Implantação da auriculoterapia como cuidado na atenção primária à saúde do Municipio de Horizonte – Ceara: relato de experiência / Implementation of auriculotherapy as care in primary health care in the City of Horizonte - Ceara: experience report

José Auricélio Bernardo Cândido, Geovanna Maria Sales Monteiro, Ana Sávia de Brito Lopes Lima e Souza e Souza, Risolinda Rodolfo de Sá Batista, Slayton Frota Sá Nogueira Neves, Rodrigo Sérgio da Silva Rodrigues, Thausi Frota Sá Nogueira Neves Souza

Abstract


A auriculoterapia é um recurso terapêutico complementar, baseado na Medicina Tradicional Chinesa, que utiliza abordagem integral ao processo saúde-doença e utiliza estímulos locais anatômicos energéticos localizados na orelha, por meio de agulhas, esferas ou sementes de mostarda. O objetivo deste estudo é relatar a experiência da formação dos profissionais de saúde e da implantação da auriculoterapia na Atenção Primária à Saúde do município de Horizonte, Ceará. Trata-se de um relato de experiência que descreve as etapas de implantação da Auriculoterapia em unidades de atenção primária de saúde. Baseado nos sete passos da experiência vivenciada por Santos e Tesser (2012) e demonstraram ser muito eficazes. O curso formou 46 profissionais de saúde capazes de exercer a auriculoterapia sob os dois maiores referenciais no mundo, a auriculoterapia francesa, postulada por Paul Norgier e a auriculoterapia sob o diagnóstico da medicina tradicional chinesa, trazida há milênios passados de geração em geração.  A experiência configurou-se como uma ação de ampliação de acesso e qualificação dos serviços de saúde na visão da integralidade dentro do contexto familiar e social dos usuários do SUS. Além disso, o curso possibilitou a ampliação da percepção do profissional sobre o binômio saúde/doença ao basear-se na Reflexologia, Neurofisiologia e MTC; e teve uma boa aceitação, com baixo percentual de desistência, e um excelente aproveitamento para o exercício da prática assistencial.


Keywords


Práticas Integrativas e Complementares, Auriculoterapia, Atenção Primária.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Práticas Integrativas e Complementares: Quais são e para quem servem. Medicina Tradicional Chinesa. Acupuntura. Portal do Governo Brasileiro, 2020. Disponível em: http://saude.gov.br/saude-de-a-z/praticas-integrativas-e-complementares#quais.

TESSER, C.D; NEVES, M.L; SANTOS. M.C. Introdução à formação em auriculoterapia Módulo 1. Florianópolis. 2016. Universidade Federal de Santa Catarina. Disponivel em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v42nspe1/0103-1104-sdeb-42-spe01-0174.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Politica Nacional de Medicina Natural e Práticas Complementares – PMNPC. Resumo executivo. Relatório Preliminar da 12ª Conferência Nacional de Saúde, 2005. Texto de introdução apresentado pelo MS para o Eixo Temático - A organização da atenção à saúde. Brasília, 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ResumoExecutivoMedNatPratCompl1402052.pdf.

TOLENTINO, F. Efeito de um tratamento com auriculoterapia na dor, funcionalidade e mobilidade de adultos com dor lombar crônica. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Instituto de Biociencias – Rio Claro. Programa de pós-graduação em desenvolvimento humano e tecnologias. (Dissertação). 2016. Rio Claro – SP. 51p. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/136212/tolentino_f_me_rcla.pdf?sequence=3.

KUREBAYASHI, L. F. S.; FREITAS, G. F.; OGUISSO, T. Enfermidades tratadas e tratáveis pela acupuntura segundo percepção de enfermeiras. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo , v. 43, n. 4, p. 930-936, Dec. 2009 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342009000400027&lng=en&nrm=iso. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342009000400027.

ROCHA, S. P.; BENEDETTO, M. A. C.; FERNANDEZ, F. H. B.; GALLIAN, D. M. C. A trajetória da introdução e regulamentação da acupuntura no Brasil: memórias de desafios e lutas. Ciênc. saúde coletiva 20 (1). Jan 2015. Disponivel em: https://www.scielo.br/j/csc/a/TwPGctbgFcc3FQM46dq6chd/?lang=pt. https://doi.org/10.1590/1413-81232014201.18902013

CORDEIRO, L. R. Técnica Radiônica com Sementes: Origem e Prática. Fortaleza, Ceará. Ed. Via Dourada, 2019. 172p.

