Aspectos epidemiológicos e clínicos da febre chikungunya em um município do semiárido brasileiro / Epidemiological and clinical aspects of chikungunya fever in a municipality in the Brazilian semiarid region

Tatiane Aparecida Queiroz, Francisca Patrícia Barreto de Carvalho, Alfredo Marcelo Grigio, Weslley Misael Bezerra Damasio, Lara Candice Costa de Morais Leonez, Leilane Alice Moura da Silva, Thaiza dos Santos Queiroz

Abstract


Este estudo tem como objetivo descrever e analisar os aspectos epidemiológicos e clínicos da febre chikungunya na área urbana do munícipio de Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil. Estudo epidemiológico analítico e transversal, realizado em duas unidades de pronto atendimento. Realizou-se a análise descritiva dos dados e aplicou-se o teste estatístico Qui-Quadrado (p<0,05). A maior parte dos indivíduos está compreendida na faixa etária de 21 a 40 anos. Observou-se que a maior incidência da doença aconteceu nos bairros Santo Antônio, Barrocas, Bom Jardim, Paredões, Boa Vista, Lagoa do Mato, Alto da Conceição, Belo Horizonte e Aeroporto. O maior número de casos da doença aconteceu em 2016. A artralgia foi o principal sintoma apresentado pelos indivíduos. Os achados contribuem para o desenvolvimento de ações de vigilância epidemiológica mais eficazes e que tenham maiores impactos na redução da ocorrência de casos de febre chikungunya.

 

 


Keywords


Febre de Chikungunya; Epidemiologia; Doenças Crônicas; Doenças Transmissíveis Emergentes.

References


AZAMI, N. A. M. et al. Emergence of chikungunya seropositivity in healthy Malaysian adults residing in outbreak-free locations: chikungunya seroprevalence results from the Malaysian Cohort. BMC Infectious Diseases, [s.l.], v. 13, n. 67, p. 1-9, 2013. DOI: doi: 10.1186/1471-334-13-67. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3651385/pdf/1471-2334-13-67.pdf. Acesso em: 06 mar. 2019.

AZEVEDO, R. S. S.; OLIVEIRA, C.S.; VASCONCELOS, P.F.C. Risco do chikungunya para o Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 49, n. 58, p. 1-6, set. 2015. DOI: doi:10.1590/S0034-8910.2015049006219. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102015000100509&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 15 jan. 2019.

BARBOSA, G. L. et al. Indicadores de infestação larvária e influência do porte populacional na transmissão de dengue no estado de São Paulo, Brasil: um estudo ecológico no período de 2007-2008. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 21, n. 2, p. 195-204, jun. 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742012000200002. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742012000200002. Acesso em: 20 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h): o que é, quando usar, diretrizes e competências. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/unidade-de-pronto-atendimento-upa-24h. Acesso em: 02 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Chikungunya: manejo clínico. Brasília: Ministério da Saúde, 2017a. 65p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de dengue, febre de chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 50, 2017. Brasília: Ministério da Saúde, 2017b. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/10/2017-046-Publicacao.pdf. Acesso em: 02 jan. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de arboviroses urbanas transmitidas pelo Aedes Aegypti (dengue, chikungunya e zika), Semanas Epidemiológicas 1 a 15, 2020. Brasília: Ministério da Saúde, 2020. Disponível em: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2020/April/16/Boletim-epidemiologico-SVS-16.pdf. Acesso em: 24 abr 2020.

CUNHA, R.V.; TRINTA, K.S. Chikungunya virus: clinical aspects and treatment - a review. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v. 112, n. 8, p. 523-531, ago. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/0074-02760170044. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02762017000800523. Acesso em: 05 fev. 2018.

DOKE, P. P.; DAKHURE, D. S.; PATIL, A. V. A Clinico-Epidemiological Study of Chikungunya Outbreak in Maharashtra State, India. Indian Journal of Public Health, [s.l.], v. 55, n. 4, p. 313-316, 2011. DOI: doi: 10.4103/0019-557X.92413. Disponível em: http://www.ijph.in/temp/IndianJPublicHealth554313-7444653_204046.pdf. Acesso em: 10 maio 2019.

DONALISIO, M. R.; FREITAS, A. R. R; ZUBEN, A. P. B.V. Arboviroses emergentes no Brasil: desafios para a clínica e implicações para a saúde pública. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 51, n. 30, p. 1-6, abr. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s1518-8787.2017051006889. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102017000100606&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 05 de jan. 2018.

DWIBEDI, B. et al. Rapid spread of Chikungunya virus infection in Orissa: India. Indian Journal of Medical Research, [s.l.], v. 133, n. 3, p. 316-321, mar. 2011. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3103158/. Acesso em: 10 maio 2019.

FIGUEIREDO, M. L. G; FIGUEIREDO, L. T. M. Emerging alphaviruses in the Americas: Chikungunya and Mayaro. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 47, n. 6, p. 677-683, nov./dec. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0037-8682-0246-2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822014000600677. Acesso em: 05 jan. 2018.

JOUBERT, P. et al. Chikungunya-induced cell dea this limited by ER and oxidativ estress induced autophagy. Autophagy, [s.l.], v. 8, n. 8, p. 1261-1263, 2012. DOI: https://doi.org/10.4161/auto.20751. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22836517. Acesso em: 19 fev. 2019.

MAGUIÑA-VARGAS, C. Fiebre de Chikungunya: una nueva enfermedad emergente de gran impacto en la salud pública. Revista Medica Herediana, [s.l.], v. 26, n. 1, p. 55-59, 2015. Disponível em: http://www.scielo.org.pe/pdf/rmh/v26n1/a11v26n1.pdf. Acesso em: 23 fev. 2020.

