2016. 104 p.

VERGARA, S. C. Método de pesquisa em administração. 16. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 288 p.

WILLEMSE, J.J. Undergraduate nurses reflections on Whatsapp use in improving primary health care education. Curationis, v. 38, n. 2, p.1512, Aug. 2015. Disponível

em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26304053. Acesso em: 03 jan. 2020




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-255

Refbacks

  • There are currently no refbacks.