ARTIOLI, D. P.; TAVARES, A. L. F.; BERTOLINI, G. R. F. Auriculoterapia: neurofisiologia, pontos de escolha, indicações e resultados em condições dolorosas musculoesqueléticas: revisão sistemática de revisões. Braz. Journal of Pain 2 (4). Oct-Dec. 2019 . Disponível em: https://www.scielo.br/j/brjp/a/9pVWPsNM8b59ZSwydtjBk8C/?lang=pt. Doi: https://doi.org/10.5935/2595-0118.20190065

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria 971 de 03 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Praticas Integrativas e Complementares (PNICS) no Sistema Único de Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html. Acesso em: 17 jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2015. 96 p.

TELESI JUNIOR, E. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Metrópole e Saúde – estudos avançados. 30 (86). Jan-Apr 2016. Disponivel em: https://www.scielo.br/j/ea/a/gRhPHsV58g3RrGgJYHJQVTn/?lang=pt. https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.00100007

PERES, S. P.; PEREIRA, G. B.; LOURENÇO, J. de L. Auriculoterapia na Atenção Primária. Rev. Uniplac. Editora Uniplac. v.6, n.1, (Anais), Lages, SC, 2018. Disponível em: https://revista.uniplac.net/ojs/index.php/uniplac/article/view/3457. Acesso em: 21 jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portal do Governo Brasileiro. Ministério da Saúde inclui 10 novas praticas integrativas no SUS. Brasilia, DF. 2018a. Disponível em: http://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42737-ministerio-da-saude-inclui-10-novas-praticas-integrativas-no-sus.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portal do Governo Brasileiro. Em São Paulo, 367 municípios utilizam praticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS. Brasilia, DF. 2018b. Disponível em: http://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42821-em-sao-paulo-367-municipios-utilizam-praticas-integrativas-no-tratamento-de-pacientes-do-sus.

ALVES, T. G.; SILVA, P. A. B.; PINHEIRO, S. S. Os benefícios do reiki, meditação, acupuntura e aromoterapia nas práticas integrativas: uma revisão narrativa. Conexão UNIFAMETRO 2019: diversidades tecnológicas e seus impactos sustentáveis. IX encontro de pós graduação. Área temática: Procedimentos físico-químicos utilizados em Estética. 2019. Disponível em: https://doity.com.br/media/doity/submissoes/5da51fa3-7518-40ce-acfa-7a3e43cda1d7-artigo-resumo-conexaopdf.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Portal do Governo Brasileiro. No Ceará, 125 municípios utilizam práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS. Brasilia, DF. 2018c. Disponível em: http://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42798-no-ceara-125-municipios-utilizam-praticas-integrativas-no-tratamento-de-pacientes-do-sus.

GABELOTTIL, T. O.; TURCIL, A. M.; SERIGATO, J. M. V. A.; et al. Effectiveness of acupuncture for temporomandibular disorders and associated symptoms Eficiência da acupuntura no tratamento das disfunções temporomandibulares e sintomas associados. Rev Dor. São Paulo, 2016 jul-set;17(3):223-7. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rdor/a/qLJKt39L7JBNMpQRzLTmLLJ/?format=pdf〈=pt.

CAMPOS, L. do N. de L. Os Novos Campos de Atuação na Odontologia Brasileira. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, Paraná, Vol.21, n.2, pp 45-150, Fev. 2018. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/327011192_os_novos_campos_de_atuacao_na_odontologia_brasileira_-_the_new_fields_of_work_in_brazilian_dentistry

NEVES, S. F. S. N.; et al. Os agentes comunitários de saúde e a cidadania planetária: um relato de experiência em formação. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 8, p.58007-58018 aug. 2020. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/14974/12366.

CANDIDO, J. A. B. FINDRISK: Diabetes Mellitus risk stratification in community health. Universidade Estadual do Ceará. 2016 (Dissertação). 90p. Disponível em: https://renasf.fiocruz.br/sites/renasf.fiocruz.br/files/disseracoes/2016_UECE_JOS%C3%89%20AURIC%C3%89LIO%20BERNARDO%20C%C3%82NDIDO_0.pdf.

SANTOS M. C.; TESSER C. D. Um método para a implantação e promoção de acesso às Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2012 Nov [cited 2015 Sep 30] ; 17( 11 ): 3011-3024. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v17n11/v17n11a17.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: Ministério da Saúde [internet]. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-246

Refbacks

  • There are currently no refbacks.