MARTÍ-CARVAJAL, A. et al. Interventions for treating patients with Chikungunya virus infection-related rheumatic and musculoskeletal disorders: a systematic review. PLOS One, [s.l.], v. 12, n. 6, e0179028, jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0179028. Disponível em: http://journals.plos.org/plosone/article/file?id=10.1371/journal.pone.0179028&type=printable. Acesso em: 02 abr. 2019.

MATEO, L.; ROURE, S. Chronic arthritis in Chikungunya virus infection. Reumatología Clínica, [s.l.], v. 15, n. 2, p. 113-116, abr./mar. 2017. DOI: doi: 10.1016/j.reuma.2017.06.012. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28751110. Acesso em: 02 abr. 2019.

MOGAMI, R. et al. Ultrassonografia do tornozelo no diagnóstico das complicações da febre chikungunya. Radiologia Brasileira, [s.l.], v. 50, n. 2, p. 71-75, mar./abr. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/0100-3984.2016.0221. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rb/v50n2/pt_0100-3984-rb-20160221.pdf. Acesso em: 05 fev. 2018.

NASCIMENTO, S. S.; AGUIAR, D. R. C. A educação ambiental no currículo da rede municipal de ensino de São Paulo/SP. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 7, n. 6, p. 54252-54263, jun. 2021. DOI: 10.34117/bjdv7n6-023. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/30637/pdf. Acesso em: 22 de jun. 2021.

NEVES-SILVA, P.; HELLER, L. O direito humano à água e ao esgotamento sanitário como instrumento para promoção da saúde de populações vulneráveis. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 21, n. 6, p. 1861-1869, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.03422016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232016000601861&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 jan. 2020.

NSOESIE, E.O. et al. Spatial and temporal clustering of chikungunya virus transmission in Dominica. PLOS Neglected Tropical Diseases, [s.l.], v. 9, n. 8, p. 1-11, ago. 2015. DOI: doi: 10.1371/journal.pntd.0003977. Disponível em https://journals.plos.org/plosntds/article/file?id=10.1371/journal.pntd.0003977&type=printable. Acesso em: 06 mar. 2019.

OLIVEIRA, F.L.B. et al. Estudo comparativo da atuação do enfermeiro no controle de dengue e febre chikungunya. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 25, n. 4, p. 1031-38, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902016160638. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v25n4/1984-0470-sausoc-25-04-01031.pdf. Acesso em: 15 fev. 2018.

QGIS DEVELOPMENT TEAM. Open Source Geospatial Foundation. QGIS Geographic Information System, 2016. Disponível em: http://qgis.org. Acesso em: 02 jan. 2018.

QUEIROZ, T.A. et al. Distribuição espacial dos casos de febre chikungunya na área urbana de Mossoró-RN e sua correlação com a vulnerabilidade socioambiental. Revista Brasileira de Geografia Física, [s.l.], v. 13, n. 6, p. 2929-2943, 2020. DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.6.p2929-2943. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/rbgfe/article/view/245397/37213. Acesso em: 10 jan. 2021.

RAJAPAKSE, S.; RODRIGO, C.; RAJAPAKSE, A. Atypical manifestations of chikungunya infection. Transactions of the Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene, v. 104, n. 2, p. 89-96, fev. 2010. DOI: doi: 10.1016/j.trstmh.2009.07.031. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19716149. Acesso em: 23 fev. 2018.

RAMACHANDRAN, V. et al. Impact of chikungunya on health related quality of life Chennai, South India. Plos One, [s.l.], v. 7, n. 12, p. 1-7, dez. 2012. DOI: doi: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0051519.g002. Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article/file?id=10.1371/journal.pone.0051519&type=printable. Acesso em: 10 maio 2019.

RIBEIRO, A. M. B. M. et al. Abordagem fisioterapêutica na fase tardia da chikungunya: um relato de caso. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 16, Supl. 1, p. 57-62, nov. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9304201600s100005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1519-38292016000800005&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 05 fev. 2018.

SÁNCHEZ, G. P. et al. Fiebre de Chikungunya: enfermedad infrecuente como emergencia médica en Cuba. MEDISAN, Santiago de Cuba, v. 18, n. 6, p. 848-856, jun. 2014. Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1029-30192014000600015. Acesso em: 19 fev. 2019.

SILVA, C. S. P. Vulnerabilidade socioambiental urbana: um estudo da cidade de Mossoró/RN. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciências Naturais) – Faculdade de Ciências Exatas e Naturais, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, 2017.

SILVA, T. C. C. et al. Aspectos Epidemiológicos da Chikungunya no Estado do Espírito Santo, Brasil, 2014 a 2017. Revista Guará, [s.l.], v. 6, n. 9, p. 21-31, 2018. DOI: https://doi.org/10.30712/guara.v6i9.19492. Disponível em: http://www.portaldepublicacoes.ufes.br/guara/article/view/19492/13674. Acesso em: 02 abr. 2019.

SIQUEIRA, A. C.; VILAÇA, F. A.; FRENEDOZO, R. C. Concepção dos licenciandos em ciências biológicas sobre a influência dos fatores ambientais no aparecimento do aedes aegypti. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, [s.l.], v. 9, n.3, p. 70-86, abr./jun. 2018. DOI: https://doi.org/10.26843/rencima.v9i3.1369. Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1369. Acesso em: 23 fev. 2019.

YABUUTI, P. L. K et al. O exercício físico na terceira idade como instrumento de promoção da saúde. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 11, n. 6, p. 1-10, 2019. DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e316.2019. Disponível em: https://www.acervocientifico.com.br/index.php/saude/article/view/316/222. Acesso em: 20 abr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n7-202

Refbacks

  • There are currently no refbacks.