Primeiros passos para a implementação de um projeto de extensão: dificuldades impostas pela pandemia / First steps to implement an extension project: difficulties imposed by the pandemic

Eduarda Ferretti, Renan Vinícius Tomio, Olívia David Pacheco de Faria Rodrigues, Eduarda Christina Assis de Miranda, José Kayque Neves, Micheli Stéfani Zarzecki, Isabel Cristina de Macedo, Mara Cristina Pimenta dos Santos Ruybal

Abstract


A extensão universitária é um importante espaço de reflexão crítica que ressignifica o processo de ensino­-aprendizagem, priorizando o desenvolvimento de habilidades e competências e a troca de saberes com a comunidade. A pandemia por COVID‐19 e a necessidade de distanciamento social para evitar a propagação do vírus impuseram mudanças significativas que afetaram gravemente a escola, a família e a vida profissional e ressaltou as desigualdades sociais, com prováveis impactos negativos na saúde e bem-estar das crianças e adolescentes. Dessa forma, o distanciamento social pode contribuir com o aumento da obesidade infantil, que já apresenta índices alarmantes no Brasil. A partir desse contexto, surgiu o projeto de extensão “Aprendendo para prevenir: projeto de capacitação de professores da rede básica sobre a obesidade infantil” que tem como objetivo criar um programa de orientações voltado a professores das redes pública e privada de ensino fundamental da cidade de Uruguaiana/RS, sobre a obesidade infantil e a compulsão alimentar, incluindo os fatores de risco e as formas de identificá-los, bem como a criação conjunta de ferramentas direcionadas às crianças. Esse artigo relata as dificuldades de implantação do projeto em tempos de distanciamento social. As dificuldades encontradas nesse momento inicial são inerentes ao contexto incipiente do ensino remoto, como a dificuldade de criar vínculos com o público-alvo ou a dificuldade de engajamento nas redes sociais. Apesar das dificuldades encontradas, temos que salientar que o diagnóstico realizado junto ao público alvo nesta etapa do projeto, demonstrando, entre outras coisas, o reconhecimento da obesidade infantil e o bullying, foi bastante satisfatório a fim de balizar nossas atividades futuras.


Keywords


Educação básica. Intimidação vexatória. Obesidade infantil. Promoção em Saúde.

References


BATISTA, M.S.A., MONDINI, L., JAIME, P.C. Ações do Programa Saúde na Escola e da alimentação escolar na prevenção do excesso de peso infantil: experiência no município de Itapevi, São Paulo, Brasil, 2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde [online]. v. 26, n. 3, p. 569-578, 2017.

BRASIL. Fórum de Pró­-reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras ­ FORPROEX. Indissociabilidade ensino, pesquisa, ­extensão e a flexibilização curricular: uma visão da extensão. Brasília: MEC/SESu. 2006. Disponível em: https://www.uemg.br/downloads/indissociabilidade_ensino_pesquisa_extensao.pdf. Acesso em: mar. 2021.

BRASIL. Lei Nº 11.947, DE 16 DE JUNHO DE 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do programa dinheiro direto na escola aos alunos da educação básica. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l11947.htm. Acesso em: fev. 2021.

BRASIL. Medida Provisória nº 934, de 1º de abril de 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/medida-provisoria-n-934-de-1-de-abril-de-2020-250710591. Acesso em: fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atlas da Obesidade Infantil no Brasil, 2019. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/dados_atlas_obesidade.pdf. Acesso em: mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.761, de 19 de novembro de 2013. Institui a Política Nacional de Educação Popular em Saúde no âmbito do SUS (PNEPS-SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2761_19_11_2013.html. Acesso em: mar. 2021.

CHARCZUK, S.B. Sustentar a Transferência no Ensino Remoto: docência em tempos de pandemia. Educ. Real, Porto Alegre, v. 45, n. 4, e109145, 2020.

CHAVES, M.G.A.M., et al. Estudo da relação entre a alimentação escolar e a obesidade. HU Revista, v. 34, n. 3, 6 mar. 2009.

DUARTE, C.T.S. et al. Atividade de extensão como ferramenta de ensino e aprendizagem na Educação Superior / Extension activity as a teaching and learning tool in college education. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 7, n. 2, p.19267-19283, 2021.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25 ed. São Paulo. Paz e Terra, 1996. p.166.

JARDIM, J.B., SOUZA, I.L. Obesidade infantil no Brasil: uma revisão integrativa. J Manag Prim Heal Care. 2017; v. 8, n. 1, p. 66-90.

KRISHNARATNE, S. et al. Measures implemented in the school setting to contain the COVID-19 pandemic: a scoping review. Cochrane Database of Systematic Reviews. v. 12, Art. No.: CD013812, 2020.

LIRA, A.L.B.C. et al. Educação em enfermagem: desafios e perspectivas em tempos da pandemia COVID-19. Rev Bras Enferm. v. 73, Suppl 2, e20200683, 2020.

LUCENA, J.M.S. et al. Prevalência de tempo excessivo de tela e fatores associados em adolescentes. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 33, n. 4, p. 407-414, Dec. 2015.

MACEDO, L., FESTAS, C., VIEIRA, M. Percepções parentais sobre estado nutricional, imagem corporal e saúde em crianças com idade escolar. Revista de Enfermagem Referência, Coimbra. v. 3, n. 6, p. 191-200, mar. 2012.

MACÊDO, R.C. et al. Associação entre aleitamento materno e excesso de peso em pré-escolares. Acta Paul Enferm. v. 33, p. 1-8, 2020.

NASCIMENTO, E.G. et al. Projeto de extensão universitária fortalecendo as ações de vigilância da saúde no Estado da Paraíba: relato de experiência. Saúde em Redes. v. 6, n. 2, p. 315­325, 2020.

NUNES, A.L.P.F., SILVA, M.B.C. A extensão universitária no ensino superior e a sociedade. Mal-Estar e Sociedade. v. 4, n. 7, p. 119-133, jun./dez. 2011.

PIETROBELLI, A. et al. Effects of COVID-19 Lockdown on Lifestyle Behaviors in Children with Obesity Living in Verona, Italy: A Longitudinal Study. Obesity (Silver Spring, Md.) v. 28, n. 8, p. 1382-1385, 2020.

SATO, Leny. Pesquisar e intervir: encontrando o caminho do meio. In: Castro LR, Besset VL, organizadores. Pesquisa-Intervenção na Infância e Juventude. Rio de Janeiro: Nau; Faperj, 2008. p. 171-178.

SILVA, A.C.F. Programa saúde na escola: análise da gestão local, ações de alimentação e nutrição e estado nutricional dos escolares brasileiros [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2014, p. 162.

SILVEIRA, D.M.C. Obesidade infantil dificuldades dos docentes no ensino de educação nutricional. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização). Foz do Iguaçu: Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2011, p. 44.

SOLORZANO, C.M.B., MCCARTNEY, C.R. Obesity and the pubertal transition in girls and boys. Reproduction. v. 140, n. 3, p. 399–410, 2010.

SOUZA, K.R. et al. Trabalho remoto, saúde docente e greve virtual em cenário de pandemia. Trab. educ. saúde. v.19, e00309141, 2021.

STORZ, M.A. The COVID-19 pandemic: an unprecedented tragedy in the battle against childhood obesity. Clinical and experimental pediatrics v. 63, n. 12, p. 477-482, 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Report of the Commission on Ending Childhood Obesity. Implementation Plan: executive summary. Geneva: World Health Organization; 2017. Disponível em: https://www.who.int/iris/bitstream/10665/259349/1/WHO-NMH-PND-ECHO-17.1-eng.pdf?ua=1. Acesso em: fev. 2021.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-250

Refbacks

  • There are currently no refbacks.